Greca pode ganhar aliado de peso na disputa de Curitiba: Professor Picler

Picler_GrecaO ex-prefeito Rafael Greca (PMN) pode ganhar um aliado de peso para voltar ao Palácio 29 de Março, sede do executivo municipal de Curitiba, nas eleições do ano que vem. Trata-se do megaempresário da área educacional Professor Wilson Picler, que sonha com a vice.

Picler teria manifestado esse desejo a correligionários do PEN.

A chapa dos “pesos pesados” uniria força política e poder econômico, ou seja, segundo analistas, “teria viabilidade para disputar e ganhar a Prefeitura de Curitiba em 2016”.

Do outro lado do ringue, o prefeito Gustavo Fruet (PDT), que buscará a reeleição, foi às “compras” este mês de novembro. Os adversários do pedetista somam mais de 70% das intenções de votos, de acordo com todos os institutos de pesquisas.

Abaixo, confira os números da IRG Consultoria na estimulada:

Ratinho Junior (PSC) ——————–> 21,3%
Gustavo Fruet (PDT) ——————–> 17,4%
Rafael Greca (PMN) ———————> 11,5%
Luciano Ducci (PSB) ——————–>  9,4%
Maurício Requião Filho (PMDB) > 9,1%
Ney Leprevost (PSD) ——————-> 6,4%
Fernando Francischini (SD) ——> 6,0%
Mauro Moraes (PSDB) —————–> 3,6%
Tadeu Veneri (PT) ——————-—-> 3,4%

Segundo a IRG Consultoria, a margem de erro é de 2,6 pontos porcentuais para mais ou para menos. Dos entrevistados, 9,6% disseram que não votariam em nenhum dos nomes relacionados nessa pesquisa, e 2,1% não souberam responder. O instituto ouviu 1.200 eleitores entre os dias 12 e 16 de novembro.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. kkkk
    que piada. esse Picler é um zero a esquerda.

  2. Greca, esse cara não elege nem Sindico. Sua candidatura vai para o brejo.

  3. Temos que tomar cuidado quando se fala em “poder econômico” em política, atualmente. No caso em comento, peso pode até ser mas, poder econômico, somente se for via caixa dois. Pela lei, é proibido empresas doarem a partidos e/ou candidatos. Dobradinhas, por exemplo, entre senadores como o Alvaro Dias com Joel Malucelli, estão com os “dias” contados (sem trocadilho, por favor).