Coluna da Gleisi Hoffmann: As tragédias de cada dia, as dores de todos nós

Em sua coluna desta segunda-feira, a senadora Gleisi Hoffmann (PT) fala das recentes tragédias da lama em Mariana (MG) e dos atentados terroristas em Paris, França. Lembra também das diversas tragédias humanitárias em curso como resultados de guerras na África e Oriente Médio. Gleisi afirma que tantas mortes e sofrimento ocorrem pela ganância, intolerância religiosa e disputa de território. Afirma também que no caso de Paris, a reação dos governos ocidentais tende a piorar a situação, causando mais sofrimento e mortes de inocentes. Leia, comente e compartilhe.

Em sua coluna desta segunda-feira, a senadora Gleisi Hoffmann (PT) fala das recentes tragédias da lama em Mariana (MG) e dos atentados terroristas em Paris, França. Lembra também das diversas tragédias humanitárias em curso como resultados de guerras na África e Oriente Médio. Gleisi afirma que tantas mortes e sofrimento ocorrem pela ganância, intolerância religiosa e disputa de território. Afirma também que no caso de Paris, a reação dos governos ocidentais tende a piorar a situação, causando mais sofrimento e mortes de inocentes. Leia, comente e compartilhe.

Gleisi Hoffmann*

Momentos difíceis mostram o nível de evolução da humanidade. A empatia, possibilidade de nos colocarmos no lugar do outro, é o que nos faz sentir dor, repulsa, indignação pelas injustiças, covardias e tragédias. Recentemente nos afetaram o acidente irresponsável de Mariana, Minas Gerais, e os atentados em Paris.

Mariana chocou o Brasil. Como pode uma empresa nacional que aufere lucros tão altos pela exploração de minérios, tratar com tanto desdém a vida da população e a segurança do Meio Ambiente?! Ter um mar de lama varrendo vidas e comprometendo o futuro?!

O terrorismo em Paris chocou o mundo. Por que pessoas inocentes têm de morrer pela luta insana de ideias, crenças e territórios?!

Também foi impactante a foto do garoto sírio morto numa praia da Europa, e a migração de refugiados da guerra na Síria que tentam salvar suas vidas, arriscando tudo para chegar a um lugar de paz. Também causa repulsa a falta de solidariedade de países, que por medo, limitações ou xenofobia, repelem a entrada de seres humanos em seu território.

A guerra na Ucrânia, no Líbano, os conflitos na África, igualmente nos atingem. Assim como as chacinas e violência em nosso país. Toda empatia tem seu grau regulado pela proximidade do acontecimento, do grupo ou população envolvida, pelas responsabilidades elencadas e intensidade de divulgação nas mídias. De qualquer forma todas, em maior ou menor grau, causam-nos dor.

Não tenho dúvidas de que os momentos de tragédias que vivemos também são consequências da passividade que temos com o preconceito, indiferença, intolerância, vontade de vingança. Se somos condescendentes com as pequenas injustiças e transgressões, estamos contribuindo para que as grandes aconteçam. Nenhuma violência se justifica. Ela é, e sempre será, uma demonstração de fracasso.

O que mais me amedronta é que ações pós-tragédias, principalmente as terroristas  como a de Paris, costumam recair sobre o lado mais fraco de partes envolvidas.

Os noticiários já dão conta da maior ênfase dos dirigentes europeus em propostas radicais para combater o terrorismo, o que certamente aumentará a xenofobia, e vai agravar a situação da população que procura abrigo em território europeu.

Que tudo isso, além de nos indignar e causar dor à maioria das pessoas, faça com que vivamos em nosso cotidiano o ensinamento de Gandhi – devemos ser a mudança que queremos ver no mundo!

*Gleisi Hoffmann é senadora da República pelo Paraná. Foi ministra-chefe da Casa Civil e diretora financeira da Itaipu Binacional. Escreve no Blog do Esmael às segundas-feiras.

8 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Ô meno, menos…menos…

  2. coxinhas malucos…

    Incrivel que pessoas que saibam escrever nao saibam ler.
    Fazem deste espaço mais um dentre centenas, apenas oportunidade de criticar os governos do PT.
    Oras, a Senadora opinou e convidou à reflexões sobre destinos de inocentes por este mundo afora.
    O governo faz o que é possivel de acordo com o momento.

    Será que os ferozes críticos fizeram pelo menos uma oração em prol dos que sofrem ??
    Ajudar mesmo, de verdade mesmo, poucos tentarão.

    É mais facil criticar do que ajudar.

  3. “Mariana chocou o Brasil. Como pode uma empresa nacional que aufere lucros tão altos pela exploração de minérios, tratar com tanto desdém a vida da população e a segurança do Meio Ambiente?! Ter um mar de lama varrendo vidas e comprometendo o futuro?!”

    Se uma Senadora da nossa República, faz estas perguntas e indica não saber as respostas, é no mínimo muito preocupante e de se estranhar. Ao que nós do povo sabemos, são os políticos os principais responsáveis pelo apoio que dão a estas Grandes Empresas Multinacionais, que financiam suas campanhas milionárias, comprando assim as almas e as consciências destes políticos, que se comprometem em proteger e acobertar tudo de mal feito, que estas famigeradas Empresas, exploradoras e ladras dos bens públicos, fizerem. Ora estas multinacionais, só tem um objetivo, obter lucros astronômicos e exorbitantes à qualquer custo. Jamais serão sequer contestadas ou fiscalizadas seriamente, são livres para agir ao bel prazer até cometer atrocidades iguais a estas, que ora, estarrecidos, estamos assistindo, em que vidas pobres foram brutalmente ceifadas e com um cataclismo ambiental sem precedentes, em que todo um ecossistema foi completamente destruído, com a morte irreversível de um dos mais importantes rios do País. Sim, os políticos são os grandes e maiores responsáveis por esta catastrófica tragédia, pois ao invés de trabalharem para o bem do País e da sua população, só estão totalmente à disposição destes poderosos assassinos exploradores dos bens públicos. A resposta que este cidadão tem. É essa. Lamentável e infelizmente.

  4. A passividade frente a este tipo de tragédia é marca registrada da maioria, senão da totalidade dos governos neste país. Fingem que dãonimportância, fazem um discurso e pronto, partem para cozinhar em banho-maria. País complicado o nosso, que não estende a mão para seus cidadãos.

  5. Boa parte da Vale pertence ao governo federal através da Previ e BNDES. Ambos dirigidos por petistas.

  6. Gleisi, me mostre alguma coisa que esteja funcionado
    a contento, neste governo do PT?
    Qualquer atividade com grau de risco e/ou potencial
    de dano, tem que ser fiscalizada , principalmente
    pelo poder maior e/ou concedente.
    O fato da Vale ser privatizada, não desobriga as
    esferas de governo, da sua responsabilidade e poder
    fiscalizatório e/ou de polícia, para fazer cumprir
    as leis e regulamentações de cada atividade.
    Falta estrutura?
    Mas até poucos meses, tínhamos 39 ministérios!
    Será que estavam todos tão assoberbados, que não
    sobrou tempo para fiscalizar essa atividade tão
    “desimportante e inofensiva” de mineração”?
    Só cabide de emprego!
    E as “nabas” das agências reguladoras?
    Mais cabide!!!
    Ficamos com inveja dos japoneses, e fizemos o nosso
    próprio tsunami, de marcha à ré, do continente para
    o mar, “uma beleza”.
    Agora são os nipônicos devem ter ficado “roxos” de inveja!
    Eles devem ter sentido a nossa “competência”.
    Mas esse relaxo, essa displicência, esse “mole”
    dados às mineradoras pelos setores públicos,
    federal, estaduais, e até municipais, tem um motivo
    bem espúrio, e se chama doações de campanha.
    Essas malditas doações de campanha, que foram
    aprovadas pelo congresso em sua fajuta “reforma
    político-eleitoral”, e que graças ao bom senso,
    foram arrancadas a fórceps do cenário eleitoral
    brasileiro, pelo STF.
    Sei que haverão doações clandestinas, mas elas
    diminuirão drasticamente, pela consciência de crime,
    que tanto doador como “receptador” terão.
    Vejam os deputados, governadores, e presidente, que
    receberam doações da Vale, BMP, Samarco, e entenda
    o motivo desse mar de lama, e da nossa desgraça.
    Cliquem no vínculo abaixo:
    http://www.cartacapital.com.br/sociedade/quanto-candidatos-e-partidos-recebem-da-vale-6889.html

  7. Primeiramente, o que ocorreu em Mariana NÃO FOI ACIDENTE. Segundo, não apenas a Vale tem sido omissa, mas principalmente o Governo Estadual e Federal, ambos do PT. Esse tom de comoção não condiz com as práticas tomadas pelo ESTADO depois da tragédia. Em qualquer país sério e com um governo atuante, pró ativo, uma força tarefa teria sido criada frente esta catástrofe. Se tomadas, algumas providências poderiam minimizar os danos causados ao Rio Doce e até evitar que a enxurrada de lama chegasse ao Espírito Santo e desembocasse no Atlântico. Cada vez mais a Dilma Roussef (nem a tratarei como PRESIDENTA, pois essa pessoa não tem presidido nada mesmo) tem mostrado que o melhor para o Brasil é a sua saida do governo. Estamos sem um Chefe de Estado há muito, muito tempo. É vergonhosa a situação brasileira.