Por Esmael Morais

Governador Beto Richa termina 2015 com protestos pelo #ForaBetoRicha

Publicado em 23/12/2015

Aliás, os protestos contra o governador vindos da educação pública estadual, básica e superior, são cada vez mais frequentes. O tucano escolheu os educadores como ‘inimigos número 1’, por isso aplicou contra eles uma série de maldades durante o ano de 2015.

Tivemos o confisco da previdência dos servidores, o massacre de 29 de abril e a sonegação da data-base. Mais recentemente, as universidades estaduais começaram a fechar as portas por falta de recursos, isso sem falar na demissão de cerca de 30 mil professores PSS.

Os professores da UEPG representados pelo Sinduepg levaram faixas com a seguinte frase “Docentes na luta contra o confisco da poupança previdenciária”.

Para a presidente do Núcleo regional da APP-Sindicato, Vera Rosi, os educadores jamais vão esquecer os atos de Richa contra a educação, especialmente o dia 29 de abril, quando professores foram massacrados pela Polícia Militar, no Centro Cívico de Curitiba.

“Richa terá que enfrentar a nossa resistência. O que ele fez foi um desrespeito com os professores e todos os servidores públicos. Jamais vamos esquecer o que ele fez, por isso, as manifestações vão continuar”, disse Vera Rosi.

O presidente do Sinduepg, Marcelo Bronoski, falou sobre os prejuízos que o governo de Richa trouxe aos funcionários públicos. “Ele confiscou a previdência, remanejou a data-base para janeiro. Além disso, o governador não cumpriu promessas, como a elevação do adicional de titulação e também não pagou os bolsistas e estagiários. Beto Richa é uma decepção”, afirmou Bronoski.

Com informações do Blog de Mareli Martins. Fotos de Sérgio Gadini/Sinduepg e Régis Clemente