Professores e estudantes rejeitam golpes de Richa contra a educação

audienciaA Audiência Pública realizada na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) na manhã de hoje (9) refutou uma série de ataques do governador Beto Richa (PSDB) contra a educação estadual.

Foram discutidos o fechamento de escolas e de turmas, o projeto “Escola sem Partido” e o projeto de terceirização da educação chamado “Adote uma Escola”. Durante a reunião, houve protesto de estudantes (abaixo, assista ao vídeo).

O projeto de lei nº 748/2015, chamado “Programa Escola Sem Partido”, foi o tema mais debatido na audiência convocada pelos deputados Professor Lemos e Tadeu Veneri — ambos do PT.

Representantes do Ministério Público do Paraná, do Conselho Estadual de Educação e da APP-Sindicato se colocaram integralmente contra a proposta em tramitação no legislativo.

“Nós não podemos ter um projeto aprovado aqui na Casa que prevê a intervenção direta em todo o sistema estadual de ensino, inclusive nos cursos de mestrado e doutorado oferecidos pelas universidades estaduais. A rede privada de educação de ensino fundamental e médio também será atingida pelo projeto”, ressaltou Veneri.

“Este não é apenas um projeto. É uma modalidade de transformar a escola num aparelho do estado”, completou.

A iniciativa do governo de fechar escolas ou turmas escolares também foi repudiada pelos presentes. Para o deputado Professor Lemos, apesar de ter recuado em relação ao fechamento de escolas urbanas, o Poder Executivo não se posicionou sobre o futuro das escolas rurais.

“Ainda há escolas com risco de fechamento, especialmente as Casas Familiares Rurais, que são escolas específicas para filhos de agricultores. Temos notícias também de matrículas que foram impedidas de ser feitas, principalmente para as séries iniciais”, acrescentou o parlamentar.

Por fim foi discutido o projeto chamado “Adote uma Escola”, de autoria do deputado Márcio Nunes (PSC), que autoriza o poder executivo a firmar convênios com a iniciativa privada e repassar a administração escolar para empresas.

O deputado Tadeu Veneri afirmou que leis semelhantes já foram propostas antes no legislativo, rejeitadas por vício de inconstitucionalidade. “Esse projeto já esteve muitas vezes na Casa e já foi até rejeitado, uma vez que é inconstitucional usar a escola pública para fazer política de vendas ou de propaganda”, afirmou.

Além de professores, muitos estudantes participaram da audiência e deixaram bem claro o repúdio às propostas do governo para o desmonte da educação estadual.

Confira no vídeo a seguir:

Com informações da Alep

8 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Pior ano como professor para mim foi esse. Como salário não representa nada, com o melhor salário já alcançado na minha carreira, estou simplesmente,CANSADO para não dizer ARREBENTADO, GARGANTA SEM CONDIÇÕES, DESMOTIVADO, ESTRESSADO, DECEPCIONADO, ESGUALEPADO … AHHHHHHH!

  2. As pessoas pensam sim, mas não tem conhecimento de tudo que acontece na política do país,
    até agora era as informações se limitavam aos que manipulavam o dinheiro.

    Mas agora diante de tantos escandalosos de corrupção, o povo está consciente de quem é quem nesse Estado e nesse país.

    Estamos cansados é de impostos abusivos, num estado que tem CCS para todo lado. Mordomias e gastos desnecessários, com diárias, viagens em todos os órgãos,

    O Requião havia cortado muitas viagens desnecessárias a congressos, pagas pelo estado, que se traga um professor de fora para ensinar os daqui, o custo é muito menor!

    Façam um reestruturação séria, com dados, analises e levantamentos da população e quantidade de alunos.

    Cortem tudo que é excesso que não é salário de toda das folhas do servidores do Estado, como os CCs e beneficio não regulamentados,

    Aí sobrará muito Dinheiro para o ensino, pagar os reajustes dos servidores, dar vale transporte.

    Um bom governo tem grande soluções, ideias, muito trabalho e competência, e não dissemina o ódio interno. É para isso que existe a religião, para transformações do indivíduo em ser sociável.

  3. ensino é prioridade!
    escolas são prioridade!
    educação fundamental é prioridade!

    se a população cresce a cada ano, o correto é aumentar o numero de escolas, e não diminuir.

    ensino é direito da população, e não podemos fechar escolas.

  4. “Penso, logo existo.”

    René Descartes, considerado o fundador da filosofia moderna, chegou a conclusão desta célebre frase, pilar do Iluminismo, enquanto buscava traçar uma metodologia para definir o que seria o “verdadeiro conhecimento”.

    Descartes encontrou algo que não poderia duvidar: da dúvida. De acordo com o pensamento do filósofo, ao duvidar de algo já estaria pensando e, por estar duvidando, logo pensando, estaria existindo.

    O Iluminismo foi um movimento intelectual que ocorreu na Europa do século XVIII, e teve sua maior expressão na França, palco de grande desenvolvimento da Ciência e da Filosofia. Teve grande influência a nível cultural, social, político e espiritual.

    O Iluminismo originou-se com o intuito de corrigir as desigualdades da sociedade e garantir os direitos naturais do indivíduo, como a liberdade e a livre posse de bens. Os iluministas acreditavam que Deus estava presente na natureza e também no próprio indivíduo, sendo possível descobri-lo por meio da razão.

    Foi o movimento gerador da Revolução Francesa…

    Ou seja: é muito perigoso desenvolver o poder de pensamento, de dedução, de discernimento e consequentemente da busca incessante pela Razão no povo!

    Que será dos facínoras, dos canalhas, dos desonestos e déspotas que hora infestam a A.L., o Congresso Nacional, câmaras baixas de todo o país, secretarias, diretorias e demais cargos de chefia públicos, caso os professores ensinem o povo à pensar????

    O que será das grandes corporações de bancos e de mídia, se todos compreenderem o grande plano espúrio que têm traçado para o Brasil, nos anos vindouros?

    O que será das grandes empreiteiras que extinguem as matas, poluem os rios e mares, exploram nossas riquezas minerais (mesmo que saibam o risco de morte que impõem às populações vizinhas aos locais onde cometem seus crimes ambientais) e pagam propina à corruptos para que facilitem seu ganho e a prevalência de sua extrema ganância acima de tudo, especialmente da lei????

    simplesmente seriam expurgados desta terra de Vera Cruz, o Brasil. Nasceria e república que todos queremos.

    Na França de Descartes, a revolução acabou, com o uso da guilhotina, vários canalhas, reis perdulários, comerciantes desonestos, banqueiros gananciosos, etc, etc…

    Óbvio que em alguma medida, excessos foram cometidos neste episódio histórico. Muitos morreram sem necessidade, crimes foram cometidos em nome da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade. No entanto, os ideais da Revolução Francesa que em dez anos (de 1789 à 1799) mudou a cara da França, reverberaram em várias nações, inclusive no Brasil imperial, que teve seu fim em 15 de novembro de 1889, quando um levante político e militar instaurou a forma republicana federativa de governo, apenas seis dias após o último e suntuoso baile da monarquia, o da Ilha Fiscal, onde, como se adivinhasse o fim de seu reinado, Dom Pedro II torrou uma fortuna (dizem 250 Contos de Réis – que seriam utilizados para combater a seca no Ceará). Foi defenestrado ele e toda a sua parentela destas terras para sempre.

    Não temos guilhotinas no Paraná.

    Não temos Robespierre.

    Não temos um Danton.

    Não temos um Lafayette.

    Infelizmente temos Richa, Romanelli e Traiano…

    Bem, defenestrado esta escumalha (infelizmente não contamos com a ira do povo e a guilhotina, tão pouco a Bastilha), através das vias legais disponíveis, poderemos voltar a pensar em escola, em saúde e Democracia.

    No entanto, é a França de hoje um dos países mais ricos do mundo, mesmo tendo sido arrasado na Segunda Grande Guerra. O seu povo aprendeu, com a ajuda das escolas, dos grandes mestres, a construir a verdadeira democracia, base preciosa para o progresso de qualquer nação.

    Se leis como esta prosperarem e forem aprovadas, deveremos instituir a Sharia – a lei islâmica – e demais mecanismos medievais de coerção do povo, que aprenderá então À NÃO PENSAR.

    Tal como o país fictício de 1984 de George Orwel, ou a república desmantelada por V de Vingança, construiríamos a partir do Paraná de Richa, uma nova nação feudal, como as de onde vieram seus ancestrais, retrógrada, reacionária, castradora, ditatorial, enfim…

    Às ruas, meu povo!!!! Não façamos igual ao presidente da APP Hermes, o Frajola deitado no colinho de bermuda de ciclista de Richa, que manda moções de repúdio ao protesto da sindicância do processo, e não faz absolutamente nada!!!!!!!!!!

    • Muito pertinente sua reflexão… É isso mesmo.

      • DEFENDER O GOLPE MILITAR DE 1889,E FALAR QUE DOM PEDRO II FINANCIOU O BAILE??,REPUBLICA DE BANANAS E PROFESSORES BANANAS…,A MAIORIA QUE CRITIVA RICHA SÃO OS MESMOS QUE VOTARAM NELE O ANO PASSADO,ENTÃO VIVA O NEOLIBERALISMO E O CAPITALIMO,PRIVATIZAÇÃO JÁ DA EDUCAÇÃO PUBLICA,COMO ESTÁ COMEÇANDO EM GOIÁS…PS- A FRANÇA É UM LIXO….

        • Economicamente não, caro Tom… É um dos países mais ricos do mundo…
          E sim, D. Pedro precisava de um pé na bunda, especialmente depois de inventar a dívida externa brasileira, após a Guerra do Paraguai. O país ficou à mercê da Inglaterra de vez, você sabe disso.
          Quanto ao resto, concordo com você.
          Os coleguinhas que defendiam Richa com unhas e dentes na sala dos professores no ano passado, hoje andam mudos, cabisbaixos, depressivos até.
          Temos que nos unir, para evitar essa tragédia que é o fim do ensino público e gratuito, com sua privatização.
          E logo em seguida, cuidar urgentemente da QUALIDADE deste mesmo ensino…

  5. Sorte dos professores que podem contar com o Romanelli na ALEP!!!! kkkkkkkkkkkkk!!!