Michel Temer sobre o governo Dilma: ‘Ninguém resiste com esse índice de popularidade’

da Agência Brasil

Vice Michel Temer jura que não conspira contra Dilma, mas na TV que 'PMDB não tem medo da verdade que virá'; peemedebista voltou a dizer ontem que ‘ninguém resiste 3 anos e meio com esse índice de popularidade’, ao se referir ao governo; no meio desse tiroteio, falta ações concretas da presidenta da República, dentre as quais, a demissão imediata de Joaquim Levy e um “cavalo de pau” na economia e, o que é mais importante, escolher de que lado ela quer ficar: dos trabalhadores ou do capital especulativo.

Vice Michel Temer jura que não conspira contra Dilma, mas na TV que ‘PMDB não tem medo da verdade que virá’; peemedebista voltou a dizer ontem que ‘ninguém resiste 3 anos e meio com esse índice de popularidade’, ao se referir ao governo; no meio desse tiroteio, falta ações concretas da presidenta da República, dentre as quais, a demissão imediata de Joaquim Levy e um “cavalo de pau” na economia e, o que é mais importante, escolher de que lado ela quer ficar: dos trabalhadores ou do capital especulativo.

Ao participar de um debate promovido pelo Movimento Política Viva, na noite dessa quinta-feira (3), em São Paulo, o vice-presidente da República, Michel Temer, disse, ao ser indagado sobre a atual baixa popularidade do governo, que ninguém resiste três anos e meio com esse índice, de acordo com áudio, de parte do debate, desponibilizado pelo Portal G1.

“Hoje, realmente o índice é muito baixo. Ninguém vai resistir três anos e meio com esse índice baixo. Muitas vezes, se a economia começar a melhorar, se a classe política colaborar, o índice acaba voltando ao patamar razoável”, afirmou.

Temer disse ainda que não basta torcer para o índice de popularidade melhorar, é preciso trabalhar para isso. “O que nós precisamos não é torcer, é trabalhar para que nós possamos estabilizar essas relações. Se continuar assim, eu vou dizer a você, para continuar 7%, 8% de popularidade, de fato fica difícil passar três anos e meio”.

Comentários encerrados.