12 de dezembro de 2015
por Esmael Morais
19 Comentários

Petraglia vence eleição no Atlético

petragliaO cartola Mario Celso Petraglia venceu neste sábado (12) a eleição no Clube Atlético Paranaense.

A “CapGigante” obteve 2.909 votos (52,53%) ante os 2.600 votos da chapa oposicionista “Atlético de Novo”. A diferença foi de 249 votos.

A votação ocorreu em 20 urnas eletrônicas e a apuração durou pouco mais de uma hora.

O resultado matém o polêmico Mario Celso Petraglia no comando do rubro-negro. Ele está à frene do clube há 20 anos. Leia mais

12 de dezembro de 2015
por admin
9 Comentários

Considerada de “direita”, UGT do Paraná é a única central que aprovou moção pelo “Fica Dilma”

As centrais sindicais, movimento estudantil e movimentos populares estão se organizando para a mobilização nacional em repúdio ao golpe do impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT) no próximo dia 16 de dezembro, quarta-feira.

No Paraná, a CUT, CTB, NCST, Força Sindical e até a UGT já se manifestaram contra o processo de impeachment aberto pelo presidente da Câmara Federal, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Para o secretário geral da CUT Paraná, Marcio Kieller, a decisão do governador Beto Richa de apoiar o  impeachment deve reforçar o movimento contra o golpe no Estado. “Se o Beto Richa está a favor desse absurdo, muitos trabalhadores, especialmente os professores, devem se mobilizar contra o impeachment”, completou Kieller.

A Força Sindical do Paraná publicou uma nota se posicionando contrária ao golpe e também deve se juntar à mobilização do dia 16. Para a Central, o processo só vai atrasar ainda mais a retomada econômica, além de colocar em risco a democracia e os direitos trabalhistas e sociais.

As entidades do movimento estudantil (UPES, UPE, UBES e UNE) também estão mobilizadas e vão jogar peso na mobilização do dia 16. Centenas de estudantes de todo o Brasil estão acampados em Brasília desde quarta-feira (9) em frente ao Congresso Nacional, para pressionar os deputados contra o golpe do impeachment.

O presidente da UPE, Bruno Pacheco, afirmou que os estudantes vão às ruas dia 16 contra o golpe, mas também pressionar por uma nova política econômica, onde os ricos paguem pela crise. “Queremos a taxação das grandes fortunas e a repatriação de recursos enviados para o exterior”, completou Bruno.

Diversas entidades que estão se organizando no Fórum de Lutas 29 de Abril realizarão Leia mais

12 de dezembro de 2015
por Esmael Morais
9 Comentários

Richa enfrenta manifestação de empresários neste domingo 13

O governador Beto Richa (PSDB) será alvo de protesto neste domingo 13, em Curitiba, durante lançamento da campanha  “Não Vou Pagar o Pato” contra aumento de impostos. O evento às 10h30, na Boca Maldita, será coordenado pela Federação das Indústrias do Paraná (Fiep).

“Novamente os governantes recorrem ao aumento de impostos para cobrir rombos nos cofres públicos. Mas não vemos nenhum esforço efetivo da parte deles para cortar gastos desnecessários e aplicar o dinheiro público com mais eficiência e transparência”, disse Edson Campagnolo, presidente da Fiep.

Além do tucano, a presidente Dilma Rousseff (PT) também está no radar das críticas do empresariado paranaense. Eles são contra a criação e aumento de impostos e a volta da CPMF, que tramita no Congresso Nacional.

A Fiep levará um pato inflável de 12 metros de altura à manifestação de amanhã, onde serão distribuídos folhetos, adesivos, “patecos”, e também será feita a coleta de assinaturas.

Leia mais

12 de dezembro de 2015
por Esmael Morais
2 Comentários

Coluna do João Alfredo: “Atlético de novo, na raça. Vote 49”

De repente, você acorda e está em um jogo do Atlético. Sim, o seu time voltou a se chamar Atlético. Mas é um jogo diferente. O estádio está cheio e, veja só, vermelho e preto. A torcida voltou a ter orgulho do Furacão. Em campo, os jogadores vestem com amor a camisa rubro-negra. Os destaques querem continuar jogando aqui, porque o Atlético não é mais um clube de passagem para satisfazer empresários e aventureiros.

A diretoria do Furacão quer satisfazer os clamores da torcida por títulos e trouxe alguns jogadores de nome. Afinal, o Atlético é grande e merece ter grandes atletas. Mesclados aos pratas da casa e com a torcida ao lado, o rubro-negro ganha títulos. De novo. A nova diretoria, com vontade de devolver o Atlético aos atleticanos, abriu o estádio ao seu povo, com preços e planos atrativos. E não foi difícil como os outros esperavam.

O povo atleticano é fanático e queria estar junto com o time. Um não vive sem o outro. O dinheiro foi gasto com planejamento e muito estudo, por profissionais atleticanos que querem o sucesso do Furacão dentro e fora de campo. Os sonhos de glórias e conquistas que movem torcidas de futebol no mundo inteiro chega, finalmente, ao nosso Atlético. As promessas viraram compromissos e foram cumpridas. O sonho virou realidade. O estádio mais moderno da América Latina agora sorri, vermelho e preto. De novo.

Esse é o cenário que me motiva: devolver o Atlético para você, torcedor. Para isso, claro, é muito importante analisar nossos candidatos: todos profissionais de sucesso e reconhecidos em suas áreas de atuação. E o melhor de tudo, atleticanos apaixonados e prontos para receber e retribuir com honestidade, empenho e dedicação o seu voto de confiança. Sim, porque nós sabemos que você quer o melhor para o Atlético. Porém, do outro lado, parece bem nítido que a chapa de situação tem apenas uma intenção: não largar de forma alguma o nosso clube, que eles entendem que é deles. Acham que o nosso Furacão não tem dono. Não percebem q Leia mais

12 de dezembro de 2015
por Esmael Morais
26 Comentários

Fim da linha: até a Globo pede a cabeça de Eduardo Cunha; agora ele cai?

do Brasil 247

O golpe contra a presidente Dilma Rousseff sofre um duro baque neste sábado.

Em editorial, o jornal O Globo, comandado por João Roberto Marinho, pede o afastamento sumário de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara dos Deputados.

De acordo com o texto, “ultrapassou todos os limites a manipulação que o presidente da Câmara faz do regimento, com o uso de seu poder, para atrapalhar a apreciação de processo contra ele”.

Cobrança da Globo, um dos centros de poder no Brasil, pode acelerar decisões da procuradoria-geral da República e do Supremo Tribunal Federal, sobre seu afastamento.

“Seu tempo acabou”, diz o jornal.

Sem Cunha, o golpe estimulado pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG) e pelo PSDB perde força e intensidade.

Leia abaixo:

Venceu o prazo de validade de Eduardo Cunha

Ultrapassou todos os limites a manipulação que o presidente da Câmara faz do regimento, com o uso de seu poder, para atrapalhar a apreciação de processo contra ele12/12/2015

A Câmara dos Deputados, assim como o Senado, é uma instituição secular, fundada no Império, dirigida àquela época por condes e viscondes. Na República, sua Mesa foi frequentada por nomes que se encontram nos compêndios de História do Brasil: Flores da Cunha, Pedro Aleixo, Ulysses e outros.

Em tempos recentes, houve a bizarrice de Severino Cavalcanti, cassado por receber um “mensalinho” de R$ 10 mil de um concessionário de restaurante na Câmara. Ungido pela política fisiológica do PT de literalmente comprar apoio no Congresso, Severino queria controlar a diretoria da Petrobras que “fura poço”. Um parêntese: ele talvez não soubesse, mas o lulopetismo já havia dominado a direção da estatal e passara a saqueá-la.

No campo do exotismo — mas em outro sentido —, o atual presidente, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), escala índices de rejeição na opinião pública, ao manejar com frieza o poder do cargo e o conhecimento que tem das regras da Casa, para sabotar a tramitação no Conselho de Ética de um processo instaurado contra ele por falta de decoro.

Às favas com a objetividade dos fatos. Cunha, citado na Lava-Jato como beneficiário de propinas geradas na Petrobras, compareceu, por vontade própria, à última CPI da Petrobras e garantiu que não tinha contas escondidas em bancos suíços. Leia mais

12 de dezembro de 2015
por admin
9 Comentários

Coluna do Jorge Bernardi: Até quando Cunha violentará impunemente a República?

Download

Jorge Bernardi*

A que ponto chegou a decadência ética e moral das instituições políticas brasileiras! A Câmara dos deputados está sendo presidida por Eduardo Cunha, um político imoral, que tem dinheiro sujo da corrupção, em contas secretas na Suíça, e que ameaça impunemente a República. E o que é pior, os poderes públicos acompanham estarrecidos e inertes as arbitrariedades deste homem, o terceiro na linha da sucessão presidencial.

De onde vem tanto poder de Eduardo Cunha? Certamente de um grupo de deputados de vários partidos, seus aliados, a maioria envolvidos em fraudes e atos de corrupção. Depois de aceitar o impeachment da presidenta Dilma, para tirar o foco dos crimes que responde na Justiça, Cunha deitou e rolou com manobras e medidas arbitrarias atentando contra o as instituições democráticas.

Já ter aceito o pedido de impeachment baseados nas supostas pedaladas fiscais praticadas pelo governo Dilma neste ano, foi um ato de vingança Cunha ao PT retirou o apoio julgamento no Conselho de Ética. Com a nova meta fiscal aprovada no Congresso, desapareceu o argumento das pedaladas fiscais. O impeachment baseado nestes argumentos soa como golpe.

Aliás o pedido de impeachment assinado por Hélio Bicudo, fundador do PT, e Miguel Reale Junior, ex-ministro da Justiça de Fernando Henrique Cardoso, mancharam irremediavelmente os currículos destes juristas. O pedido de impeachment deu a Cunha a arma para que ele precisava para chantagear situação e oposição, que ele usou com maestria como num jogo de baralho, ora trucando de um lado, ora de outro.

E se prosperar o impeachment quem vai governar é o temível Temer. Fala-se que, com ele, haverá um grande acordão, quem foi pego até agora na Lava Jato, vai para a cadeia, os demais estarão salvos. Será o fim deste processo de assepsia da política brasileira, e a profecia do procurador Delton Dallagnol, se concretizará. Tudo não terá passado de um sonho numa noite de verão.

Investigar se o dinheiro da corrupção da Petrobras, Caixa Econômica, usina nuclear, obras públicas e etc, foram usadas na campanha de Dilma e Temer, desequilibrando e fraudando a vontade popular, ali está o verdadeiro caminho. O papel cabe a Justiça Eleitoral apurar os fatos e punir os cu Leia mais