Coluna da Gleisi Hoffmann: A solidariedade é laranja; 16 dias pelo fim da violência contra as mulheres

laranja

Em sua coluna desta segunda-feira (30), a senadora Gleisi Hoffmann (PT) fala da campanha mundial de combate à violência contra mulheres e meninas iniciada no último dia 25 de novembro em mais de 70 países. Baseada na cor laranja, a campanha propõe dezesseis dias de ativismo contra a violência de gênero. Leia, ouça, comente e compartilhe.

Download

Gleisi Hoffmann*

No dia 25 deste mês começamos a campanha que conta com apoio de outros 70 países, com centenas de ações de mobilização em todo mundo. Pintar o mundo de cor laranja pelo fim da violência contra as mulheres foi iniciativa da ONU para os 16 dias de ativismo.

A cor laranja evoca a solidariedade às mulheres e meninas vítimas de violência e a energia necessária para que superem as situações violentas e recebam o apoio necessário em sua trajetória libertadora.

O assunto entrou nas redes sociais e já começaram as críticas: “Vocês não se cansam de falar besteira hein? Isso é uma generalização maldosa”, dizem sobre violência doméstica. “A violência atinge a todos” falam outros sobre o foco da campanha.

O fato é que a violência contra a mulher é o gene da violência na sociedade. A hierarquia das relações homem/mulher, que persistiu por tanto tempo em nossa sociedade, e ainda persiste sob o manto de cultura, de religiosidade, construiu o “modus operandi” das relações humanas. Onde prevalece a ideia que um ser pertence ao outro, deve-lhe obediência, a violência é instrumento para fazer valer vontades.

Não canso de ouvir histórias de mulheres que ao irem a uma delegacia registrar a violência que sofreram por parte de um homem são questionadas: “o que você fez para apanhar?”

Assim também como não cabe a justificativa da violência sexual pelo “tesão”, pelo “oferecimento” da mulher. Em um artigo muito bom da socióloga, e também cineasta, Tetê Vasconcelos, publicado na Folha de São Paulo do dia 27, ela diz: “homem algum estupra uma mulher por tesão. Estupra, bate e assedia para provar e comprovar seu poder sobre essa metade da humanidade”.

Milhares de mães, avós, meninas, jovens são mortas todos os anos em nosso país. Os números da violência contra a mulher ainda são assustadores no Brasil e em todo o mundo. Precisamos fortalecer a luta contra esse grave problema que abusa, tira direitos, dignidade, amedronta e cala mulheres todos os dias.

Publicado recentemente, o Mapa da Violência 2015 focou na dinâmica dos homicídios femininos nos últimos anos. Entre 1980 e 2013, num ritmo crescente ao longo do tempo, tanto em número quanto em taxas, morreram 106.093 mulheres, vítimas de homicídio. Efetivamente, o número de vítimas passou de 1.353 mulheres em 1980, para 4.762 em 2013, um aumento de 252%.

Muito desse aumento se deu por termos superado a subnotificação dos crimes, mas o fato é que ainda se matam e violam muitas mulheres pela razão de serem mulheres. Por isso a Lei Maria da Penha foi e é importante. Por isso a tipificação do feminicídio no Código Penal tem grande relevância. É isso que justifica os 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres!

Assim como na trilogia de filmes do cineasta polonês Kieslowski as cores da bandeira francesa são simbolizadas – a liberdade é azul, a igualdade é branca, a fraternidade é vermelha, possamos simbolizar a solidariedade pela cor laranja.

A campanha dos 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra as mulheres termina dia 10 de dezembro, definido pela ONU como Dia Internacional dos Direitos Humanos.

*Gleisi Hoffmann é senadora da República pelo Paraná. Foi ministra-chefe da Casa Civil e diretora financeira da Itaipu Binacional. Escreve no Blog do Esmael às segundas-feiras.

Comentários encerrados.