“O povo não quer Ratinho nem Fruet, quer mudança”, diz Requião Filho

De acordo com a Paraná Pesquisas, o deputado Requião Filho (PMDB) tem 10,8% das intenções de voto na disputa pela Prefeitura de Curitiba. Sem Ratinho no páreo, entretanto, ele empata com Fruet dentro da margem de erro. Nesse cenário, ambos embarcariam para o 2º turno. Em entrevista ao Blog do Esmael, nesta terça-feira (29), o peemedebista criticou os dois adversários: “Um, Ratinho, que é ligado ao governador Beto Richa (PSDB), acabou com a integração do transporte na região metropolitana para satisfazer o chefe. Outro, Fruet, nada fez e ainda protege a máfia do transporte coletivo”, analisou Requião Filho.

De acordo com a Paraná Pesquisas, o deputado Requião Filho (PMDB) tem 10,8% das intenções de voto na disputa pela Prefeitura de Curitiba. Sem Ratinho no páreo, entretanto, ele empata com Fruet dentro da margem de erro. Nesse cenário, ambos embarcariam para o 2º turno. Em entrevista ao Blog do Esmael, nesta terça-feira (29), o peemedebista criticou os dois adversários: “Um, Ratinho, que é ligado ao governador Beto Richa (PSDB), acabou com a integração do transporte na região metropolitana para satisfazer o chefe. Outro, Fruet, nada fez e ainda protege a máfia do transporte coletivo”, analisou Requião Filho.

O deputado estadual Requião Filho, pré-candidato do PMDB à Prefeitura de Curitiba, em entrevista ao Blog do Esmael, nesta terça-feira (29), afirmou que o povo não quer nem Ratinho Júnior, do PSC, nem reeleger o prefeito Gustavo Fruet, do PDT, nas eleições de 2016.

“Um, Ratinho, que é ligado ao governador Beto Richa (PSDB), acabou com a integração do transporte na região metropolitana para satisfazer o chefe. Outro, Fruet, nada fez e ainda protege a máfia do transporte coletivo”, analisou Requião Filho.

O comentário do peemedebista tem como base a sondagem da Paraná Pesquisas divulgada ontem (28). Segundo o instituto, Ratinho tinha 38% das intenções de voto em janeiro deste ano, caiu para 20,9%, mas ainda lidera. Ou seja, o pré-candidato do PSC despencou 17% em menos de um ano.

“Ninguém crê que Ratinho Júnior sairá candidato a prefeito, como diz a pesquisa, não tem fôlego para chegar ao segundo turno”, continuou Requião Filho.

Quanto a Fruet, o pré-candidato do PMDB declarou que, ao proteger a máfia do transporte coletivo, ele repete a velha política. O pedetista manteve os 17% de intenções de voto, índice insuficiente para garantir vaga na segunda etapa eleitoral.

“Fruet vai acabar trabalhando no escritório do Garrone e Sacha Reck, de consultor de transporte coletivo para todo o país”, ironizou Requião Filho, ao recordar que o velho José Richa, pai de Beto, ao perder a eleição para governador em 1990 “virou consultou de jogos de azar e de cassinos”.

Requião Filho, por sua vez, também comentou os 11% obtido pelo ex-prefeito Rafael Greca (PMN) na corrida. “É um eleitorado cativo, não passa disso. Se eleito prefeito, eu vou convidá-lo para presidir o IPPUC – o instituto de planejamento de Curitiba”, prometeu o peemedebista.

“Serei candidato contra a velha política, aquela que bate em professor e protege máfia do transporte. Quero ser na eleição do ano que vem a esperança para o povo mudar este estado de coisas”, finalizou Requião Filho.

De acordo com a Paraná Pesquisas, o deputado do PMDB tem 10,8% das intenções de voto na disputa pela Prefeitura de Curitiba. Sem Ratinho no páreo, entretanto, ele empata com Fruet dentro da margem de erro. Nesse cenário, ambos embarcariam para o 2º turno.

Comentários encerrados.