Por Esmael Morais

Audiência pública em Campo Largo debaterá nesta quinta práticas antissindicais da montadora Fiat

Publicado em 23/09/2015

Os representantes dos trabalhadores acusam a direção da empresa de não reconhecer o papel do sindicato enquanto negociador das reivindicações dos trabalhadores. Dirigentes sindicais são impedidos até mesmo de participar de reuniões onde se discutem as propostas salariais da empresa.

“Ignorando completamente o papel intermediador da entidade, a Fiat de Campo Largo decidiu apresentar, por conta própria aos trabalhadores, a mesma proposta que havia sido recusada pelo sindicato”, denuncia a entidade sindical.

Recentemente, no dia 02 de setembro, a empresa e o sindicato tiveram mais uma reunião de negociação. Porém, o impasse continua tendo em vista a posição intransigente da Fiat.

Foram convidados para o evento o Ministério Público do Trabalho, TRT 9°, OAB-PR, FIOM-CGIL (Itália), Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM-CUT), parlamentares, dirigentes das centrais sindicais e sindicatos, integrantes da Comissão de Direitos Humanos e advogados e especialistas em direito do trabalho, além de trabalhadores da fábrica.

Uma Audiência Pública para tratar do tema também ocorrerá no Senado Federal e um dossiê com as demandas dos trabalhadores da Fiat no país será apresentado ao Congresso Nacional e para a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Serviço: audiência pública sobre as práticas antissindicais da Fiat
Local: Câmara Municipal de Campo Largo
Dia: 24 de setembro – quinta-feira
Hora – 19h