AGU emite parecer favorável à inconstitucionalidade do confisco da ParanáPrevidência

No massacre do Centro Cívico, em 29 de abril, durante votação do confisco na Assembleia Legislativa, 213 pessoas ficaram feridas devido à ação covarde e violenta da polícia; governador Beto Richa é o chefe da PM; agora, a Advocacia-Geral da União dá parecer pela inconstitucionalidade da Lei aprovada; e agora, como o tucano vai fazer se já está gastando o dinheiro por conta desse confisco?

No massacre do Centro Cívico, em 29 de abril, durante votação do confisco na Assembleia Legislativa, 213 pessoas ficaram feridas devido à ação covarde e violenta da polícia; governador Beto Richa é o chefe da PM; agora, a Advocacia-Geral da União dá parecer pela inconstitucionalidade da Lei aprovada; e agora, como o tucano vai fazer se já está gastando o dinheiro por conta desse confisco?

Entrou água no chope do governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), neste feriadão da Pátria, pois o Advogado-Geral da União (AGU), Luís Adams, emitiu parecer considerando inconstitucional o confisco da poupança previdenciária dos servidores públicos do Paraná (abaixo, leia a íntegra do documento).

De acordo com o parecer, o artigo 2°, inciso II e III, da Lei n° 18.469, aprovada pela Assembleia Legislativa do Paraná na fatídica sessão do dia 29 de abril, é inconstitucional porque fere o artigo 40 da Constituição Federal.

Segundo Adams, o confisco de recursos da ParanáPrevidência viola a Carta ao deixar vulnerável o direito fundamental à previdência social aos servidores públicos do Paraná.

O artigo em questão diz respeito à transferência de 35 mil servidores para o fundo previdenciário, desobrigando o Estado de bancar cerca de R$ 140 milhões por mês, valor esse que o governo Richa agora distribui no “Pacote de Maldades 3”.

A manifestação da AGU se deveu à uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIn), no Supremo Tribunal Federal (STF), cujo relator é o ministro Marco Aurélio Mello.

A ADIn foi perpetrada em junho pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e assinada por 8 sindicatos de servidores estaduais: APP-Sindicato, Sindijus/PR, Sindiprol/Aduel, Sindisaude, Sinteemar, Sinteoeste, Sintestpo e Sindiseab.

“Esperamos que o ministro Marco Aurélio siga o parecer e determine o cancelamento imediato da ‘retirada’ dos recursos da ParanáPrevidência. Isso demonstra que a nossa luta não foi e não é em vão. O governo anuncia pacote de bondades esfolando o nosso couro com a retirada de direitos, cancelamento de licenças, de formação e de recursos da nossa previdência além de não conceder o reajuste da inflação durante 18 meses”, comemorou a APP-Sindicato.

Leia a íntegra do parecer da AGU pela inconstitucionalidade do confisco da poupança previdenciária dos servidores públicos do Paraná:

http://www.esmaelmorais.com.br/wp-content/uploads/2015/09/Parecer_AGU.pdf

Comentários encerrados.