Governador Beto Richa termina 2015 com protestos pelo #ForaBetoRicha

pgbeto

Governador Beto Richa (PSDB), no município de Ponta Grossa, ontem (22), deparou-se com protestos de professores e servidores públicos; faixas traziam dizeres “Docentes na luta contra o confisco da poupança previdenciária” e “#ForaBetoRicha”; movimento, nas vésperas da Natal e no apagar das luzes de 2015, reavivou o massacre de 29 de abril, além de calotes, a maior demissão em massa do mundo (30 mil professores), e outras maldades do tucano que escolheu a educação como ‘inimiga número um’ de seu governo em 2015; resumo da ópera: para o tucano, o ano termina como começou: sob intensos e indignados protestos.

O governador Beto Richa (PSDB) foi alvo de intensos protestos de professores e servidores estaduais, nesta terça-feira (22), no município Ponta Grossa, região dos Campos Gerais, nas vésperas do Natal e no apagar das luzes de 2015.

Richa esteve na cidade para assinar a liberação de verbas para o Lago de Olarias e para participar da entrega de 1.127 casas populares.

Vale lembrar que as residências inauguradas pelo governador são do programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal. Ou seja, além de tudo, Beto Richa ainda faz cortesia com o chapéu de Dilma Rousseff — que ele e seu partido estão tentando derrubar.

Professores rede pública estadual de ensino, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e do Movimento Popular Fora Beto Richa realizaram protestos nas duas solenidades. Ou seja, o governo do PSDB iniciou como terminou este ano: sob intensos protestos.

Aliás, os protestos contra o governador vindos da educação pública estadual, básica e superior, são cada vez mais frequentes. O tucano escolheu os educadores como ‘inimigos número 1’, por isso aplicou contra eles uma série de maldades durante o ano de 2015.

Tivemos o confisco da previdência dos servidores, o massacre de 29 de abril e a sonegação da data-base. Mais recentemente, as universidades estaduais começaram a fechar as portas por falta de recursos, isso sem falar na demissão de cerca de 30 mil professores PSS.

Os professores da UEPG representados pelo Sinduepg levaram faixas com a seguinte frase “Docentes na luta contra o confisco da poupança previdenciária”.

Para a presidente do Núcleo regional da APP-Sindicato, Vera Rosi, os educadores jamais vão esquecer os atos de Richa contra a educação, especialmente o dia 29 de abril, quando professores foram massacrados pela Polícia Militar, no Centro Cívico de Curitiba.

“Richa terá que enfrentar a nossa resistência. O que ele fez foi um desrespeito com os professores e todos os servidores públicos. Jamais vamos esquecer o que ele fez, por isso, as manifestações vão continuar”, disse Vera Rosi.

O presidente do Sinduepg, Marcelo Bronoski, falou sobre os prejuízos que o governo de Richa trouxe aos funcionários públicos. “Ele confiscou a previdência, remanejou a data-base para janeiro. Além disso, o governador não cumpriu promessas, como a elevação do adicional de titulação e também não pagou os bolsistas e estagiários. Beto Richa é uma decepção”, afirmou Bronoski.

Com informações do Blog de Mareli Martins. Fotos de Sérgio Gadini/Sinduepg e Régis Clemente

Comentários encerrados.