Por Esmael Morais

Corrupção na Receita teria abastecido campanha da reeleição de Beto Richa com R$ 4,3 milhões, diz delator

Publicado em 30/11/2015

O dinheiro teria a mesma origem dos valores já apurados nas denúncias anteriores. Seriam fruto de propinas pagas por empresas para que fossem diminuídas multas por sonegação, ou concedidos descontos sobre dívidas fiscais.

Acontece que, em função do foro privilegiado do governador Beto Richa, o Ministério Público e o Gaeco não podem avançar mais nas investigações.

Mas já há indícios mais que convincentes de que Richa sabia e se beneficiou diretamente do esquema de corrupção instalado na Receita Estadual. O que é preciso então para furar a blindagem ao governador? Já existe um inquérito na Procuradoria Geral da República exatamente sobre esse assunto. Será que vai?

Com informações da Gazeta do Povo.