André Vargas estuda fazer ‘delação premiada’ para atingir Cunha

cunha_vargasO ex-vice presidente da Câmara, André Vargas (sem partido), preso em abril na 11ª fase da Lava Jato, fez chegar a Brasília a informação de que fará ‘delação premiada’ se continuar abandonado pelos ex-correligionários. “Do Natal não passa”, foi o recado dado.

Segundo a versão que circula nos bastidores da política, o alvo da delação seria o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-R), que teria prometido ajuda a Vargas, e “setores do PT”. Ambos não cumpriram com o combinado.

Cunha também é denunciado na Lava Jato, porém, por possuir imunidade, seu processo corre no Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é acusado de receber propina da Petrobras. No entanto, a corte ainda não o transformou em réu.

O Blog do Esmael entrevistou o advogado João Graça, que representa Vargas. O defensor jurou desconhecer qualquer iniciativa de deleção premiada, mas também disse “não duvidar” que isso passe pela cabeça de seu cliente.

O diabo é que nem Cunha nem PT estão em condições de ajudar alguém, pelo contrário, precisam ser ajudados. O primeiro corre risco de cassação e de prisão; o segundo corre perigo de extinção.

Vargas foi condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a 14 anos e quatro meses de reclusão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, na negociação de contratos de publicidade com o governo.

No mês passado, o Ministério Público Federal (MPF) pediu uma segunda condenação do ex-deputado pelo crime de lavagem de dinheiro na compra de uma residência em Londrina no ano de 2011.

Comentários encerrados.