Gleisi se solidariza com jovens que levaram “geral” na chegada à Conferência da Juventude do Paraná

geral

O Conselho Municipal de Juventude de Curitiba distribuiu nesta terça-feira (20) Nota de Repúdio ao Governo do Estado (leia abaixo) contra a ação policial que recepcionou a delegação de Curitiba na 3ª Conferência Estadual de Juventude do Paraná.

A conferência ocorreu no fim de semana em Faxinal do Céu, município de Pinhão, e a referida ação da polícia ocorreu na madrugada do dia 17 (sábado). Segundo os participantes, os policiais fortemente armados e com cães obrigaram toda a delegação de Curitiba a desembarcar do ônibus para ser revistada.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT) manifestou solidariedade aos jovens reprimidos pela polícia. Ela criticou o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), por promover uma repressão à juventude que não se verificava desde o regime militar.

“Deixo aqui meu protesto ao governo do estado do Paraná, porque, infelizmente, está levando a imagem do nosso estado para o Brasil e para o mundo como um estado arrogante e antidemocrático” completou a senadora.

Os representantes do governo alegam que se tratava de uma “operação padrão”, mas somente a delegação de Curitiba sofreu esse constrangimento.

Leia a seguir a Nota do Conselho Municipal de Juventude de Curitiba:

repudio

Nota de repúdio à ação policial que recepcionou a delegação de Curitiba na 3ª Conferência Estadual de Juventude do Paraná

Nós, representantes do Conselho Municipal de Juventude de Curitiba presentes na 3ª Conferência Estadual de Juventude, realizada entre os dias 17 e 18 de outubro de 2015 em Faxinal do Céu-PR, repudiamos a ação policial que recepcionou EXCLUSIVAMENTE a delegação de Curitiba em sua chegada à referida Conferência.

Na madrugada do dia 17 de outubro de 2015, na entrada do local onde seria realizada a 3ª Conferência Estadual de Juventude, policiais fortemente armados e se utilizando de cães obrigaram os gestores públicos, representantes da sociedade civil e jovens que compunham a delegação de Curitiba a desembarcarem do ônibus onde estavam e se submeterem a revista policial. Somente a representação curitibana foi submetida a esta situação, o que põe em descrédito a alegação dos representantes do governo do estado de que aquela seria uma ‘operação padrão’ para a própria segurança dos participantes.

Repudiamos esta ação por entender que ela criminaliza a juventude e se mostra incoerente com o caráter do evento. É inadmissível que um espaço de construção de políticas públicas de juventude adote ações que perpetuam o paradigma da “juventude-problema”.

Acreditamos que as ações de segurança em eventos como este devem ser previamente planejadas com a participação dos/das jovens e da sociedade civil, pautadas pela boa relação entre policiais e cidadãos/ãs e pelo respeito.

‪#‎SerJovemNãoéCrime‬

Conselho Municipal de Juventude de Curitiba

Com informações da Agência Senado.

Comentários encerrados.