Coluna do Luiz Cláudio Romanelli: 2015, o ano que ainda não acabou

romaneli

Em sua coluna semanal, o deputado estadual Luiz Cláudio Romanelli (PMDB) fala sobre o ano de 2015, que apesar de ter sido um ano difícil ainda pode conter grandes realizações. Leia, ouça. comente e compartilhe.

Download

“Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo,
qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim.”
Chico Xavier

Convenhamos, 2015 foi um ano difícil. A cada mês, um fato. Eu, otimista convicto que sou, sempre atuei de maneira a extrair o melhor de cada situação, e o que me deixa mais esperançoso é que o ano termina com duas boas notícias.

A primeira, a saída do Joaquim Levy, responsável pela recessão que estamos vivendo no pais. Em substituição a ele, foi nomeado o desenvolvimentista Nelson Barbosa, para comandar a economia. Chega de equívocos e recessão.

A segunda, foi a edição, pela presidenta Dilma, da Medida Provisória que define o rito que viabiliza os acordos de leniência com as empreiteiras envolvidas com a corrupção. Sem esta medida o país não retoma o crescimento.

No mais, o STF, pela decisão dos seus mais antigos ministros colocou nos trilhos o procedimento do pedido de impeachment contra a presidenta.

Tudo isso, temperado por mais escândalos de corrupção, manifestações pelo impeachment da presidenta – e também em sua defesa, crise no Congresso Nacional, deterioração da economia, cortes em direitos trabalhistas e sociais, desemprego crescente.

Os erros na condução da política econômica do governo deixaram todos os Estados brasileiros em maus lençóis. E o Paraná, como já disse aqui, não é uma ilha de prosperidade num continente de dificuldades.  Como todos os outros, o Estado enfrentou uma crise financeira devido à redução da atividade econômica e a consequente queda de arrecadação no ano de 2014 e início de 2015.

Diante deste quadro, o governo teve a coragem e o discernimento para adotar medidas para controlar gastos e fazer os ajustes para o equilíbrio das contas- a um custo político alto para todos nós. A oposição não entendeu (ou não quis entender) que as ações propostas eram absolutamente necessárias para o futuro do Estado e não para o futuro do governo. O tempo provou que o governador Beto Richa estava certo quando tomou atitudes para o incremento de receita, redução de despesas e da inadimplência e o combate à sonegação.

Entendemos que foram cometidos erros em alguns projetos enviados ao Legislativo e, especialmente, nos episódios que culminaram com a invasão da Assembleia, em fevereiro, e com o confronto com manifestantes, em abril.

Mas insisto: o ajuste fiscal era fundamental para que o Paraná não enfrentasse os problemas que outros Estados enfrentam hoje, por não adotarem as medidas necessárias no momento oportuno. Se no final do ano passado o governo teve dificuldades para pagar o 13º salário do funcionalismo e a folha de pagamentos de janeiro, neste final de 2015 o quadro é totalmente outro. O governo pagou em dia os salários, antecipou o décimo terceiro, honrou o compromisso de pagar o reajuste de 3,45%, em outubro. E nos salários de janeiro serão mais 10% de aumento – o valor integral da inflação de 2015. Além do pagamento de progressões, promoções e outros reajustes acordados com categorias diversas do funcionalismo estadual, como a do ensino superior e da saúde e educação.

O ajuste trouxe benefícios também aos municípios. De janeiro a novembro, o Governo do Paraná repassou aos municípios R$ 7,025 bilhões a título de transferências do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores). O valor é 17,6% maior que os repasses de R$ 5,973 bilhões realizados em igual período de 2014, o que significa cerca de R$ 1 bilhão a mais.

O Paraná realizou um ajuste fiscal responsável e coerente, que protegeu o Estado e amenizou os efeitos nocivos da crise financeira nacional. Nossas políticas de atração de investimentos e geração de empregos nos levaram a ser a 4ª maior economia do país e permitirá ampliar os investimentos e retomar obras em todo o estado em 2016.

No próximo ano, teremos R$ 6,8 bilhões disponíveis para investimento, com a retomada de obras de infraestrutura em todo o Estado e recursos para investir no Fundo de Combate à Pobreza – um poderoso instrumento de promoção da cidadania e de combate à desigualdade social.  Serão, no mínimo, R$ 400 milhões anuais para habitação popular e programas como o Família Paranaense, entre outros. O combate à desigualdade e à pobreza passa a ter mais força como uma política estadual definida em lei e com fundo com recursos para cumprir suas intenções.

Aprovamos importantes projetos este ano na Assembleia. Entre eles, destaco o projeto do Pedagiômetro, que apresentei em coautoria com mais de 20 parlamentares, aprovado nessa última semana de trabalhos legislativos. É uma lei que vai fazer história. O sistema permitirá saber qual a tarifa do pedágio para cada veículo que passa, além de saber quanto é a receita aferida em cada praça de pedágio diariamente, entre outras informações.

Os dados obtidos por meio desse sistema servirão para a formação de um banco de dados que irá subsidiar a análise de fluxo de caixa marginal, estudos de ampliação de capacidade de tráfego, avaliações de níveis de serviço, desenvolvimento de projetos de restauração de pavimentos, dentre outros. Tudo com vistas à melhoria da qualidade dos serviços públicos.  Vai trazer transparência ao pedágio do Paraná e servirá de exemplo para todo o Brasil.

Mas não vou fazer aqui uma lista dos projetos de relevância que foram aprovados. Relevante é mostrar que apesar dos problemas e percalços de 2015, o próximo ano chega com as finanças do Estado equilibradas e com a capacidade de investimento retomada.

Tivemos dificuldades esse ano, mas conseguimos avançar muito e eu sou muito grato a todos os deputados e deputadas estaduais que integram a base de apoio ao Governo pela firmeza, coerência, lealdade e companheirismo.  Se a presidente Dilma tivesse no Congresso Nacional uma base de apoio leal e firme como o  governador  Beto Richa tem aqui na Assembleia, certamente o país não estaria vivendo nem a crise política e nem a crise econômica. Quero reiterar também o meu respeito  por todos os parlamentares da oposição e do bloco independente.

Meu compromisso é o de continuar pautando a minha conduta pela defesa do interesse público e pelo diálogo permanente com todos os parlamentares, com os representantes dos sindicatos de servidores e com a sociedade civil organizada.

10 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Cortar despesas com um arrecadação menor é compreensível, porém esses cortes nunca atingem o: Legislativo e muito menos o Judiciário. Será que é para matar a ideia de Montesquieu?

  2. Essa rua lustrosa careca poderia ganha a alcunha de ” terceiro ovo “, Romanelli: É ver um saco, nem o puxa, se enturma com os residentes!

  3. Não cita Chico Xavier deputado, ele não gostava de maldades.

  4. ESTE ROMANELI NÃO SABE NADA DE POLÍTICA:
    EU QUE ACOMPANHO POUCO SEI QUE O TAL LEVY NÃO FOI O CULPADO PELA RECESSÃO E SIM A TAL PEDALADAS FISCAIS, QUE ESTE QUE ASSUME, NO LUGAR QUE LEVY,DEU AUTORIZAÇÃO PARA A MULA APLICAR.

    NO PARANÁ O GOVERNO NÃO FEZ NADA ALÉM DE AUMENTAR IMPSTOS PARA RESOLVER SEUS PROBLEMAS,DE CADA r$19,00; r$1,00 FOI DO GOVERNO O RESTO FOI AUMENTO DE IMPOSTOS.

    OUTRA COISA SE TIVESSE ESSA MARAVILHA FALADA POR ESTE ROMANELI,PORQUE ESTARIAM FECHANDO FACULDADE POR FALTA DE REPASSE?
    ESTÃO PRATICANDO OS EMSMOS ERROS DA MULA DA DILMA,PEDALADAS FISCAIS,QUE FICARÁ PARA OS PRÓXIMOS GOVERNOS E A POPULAÇÃO ARCAR.

    FORA BETO,FORA ROMANELI,FORA PTZADA.

    PMDB PARTIDO QUE SEMPRE MAMA NAS TETAS,INDEPENDENTE DE QUEM ESTÁ NO PODER

  5. O secretário maravilhoso importado não sei de onde pelo desgovernador.

  6. Agora só falta mandar embora o Mauro Ricardo o pior secretário da fazenda da face da terra, que dos paranaenses, tirou o sangue com os tratoraços. É claro que a bancada do camburão votou a favor dessas atrocidades.

  7. Caro Dep.Romanelli, tenho acompanhado seu mandato e vejo que de vez em V.Ex. na maioria das vezes destoado da vontade dos paranaenses. Por exemplo, esse PL que que obrigar os comerciantes a enviar carta para o negativado do SPC; isso já é feito pelo sistema do SPC/SERASA. E outra quem deve, sabe que deve. Isso só vai onerar ainda mais o empreendedor que luta para sobreviver sem apoio e sem espaço junto ao órgãos governamentais. Tenha tenência, e arquive essa proposta, que o senhor estará fazendo um grande favor aos comerciantes e empreendedores do Paraná…

  8. O ano de 2015 foi difícil, mas não para o Deputado Romanelli e sim para o povo do Paraná, em especial para os servidores que foram aviltados e atacados pelo desgoverno Richa nos seus direitos duramente conquistados. O deputado, como ele mesmo diz, só procurou tirar proveito das situações em seu próprio benefício.
    Faça críticas sobre recessão e equívocos ao seu chefe, o carniceiro do centro cívico, que quebrou o Paraná fez verter o sangue dos professores.
    Quero ver o deputado, tão corajoso nas críticas ao governo federal, fazer o mesmo com o governo do playboy das araucárias. Mas não, segue bovinamente defendendo seu desgovenador com unhas e dentes.
    O que o deputado chama de ajuste fiscal é a tungada na previdência dos servidores, imposto nas alturas, aumento de pedágio, energia elétrica e água, para satisfazer os sócios privados dessas empresas.
    O que aconteceu no centro cívico não foi um confronto, deputado. Foi um MASSACRE covarde e pusilânime perpetrado pelo desgoverno do PR, apoiado pela bancada do camburão, na qual o Sr. é o primeiro da fila.
    Há estados do Brasil que estão com as contas em dia e numa situação muito melhor que a do PR. Sua conversa mole de que a crise afetou o PR não convence.
    Para terminar, a presidenta Dilma não quer e nunca quis fidelidade canina e subserviente as suas vontades no parlamento, haja vista a liberdade que dá a todas as instituições, em especial a Polícia Federal e Promotoria.
    Mas aqui, na ditadura do tucanistão do PR as liberdades são cerceadas e os deputados da base do governo tem doutorado em capachosofia, para que o ilustre desgovernador possa limpar o sangue dos servidores e a podridão que ronda seu desgoverno.
    Deputado, você é uma vergonha para o Paraná.

  9. SENHOR DEPUTADO DA BANCADA DO CAMBURÃO, OS ERROS DO GOVERNO FEDERAL NÃO DEIXOU TODOS OS ESTADO EM MAUS LENÇÓIS. DEPENDE DOS GOVERNANTES. NO PARANÁ, ESSE GOVERNADOR INCOMPETENTE JUNTAMENTE COM OS DEPUTADOS DA BANCADA DO CAMBURÃO E A MAIORIA DOS FUNCIONÁRIOS COMISSIONADOS, QUEBRARAM O ESTADO E AGORA ESTÃO COBRANDO A CONTA DO POVO PARANAENSE QUE SÃO TRABALHADORES SOFRIDOS. TODA SEMANA TEM CASO DE POLÍCIA ENVOLVENDO ASSESSORES, CABOS ELEITORAIS E PARENTES MAIS CHEGADOS DO BETO RICHA. O GAECO É QUE SABE BASTANTE O QUE ESTÁ ACONTECENDO.

  10. Gostaria de saber quando começa o “choque de gestão” e quando começamos a perceber que “O melhor está por vir”. Infelizmente tenho que ser realista. Governar aumentando impostos, que já são altíssimos, qualquer um faz. Isto não é choque de gestão. Agora, reduzir custos, principalmente do legislativo e do judiciário, ninguém faz. Só aumentam as mordomias, os benefícios, os cargos comissionados, etc. Só observando, colocar comissionados inutilmente em cargos também é corrupção. E olha, tem gente “mamando” prá todos os lados. O Sr.quer transformar a incompetência em gestão em uma “falsa coragem”. Dizer que foi um ato de heroismo aumentar impostos? Hora senhor, não subestime a inteligência dos paranaenses tanto assim.