Deputado quer tirar do Bolsa Família para engordar o Fundo Partidário

Deputado Ricardo Barros (PP-PR), conhecido como Leitão Vesgo, por mamar numa teta de olho noutra, age como se fosse um Robin Hood invertido; parlamentar paranaense quer tirar dos pobres, isto é, do Bolsa Família, para engordar a burocracia dos partidos políticos; pode isso?

Deputado Ricardo Barros (PP-PR), conhecido como Leitão Vesgo, por mamar numa teta de olho noutra, age como se fosse um Robin Hood invertido; parlamentar paranaense quer tirar dos pobres, isto é, do Bolsa Família, para engordar a burocracia dos partidos políticos; por que Barros não mexe nos fabulosos lucros dos banqueiros ao invés de querer acabar com o benefícios dos mais vulneráveis? Falta-lhe coragem para brigar com os grandes?

O deputado federal Ricardo Barros (PP) apresentou emenda ao orçamento da União para que seja triplicado o fundo partidário, que é a verba para sustentação dos partidos políticos. Caso aprovada, a verba destinada às legendas teria um acréscimo de R$ 600 milhões.

Seria uma forma de compensar em parte a dificuldade de financiamento da atividade política com as “perdas” ocasionadas pelo fim do financiamento privado das campanhas.

Acontece que o mesmo Ricardo Barros (PP) propôs um corte de cerca de R$ 10 bi no programa Bolsa Família, principal programa social do País desde os governos do ex-presidente Lula.

Novamente o “Leitão Vesgo”, que é como Barros como ficou conhecido por “mamar em uma teta de olho na outra”, deixa claro que para ele e boa parte dos políticos tradicionais, é preferível sempre cortar dos mais pobres do que reduzir os próprios benefícios.

Essa também é a lógica do governo de Beto Richa, que por sinal tem a esposa de Barros, Cida Borguetti (PROS), como vice; e o apoio da filha, Maria Victoria (PP), na “Bancada do Camburão”.

Com informações da Coluna Poder da Folha de São Paulo.

Comentários encerrados.