Senadores já discutem pós-Levy

requiao_lindbergh_economia_ttOs senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Roberto Requião (PMDB-PR) discutiram neste sábado (14), no Rio, o cenário político e econômico sem o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, que eles consideram carta fora do baralho.

Além dos parlamentares, economistas da cepa nacionalista também debateram saídas alternativas ao à política de juros elevados em detrimento do emprego e da renda.

Pelo Twitter, Requião deu pistas de como foi a discussão de hoje no Rio:

“Joaquim Levy é um desastre, mas Meirelles é o Jim Jones a servir suco de uva envenenado ao projeto Nacional”.

Resumo da ópera: na semana que vem o grupo de senadores conhecido como “black blocs” vai aprontar alguma; é aguardar e conferir.

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Este sr.levy só tem olhos para grandes volume de dinheiro não importa de onde pode sair,um ego de bamqueiro,não muda. E nos e que temos que pagar as contas,Requião siga e frente.

  2. Blá, blá, blá, blá, blá … mais do mesmo. O Senador Requião, com seus aliados no Senado, já que o PT não se mexe e tem medo até da sombra, poderia encampar uma grande aliança para que as empresas voltassem a funcionar satisfatoriamente. Não pode um Juiz, meia dúzia de procuradores, e alguns grampeadores da PF paralisarem empresas que juntas, mantém quase 1 milhão de empregos e movimentam em torno de 2% a 3% do PIB nacional. Querem prender? Que prendam, que mantenham em cárcere, mesmo sem provas, que entendam o que quiserem, mas que não privem os brasileiros de empregos e renda. É o que está acontecendo por conta do “Durango kid” de Curitiba. É muita imbecilidade junto. E ainda tem a pachorra de aceitarem prêmios de sonegadores e da grande mídia nativa. Alguém tem que fazer alguma coisa contra essa “inércia” administrativa. Meia dúzia de imbecis não podem travar o desenvolvimento de milhões de pessoas. Isso, sem dúvida nenhuma em afirmar, NÃO É E NUNCA FOI JUSTIÇA. Reaja Requião …