Indiciamento de Beto Richa por corrupção e viagem do tucano para Rússia geram bate-boca na Assembleia

requiao_richa_bakri

O indiciamento do governador Beto Richa (PSDB) à Procuradoria Geral da República (PGR), em Brasília, que é investigado por corrupção, gerou bate-boca nesta quarta-feira (7) na Assembleia Legislativa do Paraná.

A denúncia consiste na investigação pela Operação Publicano, que aponta o envolvimento do tucano no recebimento de propina na Receita Estadual. Para o Ministério Público, o chefe da quadrilha seria Luiz Abi Antoun — primo do governador.

O deputado estadual Requião Filho (PMDB) e o deputado Hussein Bakri (PSC) quase saíram no tapa. “Ninguém é culpado até transitado julgado. O seu pai [Roberto Requião] também é investigado”.

“O meu pai foi processado porque denunciou corruptos, que fizeram trambiques”, retrucou o peemedebista, que ainda insinuou que a viagem do governador do PSDB seria para verificar contas secretas na Suíça.

O clima começou a esquentar depois que o deputado Tadeu Veneri (PT), líder da oposição, exigiu que Beto Richa apresente na volta relatório do tour que fará pela França, Rússia e China.

O Blog do Esmael informou ontem (7) em primeira mão da viagem do tucano, que coincide com etapa da F-1 na Rússia. Também informou que o presidente da Assembleia, Ademar Traiano (PSDB), assumirá o governo a partir desta sexta-feira (9).

Comentários encerrados.