Temer quer a Presidência pelo golpe, mas pode ficar sem o PMDB

do Brasil 247

Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), articula o apoio de dirigentes regionais do partido, dentre os quais o senador Roberto Requião (PMDB-PR), para tirar o vice-presidente da República, Michel Temer, da presidência nacional da legenda, cargo que ocupa desde 2005; presidente do diretório de Alagoas, Renan acredita que com o apoio do Rio ao governo Dilma, conseguirá derrubar o vice; ele já teria o apoio de Ceará, Paraná, Piauí, Amazonas e Pará, além do Rio; presidente do Congresso tem sido um forte aliado da presidente no Congresso.

Presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), articula o apoio de dirigentes regionais do partido, dentre os quais o senador Roberto Requião (PMDB-PR), para tirar o vice-presidente da República, Michel Temer, da presidência nacional da legenda, cargo que ocupa desde 2005; presidente do diretório de Alagoas, Renan acredita que com o apoio do Rio ao governo Dilma, conseguirá derrubar o vice; ele já teria o apoio de Ceará, Paraná, Piauí, Amazonas e Pará, além do Rio; presidente do Congresso tem sido um forte aliado da presidente no Congresso.

O presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), tem um plano para tirar o vice-presidente da República, Michel Temer, do comando do PMDB, onde está desde 2005.

Renan, que vem sendo um forte aliado da presidente Dilma Rousseff, articula o apoio de dirigentes regionais do partido com esse objetivo. Renan acredita que com o apoio do Rio ao governo Dilma, centro do movimento anti-impeachment, conseguirá derrubar o vice.

Segundo reportagem de Daniela Lima, da Folha, o senador, que preside o diretório de Alagoas do partido, já teria conseguido o apoio de Ceará, Paraná, Piauí, Amazonas e Pará, além do Rio.

O vice já teria iniciado uma operação para revidar e tentar evitar o aprofundamento do racha que pode culminar em sua saída da direção da sigla. Ele se reuniu com alguns nomes importantes da legenda no Rio na noite deste domingo 20.

Participaram do encontro, na casa de Temer, em São Paulo, o ex-governador Sérgio Cabral, o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, e o prefeito da capital Eduardo Paes. O ex-ministro Moreira Franco, presidente da Fundação Ulysses Guimarães, também estava presente.

6 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Então o Temer está se achando o espertão… Ele acha que vai ser presidente com o impeachment da Dilma?!? Que otário! Quem vai apoiá-lo? O Serra? O Cunha? O Alckmin? Os tucanos e apêndices nunca irão tirar a Dilma pra colocar o Temer em seu lugar. Os golpistas querem a vaga para eles a preencherem. Só um otário pra não perceber isso…

  2. Essa luta aí é de lúcifer contra satã!!!!!!!

    Esconjuro, pé de pato, mangalô, três Vezes!!!!!!!

    Cadeia é pouco prá essa quadrilha.

    É preciso um trabalho beeeeeeemmmmm feitinho prá exorcizar essas duas figuras abjetas da política nacional.

    Ahhhh, não se esqueçam do cabrunco – mor, O Gilmar Mendes, o golpista do Supremo…

  3. Temer, Cunha, Calheiros… é um tentando por fogo
    no rabo de palha do outro.
    Enquanto isso, o mundo real escoa pelo ralo.
    Só patifes!

    • Esse recesso (férias) parlamentar de 43 dias que só
      terminará em fevereiro, mais o recesso junino que
      se estende até meados de julho, mais a desfaçatez
      dos parlamentares de entrar em férias com o País
      atolado nas crises econômica e política, e mais
      ainda essa volta em fevereiro, em que eles seguirão
      discutindo os seus umbigos, dando uma banana para o
      povo e para a situação do País, atestam que eles
      são dispensáveis, e quando “trabalham” atrapalham.
      Dilma, fecha essa porra de Congresso Nacional.

      • Necessário se faz educar o povo com o fito de banir da vida pública esses sanguessugas da pátria! Mais que isso, modificar o modelo político causa de todos esses absurdos e infortúnios!Raposas velhas que vivem as expensas do cidadão de forma imoral.

      • Crise política, concordo mas, crise econômica, tá muito fraquinha pra chegarmos a crise. Empresários já estão se descolando de qualquer governança porque sabem que se dependerem deles, vai a bancarrota. 10/15 foi melhor, 11/15 também e 12/15 promete. Verá que eles não fazem falta nos dois próximos meses. Aí Cunha será afastado, preso, e o Brasil volta a funcionar. Feliz Natal pra você também e próspero Ano Novo.