Farra publicitária não resolve impopularidade de Fruet e Richa

Na opinião de Bernardi, o governador Richa e o prefeito Fruet, em termos de popularidade, são eleitoralmente como se fossem uma Dilma. Mas há uma diferença: a presidenta não será candidata a nada; o pedetista tentará a reeleição e o tucano buscará o Senado. Para ambos os mancebos, a água já bateu no nariz.

Na opinião de Bernardi, o governador Richa e o prefeito Fruet, em termos de popularidade, são eleitoralmente como se fossem uma Dilma. Mas há uma diferença: a presidenta não será candidata a nada; o pedetista tentará a reeleição e o tucano buscará o Senado. Para ambos os mancebos, a água já bateu no nariz.

O vereador curitibano Jorge Bernardi (Rede), colunista do Blog do Esmael, destacou neste sábado (10) que o prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), e o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), não conseguem levantar a “pipa” da popularidade mesmo com a farra publicitária que promovem na velha mídia.

Bernardi centra sua avaliação na esbórnia que a dupla Fruet/Richa fazem com os comissionados e destaca como bom exemplo a recente reforma administrativa da presidenta Dilma Rousseff (PT).

Fruet está prestes a torrar R$ 20 milhões de propaganda este ano, mas, segundo Bernardi, o prefeito tem taxas de reprovação superiores a 60% entre o eleitorado da capital paranaense.

O governador tucano igualmente sofre de baixa aprovação em virtude de roubalheiras e pacotes de maldades. A rejeição a Richa, que torra R$ 700 milhões em propaganda, é de 76%, de acordo com a Paraná Pesquisas.

Tanto Richa quanto Fruet oscilaram dentro da margem de erro mesmo com a maior farra publicitária que se tem notícia no país.

A presidenta Dilma Rousseff (PT) também patina na opinião pública, coisa de 80% reprovação — mesmo número que tinha o rejeitado tucano Fernando Henrique Cardoso (FHC), que, em 1998, segundo Vox Populi, tinha exatos 8% de aprovação da petista.

O que chama a atenção é que as pipas de Fruet e Richa não sobem mesmo com a injeção de viagra — leia-se farta propaganda — e pancadaria incessante contra Dilma.

A velha mídia não dá refresco para a presidenta desde que assumiu o cargo no primeiro governo, combinando machismo e fascismo em suas críticas.

Na opinião de Bernardi, o governador Richa e o prefeito Fruet, em termos de popularidade, são eleitoralmente como se fossem uma Dilma. Mas há uma diferença: a presidenta não será candidata a nada; o pedetista tentará a reeleição e o tucano buscará o Senado. Para ambos os mancebos, a água já bateu no nariz.

Comentários encerrados.