Beto Richa dá golpe em professores até no Conselho Estadual de Educação; a perseguição segue em frente

Deputado Nereu Moura, líder do PMDB, autor de projeto que proíbe secretários ocuparem cargos em conselhos de estatais e órgãos de fiscalização do governo do estado critica nomeação de Ana Seres (SEED) e João Carlos (SETI) para o Conselho Estadual de Educação (CEE); "O governo continua inovando ao colocar as raposas para cuidar do galinheiro", criticou o parlamentar ao Blog do Esmael; "Depois do auxílio-moradia, Beto Richa acha que pode tudo", completou.

Deputado Nereu Moura, líder do PMDB, autor de projeto que proíbe secretários ocuparem cargos em conselhos de estatais e órgãos de fiscalização do governo do estado critica nomeação de Ana Seres (SEED) e João Carlos (SETI) para o Conselho Estadual de Educação (CEE); “O governo continua inovando ao colocar as raposas para cuidar do galinheiro”, criticou o parlamentar ao Blog do Esmael; “Depois do auxílio-moradia, Beto Richa acha que pode tudo”, completou.

O governador Beto Richa (PSDB) extrapolou mais uma vez os limites do estado democrático de direito ao nomear dois secretários de Estado para integrarem o Conselho Estadual de Educação (CEE). Os secretários são Ana Seres Trento Comin, da Educação (SEE), e João Carlos Gomes, da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI), que a partir de agora podem se ‘autofiscalizarem’. Seria como o zagueiro cruzasse a bola para ele mesmo fazer o gol de cabeça.

A aberração jurídica e política com essas nomeações é agravada porque ela ocorre justamente num órgão que tem o papel de normatizar, regulamentar e fiscalizar toda a educação do Estado — justamente nas pastas dos dois principais gestores públicos da área indicados. Ou seja, há um evidente e inconciliável conflito de interesses. Mas, ao que parece, para Richa não tem problema porque ele julga que tem o judiciário na mão. Será?

A respeito disso, o deputado Nereu Moura, líder do PMDB, apresentou projeto na Assembleia proibindo que secretários de Estado ocupem cargos em conselhos de estatais e órgãos de fiscalização do governo do estado. “O governo continua inovando ao colocar as raposas para cuidar do galinheiro”, criticou o parlamentar ao Blog do Esmael. “Depois do auxílio-moradia, Beto Richa acha que pode tudo”, completou.

Além disso, o governador tucano se recusa a nomear a representação dos trabalhadores no CEE cuja cadeira está vaga desde o ano passado. Em novembro de 2014, em assembleia estadual da categoria, a APP-Sindicato elegeu a professora Taís Mendes para a vaga de conselheira, em virtude do final do mandato do representante anterior. No entanto, a representante dos educadores ainda aguarda a nomeação para assumir sua vaga no Conselho.

O diabo é que ocorrem substituições rapidamente quando os conselheiros desagradavam aos interesses do governador tucano, como foram os casos do professor Romeu Gomes de Miranda e do Padre Domenico Costella. Sem titubear, Richa os substituiu prontamente ao final de seus respectivos mandatos.

A suspeita dos educadores é de que o governo esteja moldando o Conselho de Educação para que não crie ‘problemas’ e aprove um novo ‘pacote de maldades’ que está sendo preparado para a educação pública em nosso estado. Seria mais uma perseguição, só que agora com requinte de ‘golpe’ (que se soma ao fim da eleição para diretor de escola).

O assunto foi pauta do Conselho Estadual da APP-Sindicato na última sexta-feira. Os professores informam que aprovaram o ingresso de representação no Ministério Público Estadual contra a nomeação dos secretários para integrarem o Conselho.

Por fim, a APP estuda outras medidas judiciais para que o Conselho retome o caráter democrático e represente em sua composição os diversos setores envolvidos com a educação, tais como os gestores públicos, escolas particulares, trabalhadores, estudantes e a comunidade em geral.

Comentários encerrados.