29 de novembro de 2015
por Esmael Morais
16 Comentários

STF decide manter preso “banqueiro bonzinho” que é amigo de tucanos

teori_japa_estevesO banqueiro André Esteves, dono do banco BTG Pactual, vai continuar preso no complexo penal Bangu 8, no Rio, por tempo indeterminado. A decisão é do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), que converteu a prisão temporária do banqueiro em preventiva.

O banqueiro é amigo de longa data de políticos do PSDB. Ele, por exemplo, pagou a lua de mel do senador mineiro Aécio Neves e emprestava o helicóptero para o governador do Paraná, Beto Richa, durante estadas em São Paulo. Em tempos de “japonês bonzinho”, Esteves, pode-se dizer, encarna o papel de um “banqueiro bonzinho” com os tucanos.

A prisão preventiva do “banqueiro bonzinho” com os tucanos foi extensiva a Diogo Ferreira, chefe de gabinete do senador Delcídio Amaral (PT-MS), que também continua fechado em Brasília. Leia mais

29 de novembro de 2015
por Esmael Morais
22 Comentários

Beto Richa utiliza ‘estrutura pública’ para corrida de 500 Milhas

O governador Beto Richa (PSDB), mais uma vez, usou estrutura pública para participar da 24ª prova das 500 Milhas de Londrina. A informação é de Garganta Profunda de Londrina, principal X-9 do Blog do Esmael no Palácio Iguaçu.

Entre quinta-feira (26) e ontem (28), entre o período de treinos e a corrida, propriamente ditos, centenas de policiais pagos pelo contribuinte estadual participaram de uma verdadeira “operação de guerra” visando garantir a segurança do tucano.

Garganta Profunda de Londrina foi ai fundo do baú e localizou uma foto, onde aparece PMs da Casa Militar carregando os “apetrechos” de corrida de Beto Richa — na edição passada das 500 Milhas.

“Naquela época”, diz o nosso Julian Assange das Araucárias, “o copiloto do governador Beto Richa era o então inspetor da Receita Estadual, Marcio Albuquerque Lima; o fotógrafo Marcelo ‘Tchelo’ Caramori ainda lhe prestava assessoria em Londrina; e Luiz Abi Antoun, seu primo, era mais influente no governo que o próprio governador”, anota o informante com acesso privilegiado à antessala do tucano.

Voltemos à questão do uso da ‘estrutura pública’ para fins particulares. O governador Beto Richa viajou à região Norte pelas asas da Helisul, empresa que atende o estado.

Com a reprovação de seu governo batendo a casa dos 90%, Richa não tem coragem de enfrentar aeroportos em voos comerciais como fazem os mortais comuns. O tucano é o pior avaliado do país, segundo a Paraná Pesquisas.

Leia mais

29 de novembro de 2015
por Esmael Morais
12 Comentários

Não esqueça de pedir NF do pedágio mais caro do mundo; veja como

pedagio_richaNesta terça-feira (1) o ‘pedágio mais caro do mundo’ será reajustado com autorização do governador Beto Richa (PSDB), como já foi registrado aqui no Blog do Esmael.

O importante nisso tudo é o usuário das rodovias paranaenses não se esquecer de exigir a nota fiscal nas praças de pedágio.

De acordo com a Receita Federal, o pedágio é obrigado fornecer o cupom fiscal (não recibo).

A polêmica da obrigatoriedade ou não da nota fiscal foi levantada no começo de setembro, também aqui no Blog do Esmael, depois da publicação de um vídeo em que o motorista exige sem sucesso o cupom fiscal, mas consegue passar pela cancela sem pagar o pedágio.

Assista ao vídeo:

Leia mais

29 de novembro de 2015
por Esmael Morais
27 Comentários

Morre Osni Pacheco, dono da Cotrans

cotrans-540x349O empresário Osni Pacheco, dono da Cotrans, faleceu neste domingo (29) vitimado por um câncer.

A família ainda não informou local do velório e do enterro. Leia mais

29 de novembro de 2015
por Esmael Morais
14 Comentários

Após 7 meses do massacre de professores, Richa ainda não foi punido

richa_massacreO governador Beto Richa (PSDB) segue impune sete meses após autorizar o massacre de professores, no dia 29 de abril, que resultou em 213 pessoas feridas devido à violência da polícia.

Para lembrar da covardia do “Carniceiro do Centro Cívico”, das bombas e dos tiros, os educadores estão se manifestando neste domingo (29) nas redes sociais. Eles utilizam hashtag #29deabrilnãoesqueceremos.

O tucano virou réu de uma ação de improbidade administrativa proposta pelo Ministério Público do Paraná (MP), que pede o ressarcimento de R$ 5,9 milhões gastos na operação militar. Leia mais

29 de novembro de 2015
por Esmael Morais
6 Comentários

Desgastado com fechamento de escolas e crise hídrica, Alckmin perde terreno para Aécio no PSDB

do Brasil 247

Pesquisa Datafolha sobre a popularidade dos principais presidenciáveis para 2018 mostra que o governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB) vai ter dificuldade para se impor sobre o correligionário mineiro Aécio Neves, senador e presidente nacional da legenda. Nas simulações onde os dois tucanos são considerados, ao lado do ex-presidente Lula e da ex-ministra Marina Silva, Alckmin sequer iria ao segundo turno. Diferentemente de Aécio, o favorito, segundo a pesquisa, realizada nos dias 25 e 26 de novembro.

O Datafolha aponta o seguinte. Se as eleições fossem hoje, Aécio teria 31% contra 22% de Lula e 21% de Marina Silva. Aécio, no entanto, tinha 35% na pesquisa anterior e também vem tendo aumentos em sua taxa de rejeição. Num segundo cenário, com Geraldo Alckmin no lugar de Aécio Neves, Marina Silva apareceria em primeiro, com 28%, seguida por Lula com 22% e Geraldo Alckmin com 18%. Nas simulações de segundo turno, Aécio venceria Lula e Marina. Ela, por sua vez, derrotaria tanto Alckmin como Lula.

A popularidade de Alckmin vem derretendo devido a problemas locais que ganharam proporções nacionais. É o caso da grave crise hídrica, que deixa os paulistanos sem água nos meses de estiagem. O governo tentou atribuir o problema às questões climáticas, mas foi desmentido por ele mesmo. Relatórios da Sabesp já apontavam, em 2001, a para o colapso no Sistema Cantareira. O próprio Alckmin, governador em 2003, anunciava que “por limites naturais e falta de políticas eficientes, São Paulo só atende demanda por água até 2010”.

Mais recentemente, a crise do anunciado fechamento de 94 escolas causou e vem causando um abalo sísmico na imagem do governador paulista. Revoltados, alunos ocuparam diversas unidades, ganhando apoio de professores, pais, população e até da mídia. Numa encruzilhada, Alckmin tenta reverter a ocupação com diálogo, mas não descarta usar força policial para executar as desocupações, o que seria um atestado de brutal insensibilidade humana e política. A intervenção das forças policiais não é recomendada sequer pelo comandante da PM paulista.

Leia mais