Requião lidera dissidência a projeto neoliberal em congresso do PMDB

Deputado federal João Arruda e senador Roberto Requião, secretário-geral e presidente do PMDB do Paraná, respectivamente, vão liderar nesta terça-feira (17), em Brasília, a dissidência ao projeto neoliberal proposto no Congresso da Fundação Ulysses Guimarães (FUG), braço político da legenda nacional; na sede do partido em Curitiba, dirigentes fixaram um standard no prédio com os seguintes dizeres: "Aqui não, biquinho. Aqui é PMDB", referindo-se aos tucanos e suas teses que reduzem o papel do Estado; nesta segunda-feira (16), Requião inaugurou a “escolinha” partidária com transmissão ao vivo pela internet (assista vídeo abaixo).

Deputado federal João Arruda e senador Roberto Requião, secretário-geral e presidente do PMDB do Paraná, respectivamente, vão liderar nesta terça-feira (17), em Brasília, a dissidência ao projeto neoliberal proposto no Congresso da Fundação Ulysses Guimarães (FUG), braço político da legenda nacional; na sede do partido em Curitiba, dirigentes fixaram um standard no prédio com os seguintes dizeres: “Aqui não, biquinho. Aqui é PMDB”, referindo-se aos tucanos e suas teses que reduzem o papel do Estado; nesta segunda-feira (16), Requião inaugurou a “escolinha” partidária com transmissão ao vivo pela internet (assista vídeo abaixo).

O senador Roberto Requião vai comandar nesta terça-feira (17), em Brasília, uma dissidência nacional no congresso da Fundação Ulysses Guimarães (FUG), que é um braço político do PMDB.

Provocado pelo secretário-geral do partido no Paraná, deputado federal João Arruda, o senador aprovou as linhas da atuação da bancada estadual no congresso de amanhã.

“A minha proposta é que a gente fecha questão contrário a isso de forma absoluta, porque é o fim do PMDB. Nós estaremos muito a direita do PSDB”, disparou Requião, durante a “escolinha” partidária transmitida ao vivo pela internet (clique aqui para assistir ao vídeo).

“A antiga Arena não chega aos pés da barbaridade proposta”, atacou.

O deputado estadual Requião Filho chamou a pré-tese denominada “Salto para o Futuro” de documento “apócrifo”. Ele também ressaltou que o congresso da FUG não ter poder de decisão, ou seja, não delibera nada.

Mas o senador Requião vê importância político no evento porque, segundo ele, “eles propõem revogar todo o capítulo social da Constituição, desvinculação do salário mínimo, a possibilidade de redução no salário mínimo, corte nas verbas da saúde, da educação, fim das alianças do Brasil com os países latino-americanos, fim da aliança com os BRICS e enquadramento na velha ALCA que já foi rejeitada pelo mundo”.

Para Requião, o líder da dissidência, esse projeto que será apresentado na convenção amanhã significa a revogação do antigo PMDB. “Nem o PSDB teve coragem de propor barbaridades iguais as propostas pelo comando da Fundação Ulisses Guimarães”, repetiu.

Assista ao vídeo:

Comentários encerrados.