Calote Richa em salários põe em risco distribuição de merenda das crianças

codaparCom os salários atrasados e sem previsão de recebimento da segunda parcela do 13.º, os funcionários da Companhia de Desenvolvimento Agropecuário do Paraná (Codapar) entram em greve nesta terça-feira (15) por tempo indeterminado. A Codapar é vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab) e possui mais de 350 funcionários.

A decisão da greve foi tomada em assembleia da categoria, promovida pelo Sindicato dos Engenheiros no Estado do Paraná (Senge-PR) e Sindaspp nesta segunda-feira (14) em Curitiba e Paranaguá. Com a paralisação, serviços de distribuição da merenda escolar e da importação e exportação de produtos agrícolas tendem a ficar comprometidos.

Os calotes aplicados pelo governador Beto Richa (PSDB) não são novidade, mas vêm se acentuando nos últimos dias. Ontem o Blog do Esmael noticiou a suspensão das atividades da Faculdade de Artes do Paraná (FAP), que fica em Curitiba e faz parte da Unespar. Em razão da falta de pagamentos, duas empresas terceirizadas suspenderam as atividades dentro da FAP, inviabilizando o seu funcionamento. Mas para a farra publicitária na Revista Veja não faltam recursos.

A greve da Codapar, segundo o presidente do Senge-PR, Carlos Roberto Bittencourt, foi tomada em última instância, após várias tentativas de negociação por parte dos sindicatos.

“O governo não abriu espaço para negociações. Os funcionários estão há sete dias sem receber os salários de novembro, que deveriam ter sido pagos no início deste mês. Além disso, também não há previsão de receberem a segunda parcela do 13.º salário. Buscamos com a greve pressionar para que o governo e a Codapar façam os pagamentos imediatos dos salários e benefícios, além dos depósitos de mais de 10 meses de FGTS não recolhidos pela empresa”.

“A empresa tem recursos a receber por serviços prestados ao governo. E essa verba é suficiente para os pagamentos aos funcionários. O que queremos é que o governo faça esses repasses o mais rápido possível”, defende o coordenador geral do Sindaspp, Ivo Petry.

Com a greve serão interrompidos todos recebimentos e expedições das unidades armazenadoras da empresa, que é responsável pelo recebimento, classificação, fiscalização e escoamento de safras de grãos para o mercado.

A greve também pode afetar o fornecimento da merenda escolar no início de 2016. O último lote da merenda da rede estadual de ensino deveria ser recebida ainda nesta semana. Sem ela, as escolas podem ficar sem alimentos para o início das aulas.

Afora os serviços de armazenamento, os funcionários também realizarão “operação padrão” no controle e fiscalização dos grãos e derivados (soja, milho e farelo de soja) destinados à exportação no Porto de Paranaguá. Com isso, o tempo de fiscalização e liberação de caminhões aumenta, o que pode afetar o escoamento de grãos no Porto e o tráfego na BR 277.

Com informações do Senge-PR

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Este cara de piá é um descarado! Haja pó-de-serra prá este pilantra!

  2. Eu ia “botá” o Donizeti de novo pra “dá” opinião, mas
    ele repetiu a mesma do post anterior, então deixa que
    eu mesmo falo: caloteiiiiiiiiiiiiiiiiirooo!
    Não dá pra “levá” a sério um homem desses.
    Mas, se a gente não consegue encarcerar bandidos
    flagrados, como o CUnha, então +1 -1, xá pra lá!

  3. Este governo é uma vergonha, comprometer serviços no porto, justamente á área que da sustentação ao Estado.Bom para quem deixou crianças á várias meses sem aula, agora ficar sem alimentação é o de menos… è a cara do Governo Beto Richa mesmo….Vindo deste grupo nada mais nos surpreende