10 de fevereiro de 2016
por esmael
7 Comentários

Lula no vídeo: ‘Cometemos erros e quem comete erros paga’

do Brasil 247

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva publicou nesta tarde um vídeo em sua página no Facebook em homenagem aos 36 anos do Partido dos Trabalhadores, comemorados nesta quarta-feira 10.

Na mensagem, Lula afirma que o partido cometeu erros, porém, sem especificá-los. “É certo que cometemos erros e quem comete erros paga pelos erros que cometeu”, diz o ex-presidente no vídeo.

Lula pede, no entanto, uma “reflexão sobre a importância do que esse partido já fez para o Brasil” e afirma que este é o partido “mais importante da política brasileira”.

O fundador do PT disse também que o partido foi o que mais “fez política social na história” do País e que por isso “vive enfrentando os adversários conservadores que não aceitam o jeito petista de governar”.

Ele destaca que o Partido dos Trabalhadores foi a legenda que “deu vez e voz aos trabalhadores”. “Foi uma revolução”, afirma. Assista:

10 de fevereiro de 2016
por esmael
13 Comentários

PHA: ‘Crise pode fazer Requião candidato do PMDB’; ouça a entrevista

por Paulo Henrique Amorim, via site Conversa Afiada

Nesta quarta-feira (10), o senador Roberto Requião (PMDB-PR) admitiu a possibilidade de ser candidato a Presidente da República. A ideia ganhou força quando ele lançou uma plataforma de cinco pontos com “a economia do desenvolvimento”.

Em entrevista por telefone a Paulo Henrique Amorim, Requião comentou os principais itens da proposta elaborada em conjunto com economistas e intelectuais, sob a liderança do ex-presidente do BNDES, Carlos Lessa.

Ouça a entrevista:

Os pontos centrais são:

1- o compromisso com a democracia;

2- o compromisso com a soberania;

3- o compromisso com a solidariedade;

4- o compromisso com o desenvolvimento;

e 5- o compromisso com a sustentabilidade.

Outra ideia é, no curto prazo, reformar os mecanismos de segurança e justiça no país, inclusive fazer com que o judiciário deixe de se auto regulamentar.

Abaixo, a entrevista na íntegra.

PHA: Eu vou entrevistar o senador Roberto Requião, que apresentou cinco propostas concretas para uma reorganização do país em torno de uma economia do desenvolvimento. A primeira delas é a transformação progressiva e ordenada da dívida pública em investimento produtivo. A pergunta é: como transformar a dívida em investimento sem que aja um calote da dívida?

Requião: Há o exemplo da economia alemã, conduzida pelo Horace Greeley Jalmar Schacht [ 1877 — 1970, um político e banqueiro alemão]. Nós podemos diminuir os juros da SELIC e criar a possibilidade de investimentos em áreas produtivas. Se nós diminuirmos, a primeira questão seria a seguinte: ‘ah, mas não vão aplicar’ no Brasil. Vão sim, pois não existe outra aplicação mais rentável no mundo hoje. Os Estados Unidos fixaram juros de 0,25% a 0,50% de títulos e já estão com – 1% ao ano.

E nós podemos criar setores de desenvolvimento através de investimentos em infraestrutura com uma taxa interna de retorno garantida pelo Banco Central. E, progressivamente, iríamos transformar esses investimentos rotativos que paralisam a economia brasileira, já que aumentam os juros, recebem (os juros) e novamente investem em Letras do Tesouro e debêntures do Tesouro (para receber os juros), em um círculo que não traz desenvolvimento algum. Então, progressivamente, nós resolveremos esse problema com investimentos em infraestrutura no Brasil.

PHA: A segunda medida que o senhor propõe é o controle sobre a movimentação de capitais. Como seria feito isso sem que provocasse a ira incontrolável das agências de risco?

Requião: Inicialmente, não

10 de fevereiro de 2016
por esmael
10 Comentários

Requião promete “chumbo grosso” para adversários em comerciais de TV; assista ao vídeo

O senador Roberto Requião e o deputado Requião Filho, em vídeo distribuído nas redes sociais, prometeram “chumbo grosso” nos adversários durante as inserções do PMDB no horário eleitoral gratuito que irão ao ar no final deste mês.

Em estilo jogral, pai e filho mandam o recado às “ratazanas, tartarugas e raposinhas”. Eles se referem, sem citar nomes, aos possíveis adversários Ratinho Junior (ratazanas), do PSC; Gustavo Fruet (tartarugas), do PDT; e não foi possível antecipar a quem eles insinuavam que seriam “raposas”. Por isso, o leitor terá de esperar o horário eleitoral peemedebista para saber de quem se trata.

“Vem aí o horário comercial do PMDB. Preocupem-se ratazanas, tartarugas e raposas [raposinhas]. Vem chumbo grosso!”, advertiu o senador Requião, em tom de ironia, com intervenção de Requião Filho que disputará a Prefeitura de Curitiba.

Assista ao vídeo:

Pelas informações colhidas pelo Blog do Esmael, Requiãozinho ficará com cerca de 40 inserções na TV Globo previstas para a capital e região metropolitana. No interior do estado, no entanto, o senador ocupará o espaço televisivo na maioria das praças que têm emissoras.

10 de fevereiro de 2016
por esmael
21 Comentários

Deputado Leprevost jura que não cederá lugar para o Japonês da Federal

ney_japaO deputado estadual Ney Leprevost, presidente municipal do PSD de Curitiba, em contato com o Blog do Esmael, jurou de pés juntos que não cederá lugar para o Japonês da Federal concorrer pelo partido à Prefeitura de Curitiba.

Em nota, o parlamentar confirmou que recebeu o Japonês da Federal em um churrasco familiar no último domingo mas negou que tenham tratado de política no encontro.

Ontem à noite (9), o Blog do Esmael havia cravado que a capital paranaense poderia ter pela segunda vez um prefeito de origem nipônica, o Japa da Federal, em virtude do approach com Leprevost. O primeiro japa prefeito de Curitiba foi Cássio Taniguchi (DEM), entre 1997 e 2005.

A seguir, leia a íntegra da nota de esclarecimento de Ney Leprevost:

10 de fevereiro de 2016
por esmael
15 Comentários

Doenças e rejeições podem tirar prefeitos da reeleição em 2016

Os atuais mandatos de todos os prefeitos brasileiros que se encerram em 1º de janeiro de 2017 — eu disse “TODOS”, sem medo de errar — nunca foram tão questionados e colocados ao crivo da opinião. Mesmo com censura daqui e ali, onde a velha mídia esconde fatos ou os escancara, de acordo com a cara do freguês, que pagou ou deixou de pagar uns pixulecos. Mas a situação é crítica e compromete projetos de reeleição.

Dois casos concretos chamaram a atenção do Blog do Esmael no início deste ano: 1- a prefeita do município de Colombo, Beti Pavin (PSDB), muito adoecida, pode desistir de concorrer a um segundo mandato este ano; 2- o prefeito do município de Araucária, Olizandro Ferreira (PMDB), também convalescendo, pode voltar para casa antes.

Ambos os municípios acima pertencem à região metropolitana de Curitiba e estão entre os mais ricos e populosos do Paraná. A diferente entre os mandatários consiste apenas que um (a tucana) tem popularidade alta e outro (o peemedebista) está em último lugar nas sondagens. Entretanto, o que os deixam parecido é a debilidade na própria saúde – que pode tirá-los definitivamente do jogo político de 2016.

Noutro caso sobra saúde ao prefeito de Curitiba Gustavo Fruet (PDT), mas, segundo os analistas políticos, faltam-lhe votos para continuar à frente do Palácio 29 de Março — a sede do executivo municipal da capital paranaense. O pedetista já sente a fungada no cangote de ao menos dois adversários: 1- do ex-prefeito Rafael Greca, do PMN em vias de migração para o DEM; 2- do deputado Requião Filho, do PMDB do senador Requião cuja aprovação bate no céu.

Embora com saúde de “touro premiado”, o quadro complexo de reeleição de Fruet pode fazê-lo desistir da reeleição. Tanto que o prefeito sequer concede entrevistas à mídia sobre as eleições de 2016. Tardiamente, o pedetista montou um “comitê anticrise” que dará parecer final em junho.

A crise política que bate em Chico e em Francisco desde junho de 2013 também arrebentou a popularidade da maioria dos prefeitos brasileiros, algo perto de 90% deles. Muitos deles ou podem desistir da reeleição ou simplesmente serem defenestrados da política mais cedo. O caminho, portanto, lá e cá, é favorável a novas lideranças

10 de fevereiro de 2016
por admin
31 Comentários

Coluna do Rafael Greca: #InventeUmaDesculpaProFruet

Download áudio

Rafael Greca*

O que fizeram com a nossa casa? O que foi feito da qualidade de vida da nossa Curitiba? Como Fruet conseguiu aniquilar uma Prefeitura que já foi modelo de serviço público?

São perguntas que não calam. E como estamos no último ano desta desprefeitura, cabe a pergunta das perguntas: o que foi feito prefeito?

É dever de um prefeito entregar ao sucessor uma Cidade melhor, mais justa e mais bela do que a recebeu. O que foi feito prefeito?

Silêncio nos tribunais das calçadas, onde quem cala consente. Jogar a culpa em Brasília, não cola. Jogar a culpa nos protestos curitibanos, não cola. Acabou o milho, acabou a pipoca. A fábrica de desculpas faliu, por isso o movimento #voltacuritiba lançou a tag #InventeUmaDesculpaProFruet.

A cidade nunca esteve tão maltratada. O desprefeito não cuida da cidade, nem olha para as pessoas. Não há obras, não há ação social, nem coragem política. Falta presença e a marca até agora só a molecagem no Facebook, que seria cômico, se não fosse trágico. Há sangue nas calçadas, muita violência. Há moradores de rua, há ratos, há buracos, há pichações. Por sorte ainda existe o prédio da prefeitura, só não há prefeito, mas um colegiado nepotista ávido por aumentar taxas, tarifas e impostos.

Sem resposta para a pergunta o que foi feito prefeito, a ausência de Gustavo Fruet na sabatina da Gazeta do Povo foi uma confissão de desonestidade e de desrespeito ao povo de Curitiba. Não prestar contas não combina com Curitiba e muito menos combina com a autoproclamada “honestidade”, da qual Fruet tanto se gaba.

Não é honesto Fruet ter duplicado a dívida da Prefeitura em 4 anos. Não é. A desculpa “culpa do Ducci”, perdeu o prazo de validade. FRUET passou quatro anos montado na desculpa que herdou do dívidas do Ducci, mas não denunciou o Ducci. Por que? Poderia e deveria ter encaminhado uma denúncia séria contra o antecessor, mas não denunciou. Deixou quieto.

Até os paralepípedos desta cidade sabem que vários cargos ficaram na mão dos mesmos, assim como foram renovados todos os contratos, da Consilux ao ICI. Ficou tudo como era antes. Foi eleito para mudar, e não mudou.

Ou Fruet é duas vezes incompetente, ou é duas vezes conivente.

O que foi feito, Prefeito? Prefeito é um substantivo que tem “feito” no nome. Fruet não tem nenhum feito. Será por isso que Fruet é só Prefs?

Perdi a eleição de 2012 para uma fotografia banhada em ouro. Ouro da corrupção denunciada pela Lava Jato. Esta fotografia revelou-se trágica quando saiu do papel.

Os problemas cresceram e crescem. E todos os problemas de Curitiba estão entre a mesa e a cadeira do prefeito. Estão no prefeito.

10 de fevereiro de 2016
por admin
7 Comentários

Coluna do Alvaro Dias: Ano novo com projeto e sem velhos impostos

Download áudio

Alvaro Dias*

O ano legislativo foi reaberto, de forma inusitada, com a presença da presidente da República no Congresso Nacional. Presença que representa um respeito à instituição parlamentar que ela não teve nos últimos anos. E isso só ocorreu agora, porque a presidente vive um momento turbulento e precisa remontar a sua base parlamentar para tentar sobreviver ao processo de impeachment.

Mas o discurso da presidente Dilma Rousseff no plenário do Congresso não trouxe novidades. Em um momento de recessão, inflação, desemprego e estagnação da economia, a presidente insistiu na recriação da CPMF. E obteve a sinalização contrária do plenário, com vaias e protestos.

O governo não pode continuar roubando do esforço dos trabalhadores. Já temos uma das maiores cargas tributárias do mundo, e não podemos continuar penalizando o setor produtivo. Tentar recriar o perverso imposto dos cheques é esbofetear a face dos trabalhadores brasileiros.

A presidente da República também falou sobre a necessidade de fazer reformas, especialmente a da Previdência. E por que não fez até hoje? É mais um discurso incompatível com a prática administrativa de um governo que gasta muito e se recusa a cortar na própria carne.

Nós concordamos com a necessidade de uma reforma da Previdência, mas precisamos saber qual é a reforma que o governo deseja. Nós já assistimos, no governo Lula, a uma reforma da previdência às avessas, quando direitos foram usurpados e a única preocupação foi aumentar a máquina arrecadatória, desprezando o respeito aos aposentados.

Estamos começando um novo ano e precisamos insistir na realização de reformas de verdade, que atendam às expectativas da sociedade brasileira. Também temos que endurecer a legislação no combate à corrupção. A Associação dos Juízes Federais (AJUFE) está encabeçando um manifesto de apoio a uma das minhas propostas: a que altera o Código Penal para reduzir o risco de impunidade com as prescrições penais. O projeto, sugerido pelo ministro do STF Edson Fachin, já tem parecer favorável do relator e está pronto para ser votado.

Boas propostas; reformas; combate à corrupção e menos impostos. É o que estamos devendo aos brasileiros em 2016.

*Alvaro Dias é senador pelo PSDB e líder da Oposição no Senado Federal. Ele escreve nas quartas-feiras para o Blog do Esmael sobre “Ética na Política”.