Faciap também diz não ao ‘pedágio mais caro do mundo’ de Beto Richa

Governador Beto Richa (PSDB) se isolou completamente na luta pela prorrogação do pedágio mais caro do mundo; Federação das Associações Comerciais do Paraná (Faciap), presidida pelo empresário Guido Bresolin Júnior, se posiciona oficialmente contra a medida que atrapalha competitividade de produtos do estado; liderados pela Federação das Indústrias do Paraná, a Fiep, cinco entidades do G7 são contrárias a perpetuação do modelo de pedágio nas rodovias do estado; enfim, o “Rei do Pedágio” está nu.

Governador Beto Richa (PSDB) se isolou completamente na luta pela prorrogação do pedágio mais caro do mundo; Federação das Associações Comerciais do Paraná (Faciap), presidida pelo empresário Guido Bresolin Júnior, se posiciona oficialmente contra a medida que atrapalha competitividade de produtos do estado; liderados pela Federação das Indústrias do Paraná, a Fiep, cinco entidades do G7 são contrárias a perpetuação do modelo de pedágio nas rodovias do estado; enfim, o “Rei do Pedágio” está nu.

A Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap), por meio de seu conselho administrativo, há pouco mais de uma semana, posicionou-se contra a prorrogação dos contratos do ‘pedágio mais caro do mundo’ como pretende o governador Beto Richa (PSDB).

O posicionamento da entidade é importante porque ela é uma das integrantes do G7 — o grupo das sete maiores do setor produtivo paranaense. A informação da manifestação contra a prorrogação dos contratos do pedágio é do site da Faciap.

Para os empresários do sistema Faciap, “o problema não está no pedágio em si, mas nos altos valores cobrados nas praças do Paraná, além das diversas e importantes obras ainda não realizadas nas estradas, e sem previsão de concretização”.

Além da Faciap, já se posicionaram contra a prorrogação do pedágio mais caro do mundo a Fiep (Federação das Indústrias do Paraná), Fecomercio (Federação do Comércio do Paraná), Fecoopar (Federação e Organização das Cooperativas do Paraná) e ACP (Associação Comercial do Paraná).

Só querem a perpetuação das pedageiras nas rodovias do estado, até o ano de 2.050, as próprias concessionárias, o governador Beto Richa, conhecido como o “Rei do Pedágio”, e estranhamente a Faep (Federação da Agricultura do Paraná) e a Fetranspar (Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná).

Ou seja, no mundo produtivo ligado ao G7, o placar é de 5 contra dois. Portanto, o lobby do pedágio perde esse debate de goleada para a sociedade e para daqueles que geram riqueza e trabalho.

A recente decisão da Faciap, que reforça a posição de vanguarda da Fiep, ocorre num momento em que a política de ampliação das praças de pedágio despertam interesse das editorias policiais, pois, na semana passada, o empresário Tony Garcia, amigo de infância do governador tucano, denunciou que há mutreta na Parcerias Público-Privada (PPP) para duplicar a PR-323.

De acordo com o amigo de infância de Beto Richa, a obra da PR-323, orçada em R$ 8 bilhões, prevê o depósito anual de R$ 95,7 milhões pelo governo do estado para ajudar a custear as despesas com a duplicação de 220 quilômetros da rodovia entre Paiçandu e Francisco Alves.

Segundo Tony, a forma de escolhida da Odebrecht — “única” interessada na obra — foi “criminosa”. E é sobre isso que o amigo de infância do governador se dispõe a falar aos deputados, se convocado pela Assembleia Legislativa.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Que conversa de “loco” é essa de a favor ou contra o
    pedágio, de debate, de placar?
    O poder concedente maior é a União.
    Há leis, regras, e regulamentação técnica e jurídica
    sobre esse tema.
    É só seguir os trâmites jurídicos.
    Se essa antecipação de renovação de contratos vingar,
    saberemos que é obra de beto rixa, sancionada e
    chancelada por Dilma Rousseff.
    Como no estadual está tudo dominado, a nossa real
    chance é barrar no Federal, o mais é blablablá que
    pouco resolve.
    Álvaro, Gleisi, Requião, e deputados federais
    opositores a beto rixa, vão ficar aí, só assistindo?

  2. Mas quem tem um amigo como este CARUDO da FAEP que se posiciona em favor do pedágio, jamais precisará de um INIMIGO FIGADAL ! Deviam exigir sua demissão, pois não passa de outro traidor!

  3. Esmael,
    Tenho comentado isto no seu blog. A CCRoubonorte vem publicando placas nos trechos seus pedagiados com os dizere: roupa de lona,estamos duplicando para melhorar o tréfego, etc.Só falta escrever: precisamos renovar para o caixa 2 da eleição do Salsicha para senador.
    KKK..
    Nei Cebola

  4. BETO lixo,simplesmente lixo as pedageiras antro de ladro~es Trotegido pelos contratos imundos isso dentro das leis,leis JUSTIÇA,vergonha.

  5. A Faep não ouve o setor produtivo. Estão mais preocupados em fazer festinhas para promover o alto escalão de venda de insumos, venenos, etc. Quem paga a conta é o produtor. Tá na hora deles se voltarem para o agricultor (pequeno e grande), para o avicultor, suinocultor…