14 de outubro de 2015
por Esmael Morais
12 Comentários

Em meio à denúncia de ‘orgia sexual’, ônibus pode subir a R$ 4 em Curitiba

assedio_urbs_fruetO k-suco está fervendo na Prefeitura de Curitiba e na Urbs (Urbanização de Curitiba S/A), empresa que deveria gerenciar o transporte coletivo na capital de todos os paranaenses.

Para entender esse quiproquó danado, o Blog do Esmael entrevistou o presidente do Sindiurbano (Sindicato dos Trabalhadores em Urbanização do Paraná), Valdir Mestrini, que prevê tarifa do ônibus a R$ 4 até fevereiro de 2016.

Os trabalhadores na Urbs denunciam orgia, assédio sexual e tarifa alta nos ônibus. “Tudo com vistas grossas do prefeito Gustavo Fruet (PDT)”, denunciam os sindicalistas.

O Sindiurbano realiza daqui a pouco, às 18h30, no Senge (Sindicato dos Engenheiros), uma plenária para debater essa crise no transporte coletivo. Na reunião, eles pedirão a cabeça do presidente da Urbs, Roberto Gregório, que, segundo os sindicalistas, estaria mancomunado com a máfia das empresas em desfavor dos usuários dos ônibus.

A seguir, leia a íntegra da entrevista: Leia mais

14 de outubro de 2015
por Esmael Morais
19 Comentários

Requião Filho apresenta projeto para garantir ‘livre manifestação’ no Paraná

O deputado Requião Filho (PMDB) apresentou um inusitado projeto de lei, na Assembleia Legislativa, que visa regulamentar a livre manifestação no Paraná.

A motivação veio após o massacre de 29 de abril, no Centro Cívico, quando 213 educadores ficaram feridos devido à ação da polícia autorizada pelo governador Beto Richa (PSDB).

A ideia do projeto surgiu de um grupo de professores do curso de Direito e tem como objetivo coibir a prática de abusos contra a liberdade de expressão.

Concretamente, Requião Filho tenta “promulgar” a Constituição Federal de 1988 que ainda não começou a valer nestas plagas.

Em vigor há 27 anos, a Magna Carta garante o direito à manifestação e à livre organização. Portanto, o projeto de lei do deputado peemedebista vai reafirmar que o governo do Paraná comete sucessivos crimes relacionados aos direitos fundamentais.

Leia mais

14 de outubro de 2015
por Esmael Morais
5 Comentários

No Dia do Professor, sem esquecer o massacre, APP faz campanha pelo resgate autoestima da categoria

O ano de 2015 dificilmente será esquecido pelos educadores da rede pública estado do Paraná, pois tem sido um período de intensos ataques por parte do governador Beto Richa (PSDB) e de parte da Assembleia Legislativa.

Os profissionais do magistério já sofreram calotes, confisco da previdência, fizeram duas greves e tomaram bombas e tiros da polícia no massacre de 29 de abril. Isso sem falar na sonegação do direito à data-base e no fim da democracia nas escolas com a nova lei de eleição de diretores.

Por isso, para marcar a passagem do Dia do Professor, neste 15 de outubro, a APP-Sindicato está apostando na valorização do ofício do magistério. Com o mote “Amo ser professor”, a APP está publicando uma série de matérias com histórias de profissionais que se realizam no trabalho, e são valorizados, apesar de todas as dificuldades.

Segundo o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Leão, esta semana é dedicada aos professores é mais um momento de luta e de resistência. “Nossa categoria é guerreira e não foge à luta nunca”.

“Apesar de todas as dificuldades como falta de reconhecimento pelo governo do estado, falta de condições dignas de trabalho e de atendimento à saúde, por exemplo, nós amamos o que fazemos. Temos um respeito imenso pelos nossos estudantes e pela sociedade paranaense. Essa é nossa luta diária. Com amor, dedicação e resistência vamos fazendo da educação pública uma ferramenta de transformação da nossa sociedade”, afirmou o professor Hermes.

A campanha da APP-Sindicato em homenagem aos professores também pede que sejam publicados vídeos de até um minuto com as hashtags #amoserprofessor ou #amoserprofessora para que os educadores possam expressar sua ligação com a profissão.

Vídeos de estudantes com homenagens aos seus mestres devem ser publicados com a hashtag #aomestrecomcarinho.

Apesar do governador tucano, os professores amam sua profissão e têm o reconhecimento dos alunos e das comunidades escolares pelo seu trabalho.

Leia mais

14 de outubro de 2015
por Esmael Morais
18 Comentários

Tucanos a Cunha: ‘não se preocupe, você é nosso e nós somos teu’

Definitivamente, a máscara caiu para alguns parlamentares do PSDB e do PPS. Até o limpinho paranaense Rubens Bueno, líder do PPS na Câmara, defende a permanência do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acusado de cobrar propina e de manter contas secretas na Suíça.

Tanto o nosso limpinho quanto o dos mineiros, isto é, o senador tucano Aécio Neves não enxergam motivos para que a Conselho de Ética da Câmara casse o mandato de Cunha.

Bueno jura que não há provas de corrupção contra Cunha. Já Aécio afirma que “as oposições já se manifestaram, inclusive pelo seu afastamento”.

Aécio e Bueno se recusam a engrossar o pedido de cassação no Conselho de Ética da Câmara, cuja inciativa partiu do novíssimo Rede e do PSol. Metade do PT também assinou pela abertura do processo contra o presidente da Casa.

Os líderes do PPS e do PSDB bem que poderiam emprestar do Vaccarezza aquela célebre frase “não se preocupe, você é nosso e nós somos teu” para se dirigem a Cunha.

Leia mais

14 de outubro de 2015
por Esmael Morais
1 Comentário

Greve dos bancários cresce mas persiste o silêncio dos banqueiros

bancos

A greve dos trabalhadoros bancários iniciada no último dia 6 de outubro entrou com força na segunda semana nos 26 estados e no Distrito Federal. Quase 12 mil do total de 18 mil agências bancárias do país estão paralisadas.

Em Curitiba e Região Metropolitana estão paradas 255 agências bancárias e 11 centros administrativos. A estimativa de adesão é de quase 13 mil bancários, chegando a 70% da categoria em greve.

Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e Região, Elias Jordão, apesar da força do movimento, a Febrabam ainda não sinalizou com nenhuma possibilidade de negociação, o que demonstra o descaso com os trabalhadores e com a população, apesar dos lucros absurdos dos bancos. Leia mais

14 de outubro de 2015
por Esmael Morais
34 Comentários

Governo do Paraná utiliza estrutura oficial para perseguir Blog do Esmael

Para “homenagear” os professores paranaenses, Palácio Iguaçu pediu para que o titular do Blog do Esmael preste “esclarecimentos” à Cibercrimes nesta quinta-feira, dia 15, Dia do Professor, às 14 horas; governo ostentação e interino de Ademar Traiano, do PSDB, pretende interditar o dissenso à ditadura da opinião única no estado e censurar esta página dedicada ao contraditório e à liberdade de expressão.

Para “homenagear” os professores paranaenses, Palácio Iguaçu pediu para que o titular do Blog do Esmael preste “esclarecimentos” à Cibercrimes nesta quinta-feira, dia 15, Dia do Professor, às 14 horas; governo ostentação e interino de Ademar Traiano, do PSDB, pretende interditar o dissenso à ditadura da opinião única no estado e censurar esta página dedicada ao contraditório e à liberdade de expressão.

O governo ostentação e interino de Ademar Traiano, presidente da Assembleia e do PSDB do Paraná, está utilizando a estrutura da polícia técnica do NUCIBER (Núcleo de Combate aos Cibercrimes) para perseguir e tentar constranger o Blog do Esmael... 

Leia mais

14 de outubro de 2015
por Esmael Morais
17 Comentários

Na CUT, Dilma denuncia golpismo e critica ‘moralistas sem moral’

da Agência Brasil, via Brasil 247

Ao discursar na abertura do 12º Congresso da CUT na noite dessa terça-feira (13), no Palácio das Convenções do Anhembi, zona Norte de São Paulo, a presidenta Dilma Rousseff criticou os que querem o seu impeachment. Numa plateia em que estavam presentes, o ex-presidente Lula, o ex-presidente do Uruguai José Mujica e o presidente do PT, Rui Falcão, Dilma defendeu o seu mandato.

“Quem tem força moral, reputação ilibada e biografia limpa suficientes para atacar a minha honra?”, indagou. “Lutarei para defender o mandato que me foi concedido pelo voto popular, pela democracia e por nosso projeto de desenvolvimento”, disse. “O golpe, que todos os inconformados querem cometer, é, mais uma vez também, como sempre foi neste país, um golpe contra o povo. Mas podem ter certeza: não vão conseguir. Não irão conseguir”, acrescentou.

Para a presidenta, os pedidos de impeachment não têm qualquer materialidade. “Querem criar uma onda que leve, de qualquer jeito, ao encurtamento do meu mandato sem fato jurídico, sem qualquer materialidade”, afirmou. De acordo com ela, “o que antes era inconformismo, agora transformou se no claro desejo de retrocesso político”.

A presidenta disse ainda que o discurso golpista não é apenas contra ela, mas contra o que representa. “Eu tenho consciência de que esse processo não é só contra mim, é contra um projeto que superou a miséria”. Segundo Dilma, o seu projeto de governo e o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva complementou a renda dos mais necessitados, garantiu acesso à casa própria por meio de subsídios do Estado brasileiro e priorizou a geração de empregos.

Ao defender o seu governo, Dilma criticou também o que chamou de busca pelo “terceiro turno”. “Vivemos uma crise política séria, séria, no nosso país. E que, neste exato momento se expressa na tentativa dos opositores ao nosso governo de fazer o terceiro turno. Essa tentativa de fazer um terceiro turno no Brasil, ela começou no dia seguinte às eleições. Quando nós ganhamos as eleições, no dia seguinte começou essa tentativa”. disse.

“Espalham o ódio e a intolerância, e isso é muito grave porque o Brasil tem uma tradição. O Brasil tem uma tradição de conviver de forma pacífica com a diferença. Nós somos um país formado por etnias diferentes. Somos tolerantes em relação às pessoas, ao que elas acreditam, às religiões que adotam. Nós somos eminentemente um povo que tem um grande componen Leia mais

rafael_greca

14 de outubro de 2015
por Esmael Morais
28 Comentários

Coluna do Rafael Greca: Curitiba inspira cuidados

Download

Rafael Greca*

Cresce entre os que amam Curitiba a certeza de que nossa cidade inspira cuidados. Deprimida, corroída, mofada, ameaçada por desleixo público, vítima de uma administração enferrujada e infrutífera, Curitiba suspira pelo tempo perdido.

Nos últimos 9 dias, observei 6 graves sinais de uma peste urbana que consome a qualidade de vida de Curitiba: 1) ciclista morto por inacreditável buraco no asfalto derramado pela prefeitura no Xaxim; 2) na rua XV, poste de ferro que abate cidadã, ensanguentando o calçadão; 3) ferrugem no Bondinho na mesma rua das Flores; 4) ratos à luz do dia nos gramados da Praça Tiradentes; 5) grades de proteção corroídas no parque Tanguá; 6) 300 ônibus velhos em circulação provocando até ação do Ministério Público.

É na Cidade que a vida se realiza. Não dá para separar nossa gente da nossa Cidade. Se Cidade vai mal, a gente curitibana sofre, padece.

A 3 de outubro, sábado, na rua David Town, no Xaxim, morreu Milton Ferreira de Oliveira (47) , ciclista, ao voar 40 metros depois de cair num buraco da ciclovia e em seguida topar em elevação no asfalto mal derramado – pela Prefeitura.

Uma depressão ou elevação inusitada no asfalto pode matar uma pessoa, então, cuidar das pessoas é também fazer bem feito o recape de pavimentos em ruas e ciclovias.

A 6 de outubro, terça-feira, visito a praça Liberdade, onde a rua Jari encontra a avenida da Integração, no Bairro Alto. Ali constato que o vestiário para os atletas – que fiz construir – não existe mais. Ruiu por abandono.

Casa em ruínas pode virar cracolândia, mocó de malfeitores, pode também desabar sobre as pessoas. Então, cuidar das pessoas é evitar ruína dos equipamentos públicos. Preservando-lhes a firmeza, a utilidade e a beleza.

A 9 de outubro, sexta feira, no centro de Curitiba, na rua XV com João Negrão, um poste de ferro fundido desmilinguiu-se, torcido, caindo aos pedaços sobre a curitibana Maria Ferreira Ribas (59), que saía do trabalho para almoçar.

Gravemente ferida, a sexagenária deu entrada na UTI do Hospital Evangélico com traumatismo craniano. Seu estado inspira cuidados.

Percorri o calçadão da rua XV, onde instalei os elegantes post Leia mais

Alvaro_Coluna

14 de outubro de 2015
por Esmael Morais
16 Comentários

Coluna do Alvaro Dias: As pedaladas fiscais e o impeachment

Download

Alvaro Dias*

Na última semana, o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou, por unanimidade, parecer pela rejeição das contas presidenciais de 2014. Devido a várias irregularidades, como as chamadas pedaladas fiscais, os oito ministros entenderam que as contas não estavam em condições de serem aprovadas.

A decisão histórica do TCU coloca pressão sobre o Congresso Nacional. A Comissão Mista de Orçamento e o plenário da Câmara e do Congresso terão, agora, de votar o parecer do tribunal, o que pode dar início a um processo de impeachment da presidente da República.

Nós, da oposição, temos o dever de interpretar o momento histórico que vivemos. Qual é a nossa missão e a nossa responsabilidade? E, diante de tanta corrupção descoberta pela Operação Lava Jato; de investigações conduzidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre irregularidades na campanha presidencial; e de inúmeros erros econômicos do governo, como as pedaladas fiscais, temos o dever de representar a indignação da maioria dos brasileiros e defender a proposta do impeachment.

O impeachment é um dispositivo constitucional, portanto um instrumento democrático de socorro à população, e não se trata de um rito sumário. Antes da aprovação ou rejeição por deputados e senadores, a Constituição Federal garante um amplo debate diante da defesa apresentada pelo governo.

Para um processo que julga o crime de responsabilidade cometido por um governante, o fato ocorrido durante o mandato vigente tem um peso maior na argumentação jurídica. Mas o Ministério Público junto ao TCU apontou que o governo atrasou a transferência de R$ 40,2 bilhões aos bancos públicos no primeiro semestre de 2015, ou seja, a prática das pedaladas fiscais teria se repetido.

Com esse novo fato, a oposição apresentou um aditamento ao pedido de impeachment assinado pelos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale Júnior para incluir as irregularidades desse novo mandato.

Estamos em um momento de crise política e de grande desesperança. Para o País é sempre traumático alterar o cronograma estabelecido pela democracia, mas seria ainda mais trágico se o voto impusesse a impunidade.

*Alvaro Dias é senador pelo PSDB e líder da Oposição no Senado Federal. Ele escreve nas quartas-feiras para o Blog do Esmael sobre “Ética na Política”.

Leia mais