Fruet atrasa salário de servidores da Urbs, que bloqueiam saída de ônibus para interior e litoral do Paraná

onibus_urbs_fruetCentenas de trabalhadores da Urbs, empresa que gerencia o transporte público de Curitiba, decidiram há pouco, em assembleia na Rodoferroviária, bloquear o tráfego de ônibus que saem para o interior do Paraná. O protesto pode atrapalhar o Natal de milhares de paranaenses.

Os 1,5 mil trabalhadores exigem providências do prefeito Gustavo Fruet (PDT) contra o atraso no salário de dezembro. A Urbs é uma empresa mista controlada pela Prefeitura de Curitiba.

De acordo com o Acordo Coletivo de Trabalho da URBS, os salários de dezembro deveriam ser depositados junto com o pagamento da segunda parcela do décimo terceiro salário, ou seja, até o dia 15. Mas somente o 13° foi pago. Agora a Urbs sinaliza com o pagamento de 25% dos valores e o restante até o 5° dia útil de janeiro, mas essa proposta ainda não foi oficializada.

Segundo o presidente do Sindiurbano, Valdir Mestriner, caso os salários não sejam pagos imediatamente, os trabalhadores manterão parada a Rodoferroviária, bem como o bloqueio na saída dos ônibus previstos para deixar Curitiba rumo ao interior ou litoral. Os trabalhadores devem deliberar assim que a direção da Urbs oficializar uma proposta, o que pode acontecer a qualquer momento. 

O ACT determina, ainda, que o depósito dos salários deve ser feito até o dia 25 de cada mês, porém, desde maio de 2015, os trabalhadores da Urbs convivem, a cada nova data de pagamento salarial, com a incerteza se irão ou não receber seus salários e conseguir cumprir com seus compromissos.

Desta vez não é diferente. Os salários ainda não foram pagos, tampouco há qualquer previsão de pagamento para os próximos sete dias. Em contato com a direção da empresa, o Sindicato ouviu do diretor administrativo e financeiro apenas desculpas, mas nenhum compromisso de pagamento dos salários na data determinada pelo Acordo Coletivo.

Além de todo o histórico de descaso da direção da Urbs em relação aos seus trabalhadores, com constantes atrasos e ameaças de não pagamento dos salários, dessa vez a situação é mais preocupante, já que amanhã, 24, o expediente bancário será reduzido, com atendimento somente até o meio dia.

E, além disso, a Urbs deu recesso a seus trabalhadores a partir de amanhã. Ou seja, apenas os empregados que trabalham em regime de escala estarão em atividade. Os trabalhadores da área administrativa, responsáveis pelo pagamento dos salários, a partir da ordem da direção da Urbs, não estarão em atividade até o dia 4 de janeiro.

Com informações do SindiUrbano

Comentários encerrados.