Juiz Sérgio Moro recebe homenagem de “fantasma” em Curitiba

Segundo o jornalista Celso Nascimento, colunista do blog Gazeta do Povo, “após 17 anos sem nunca dar expediente, o servidor Ygor Siqueira acaba de ser demitido dos quadros da Câmara. Ganhava R$ 17 mil por mês”. Ou seja, o presidente da confraria Boca Maldita, que homenageou o juiz Sérgio Moro, era funcionário “fantasma” do poder legislativo municipal desde 1998.

Segundo o jornalista Celso Nascimento, colunista do blog Gazeta do Povo, “após 17 anos sem nunca dar expediente, o servidor Ygor Siqueira acaba de ser demitido dos quadros da Câmara. Ganhava R$ 17 mil por mês”. Ou seja, o presidente da confraria Boca Maldita, que homenageou o juiz Sérgio Moro, era funcionário “fantasma” do poder legislativo municipal desde 1998.

O coordenador da operação Lava Jato, juiz Sérgio Moro, recebeu ontem (13) à noite, em Curitiba, homenagem da confraria “Boca Maldita”, que é presidida por Ygor Siqueira.

Ygor herdou do pai dele, Anfrísio Siqueira, a presidência da entidade, que tradicionalmente realiza jantar para os novos cavalheiros da Boca Maldita no dia 13 de dezembro.

Dito isto, vamos à homenagem ao doutor juiz Sérgio Moro.

Segundo o jornalista Celso Nascimento, colunista do blog Gazeta do Povo, edição online do último dia 9 de dezembro, “após 17 anos sem nunca dar expediente, o servidor Ygor Siqueira acaba de ser demitido dos quadros da Câmara. Ganhava R$ 17 mil por mês”. Ou seja, o presidente da confraria Boca Maldita era funcionário “fantasma” do poder legislativo municipal desde 1998.

Além de Moro, também foi homenageado no jantar de ontem o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin.

O 59º jantar da Boca Maldita foi realizado no chiquérrimo hotel Four Points by Sheraton, no bairro Batel.

Comentários encerrados.