Coluna do João Arruda: Quem tem medo de James Alberti?

João Arruda, em sua primeira coluna no Blog do Esmael, nesta terça-feira (24), após sete meses de silêncio, põe o dedo na ferida logo no início do texto perguntando: "Quem tem medo de James Alberti?"; premiado jornalista da RPC/Globo está exilado para não ser morto, pois ele apurava rede de corrupção e pedofilia no governo do Paraná quando fora jurado; por causa da investigação de James, cerca de 20 pessoas foram parar atrás das grades, dentre os quais, um primo do governador Beto Richa (PSDB), um fotógrafo do tucano e seu amigo e copiloto nas corridas de 500 Milhas; colunista pede respostas às seguintes questões: “Quem tramou para silenciar James Alberti? Quem está investigando a ameaça? Por que não se fala mais no assunto?”; leia, ouça, opine e compartilhe.

João Arruda, em sua primeira coluna no Blog do Esmael, nesta terça-feira (24), após sete meses de silêncio, põe o dedo na ferida logo no início do texto perguntando: “Quem tem medo de James Alberti?”; premiado jornalista da RPC/Globo está exilado para não ser morto, pois ele apurava rede de corrupção e pedofilia no governo do Paraná quando fora jurado; por causa da investigação de James, cerca de 20 pessoas foram parar atrás das grades, dentre os quais, um primo do governador Beto Richa (PSDB), um fotógrafo do tucano e seu amigo e copiloto nas corridas de 500 Milhas; colunista pede respostas às seguintes questões: “Quem tramou para silenciar James Alberti? Quem está investigando a ameaça? Por que não se fala mais no assunto?”; leia, ouça, opine e compartilhe.

João Arruda*

Download

O exílio é o regime semiaberto do preso de consciência. Você pode até sair por aí durante o dia, mas sabe que não vai dormir em casa. O jornalista James Alberti sabe muito bem disso. Faz sete meses que ele foi obrigado a fugir do Paraná para não ser morto. Desde então, vive como refém sem pedido de resgate, longe de quem ama e de quem o ama. Seu drama é pessoal, mas de grande alcance porque faz do jornalismo sério profissão de risco. É fato: quando se pesca peixe grande, a isca pode ser o próprio repórter.

James estava em Londrina, Norte do Paraná, no dia 9 de abril. Foi quando um funcionário do governo do estado avisou a chefia de redação da RPC TV que o jornalista era vigiado e que já tinham tentado executá-lo, forjando um assalto ou acidente, e que tentariam de novo. James precisou fugir. O motivo é sabido: o produtor da emissora afiliada da Rede Globo foi investigar uma rede de corrupção e pedofilia na Receita Estadual.

O esquema que James apurava já tinha levado à prisão cerca de 20 suspeitos. Entre eles, um primo do governador Beto Richa (PSDB), Luiz Abi Antoun, e um assessor do governador, Marcelo Caramori, que tem o nome de Beto Richa tatuado no braço direito. Também havia sido denunciado um parceiro do governador em corridas automobilísticas, o inspetor geral de fiscalização da Receita do Estado, Márcio de Albuquerque Lima.

Agora, a ironia: tanto o primo do governador, que exercia muita influência na administração até o escândalo vir a público, quanto o assessor que carrega a tatuagem “100% Beto Richa” respondem a inquérito em liberdade. Em contrapartida, ao revelar o esquema de pedofilia e corrupção, o jornalista perdeu o direito de ir e vir em seu próprio País.

É um ataque à sociedade e à imprensa do Paraná e do Brasil em favor de quadrilheiros que desviaram dinheiro dos impostos e que, com esse dinheiro público, organizavam orgias e compravam a virgindade de meninas pobres da região de Londrina. Há, inclusive, uma investigação para apurar se parte desse dinheiro desviado teria ido parar na campanha de reeleição do governador.

James Alberti é um jornalista distinto. Todos os grandes escândalos de corrupção da história recente do Paraná viraram notícia graças a seu trabalho. Foi dele a concepção e a direção da série “Diários Secretos”, sobre o esquema de desvio de dinheiro público na Assembleia Legislativa do Paraná por meio de funcionários fantasmas.

A série foi escolhida como um das dez mais impactantes da história do jornalismo investigativo pela associação internacional Global Investigative Journalism Network. Para a associação, a série “Diários Secretos” se compara à cobertura do caso “Watergate”, do jornal Washington Post, que resultou na queda do presidente americano Richard Nixon.

Quem tramou para silenciar James Alberti? Quem está investigando a ameaça? Por que não se fala mais no assunto? O governador Beto Richa bem que poderia colocar a polícia para dar respostas. No mínimo, para demonstrar isenção e respeito à liberdade de imprensa.

*João Arruda é deputado federal pelo PMDB, coordenador da bancada do Paraná no Congresso Nacional, escreve nas terças-feiras sobre “Os bastidores do poder em Brasília”.

Comentários encerrados.