28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
27 Comentários

Roberto Requião ungido como candidato de chapa única no PMDB

O senador Roberto Requião será candidato único à presidência do PMDB do Paraná. Ele foi confirmado na noite desta segunda-feira (28), em Curitiba, após reunião com seu grupo político.

O deputado federal João Arruda, sobrinho do senador, já havia informado no sábado (26) que não disputaria com o tio.

“Esmael, você me conhece bem o suficiente para saber que nunca vou disputar contra o Requião”, disse via Twitter, em contestação ao Blog do Esmael.

Arruda almejava concorrer à direção do partido com o apoio de Requião, mas o acordo fechado esta noite adiou os planos do coordenador da bancada federal paranaense.

A hegemonia de Requião projeta candidatura própria do PMDB ao governo do estado e ao Senado, em 2018, e à Prefeitura de Curitiba em 2016. Também reforça a posição política contra o desgoverno Beto Richa, bem como a opção pela construção de um partido de massa.

Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
20 Comentários

Deputado Francischini, o Batman, leva “sabugada” em resposta da UFPR

francischini_ufpr_ricardoO deputado federal Fernando Francischini (SD), o Batman, nesta segunda-feira (28), levou uma “sabugada” em resposta ao um “pedido de informações” sobre a existência de um curso de Direito para beneficiários da Reforma Agrária. Coube ao diretor do Setor de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Ricardo Marcelo Fonseca, dirimir as dúvidas do deputado-morcego, que raciocina politicamente de ponta-cabeça — exatamente como um setor da sociedade enxerga “doutrinação política” em qualquer iniciativa de cunho social promovida pelo Estado Brasileiro.

O “pedido de informações” emitido por Francischini por si só já entrega as reais intenções do parlamentar quando ele questiona a realização de um curso de Direito “com 60 vagas exclusivas para integrantes do MST”.

Trata-se, na realidade, de uma turma de Direito para beneficiários da Reforma Agrária, o que é bem diferente. Pois, como esclarece o professor Ricardo no ofício, “o problema da Reforma Agrária no Brasil é secular, é grave e é muito anterior à própria crianção do MST – que é somente um dos movimentos sociais, dentre tantos, que existem em função da premente questão fundiária no Brasil”. Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
9 Comentários

Guardas Municipais implodem audiência pública com protesto contra Gustavo Fruet; assista ao vídeo

bariguiO Blog do Esmael noticiou que o Sindicato dos Servidores da Guarda Municipal de Curitiba (Sigmuc) faria hoje (28) à tarde um protesto bem-humorado contra o prefeito Gustavo Fruet (PDT) na entrada de uma audiência pública, a tal da “vi… nada”.

Pois bem, a temperatura subiu esta tarde no Parque Barigui. Os protestantes cercaram o prefeito e sua equipe antes mesmo deles chegarem ao auditório da reunião.

O barulhento grupo pediu a cabeça do diretor da Guarda Municipal, inspetor Claudio Frederico de Carvalho, o Guarda Belo; além de reivindicarem a nomeação de um secretário para a Defesa Social.

Os servidores prosseguiram com a manifestação até o interior do Salão de Atos do Parque Barigui, o que praticamente inviabilizou a realização da audiência.

Confira o vídeo feito pelo colunista do Blog do Esmael, Marcelo Araújo: Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
7 Comentários

Richa prepara nova guerra contra Dilma; alvo é a Saúde

richa_tenda_dilmaO governador Beto Richa (PSDB), com 80% de reprovação nas pesquisas, busca uma bandeira para tentar se reerguer politicamente. Ele escolheu a presidenta Dilma Rousseff (PT), que tem praticamente os mesmos índices de rejeição, como alvo de seu ódio ideológico, seletivo, e oportunismo covarde.

O tucano já fizera do ódio sua principal plataforma de reeleição nas eleições de 2014. Quem não se lembra daquela ladainha de “perseguição” do governo federal repetidas inúmeras vezes no rádio e na TV? Pois é, Richa voltará a carga na mesma toada, mas agora contra a Saúde.

O governo do estado reuniu prefeitos, deputados, secretários e militantes da “Tenda Digital” para preparar um movimento contra o governo Dilma. O encontro ocorreu no Canal da Música, local contiguo à TV Educativa — que é presidida pelo tucano Sérgio Kobayashi, coordenador dos cibercomissionados.

O Blog do Esmael ouviu o Ministério da Saúde, que assegurou que os repasses de recursos ao estado do Paraná estão regulares. Nos últimos três anos, segundo o órgão, foram repassados R$ 3 bilhões à administração Beto Richa, um crescimento de 5% entre 2012 e 2014.

A seguir, leia a íntegra do comunicado do Ministério da Saúde: Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
12 Comentários

Petistas lançam campanha “Eu Quero Tadeu Veneri Prefeito de Curitiba”

tedeu_prefeitoCresce no PT a pressão pelo “grito de independência” em relação à gestão do prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT), e lançamento de candidatura própria na eleição de 2016.

Petistas deram início a uma campanha nas redes sociais, nesta segunda-feira (28), denominada “Eu Quero Tadeu Veneri Prefeito de Curitiba”. A iniciativa partiu do militante André Castelo Branco Machado e, como um rastilho de pólvora, repercutiu nas frentes de atuação do partido. Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
5 Comentários

Ao vivo: Assembleia discute ‘pacote de maldades’ de Beto Richa que aumenta impostos

O Blog do Esmael, em parceria com a TV 15, transmite ao vivo para o Brasil e o mundo sessão da Assembleia Legislativa do Paraná.

(Transmissão encerrada às 16h42).

Os deputados voltam a debater o ‘pacote de maldades’ de Beto Richa (PSDB), que prevê novos aumentos de impostos e reforço ao Caixa Único (CU) do governo do estado.

Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
5 Comentários

Guardas municipais fazem hoje às 15h “vi… nada” da gestão Gustavo Fruet

vinadabO Sindicato dos Servidores da Guarda Municipal de Curitiba (Sigmuc) realizará um protesto bem-humorado contra a gestão do prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet (PDT). Os guardas municipais estarão a partir das 15 horas de hoje (28) no Parque Barigui, cozinhando vinas, no protesto que eles estão chamando de “vi… nada”.

A manifestação será junto ao Salão de Atos do Parque Barigui onde, a partir das 16 horas, haverá uma Audiência Pública sobre a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2016 promovida pela Prefeitura.

O mote do protesto é que os guardas municipais têm uma série de reivindicações, e o prefeito fez uma série de promessas, mas até agora nada. Por isso é uma “vinada”. “Vi… nada de valorização, vi… nada de secretário, vi… nada de estatuto, vi… nada de corregedoria, vi… nada de contratação, etc.”, explicam os manifestantes. Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
18 Comentários

CCJ da Assembleia ameaça ‘pacote de maldades 3’ de Beto Richa

francischiniKid_richaOs deputados estaduais governistas que compõem a Comissão de Constituição de Justiça (CCJ), da Assembleia Legislativa, ensaiam rebelião contra o ‘pacote de maldades 3’ do governador Beto Richa (PSDB).

Daqui a pouco, às 13h30, a CCJ se reúne para analisar 44 emendas ao projeto de lei 662/15 — número dado ao pacotaço — que impõe mais impostos e cria o Caixa Único (CU) do governo do estado.

A partir das 14h30, em parceria com a TV 15, o Blog do Esmael transmite a sessão ao vivo para o Brasil e o mundo. O k-suco tende a ferver esta tarde na Assembleia.

Na semana passada, os presidentes da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo, e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR), Juliano Breda, elevam o tom das críticas à sanha arrecadatória de Beto Richa.

O presidente da Fiep, por exemplo, chegou a defender que os deputados tenham os salários reduzidos em virtude do desserviço que eles vêm prestando à economia e à sociedade paranaenses.

Na CCJ, ao menos um deputado — Francischini Kid (SD) — anunciou que votará contra o pacotaço. Ele se somará aos oposicionistas na rejeição do aumento de impostos porque, segundo ele, a lei vinda do Palácio Iguaçu é “inconstitucional”. Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
8 Comentários

Frente marcha sábado contra privatização da Copel e Sanepar

sanepar_petrobras_copelNo próximo sábado, dia 3 de outubro, às 10 horas, sindicatos de trabalhadores, partidos e movimentos sociais prometem tomar a Boca Maldita, em Curitiba, em protesto contra o golpismo, o ajuste fiscal do governo Dilma Rousseff (PT) e as privatizações da Copel e Sanepar pelo governo Beto Richa (PSDB).

A manifestação está sendo convocada sob a bandeira da “Frente Brasil Popular”, criada no começo deste mês, e aqui no Paraná deverá ser reforçada por outros fóruns do campo da esquerda a exemplo da “Frente Povo Sem Medo”.

O objetivo desses movimentos é barrar o avanço da direita e do neoliberalismo econômico levando a sociedade às ruas. A defesa da Petrobras, assim como das estatais paranaenses, também está no radar do protesto deste sábado.

A seguir, leia a íntegra do manifesto da Frente Brasil Popular Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
11 Comentários

Coluna da Gleisi Hoffmann: O direito à defesa e a fogueira em praça pública

Gleisi Hoffmann*

A decisão do STF de desmembrar processos que não tinham relação com as denúncias envolvendo a Petrobras, o processo da Lava Jato, teve uma repercussão enorme durante a semana.

A maior crítica é de que a fornalha estava sendo acesa para fazer a pizza, para impedir o juiz Sérgio Moro de atuar, apurar e punir envolvidos em possíveis casos de corrupção.

Como meu nome foi envolvido nessa situação, também vi fogo, não a fornalha, mas a fogueira da praça pública. Lembrei imediatamente do livro O Martelo das Feiticeiras, que me foi sugerido por uma grande amiga, a escritora Rose Marie Muraro.

Escrito em 1848, o livro é um manual de como torturar e obter a confissão de mulheres como bruxas, posteriormente queimadas nas fogueiras aos milhares. A publicidade dos processos era a garantia de seu sucesso.

Me senti numa daquelas fogueiras que, propositadamente, não eram grandes, para que o espetáculo pudesse ser visto por mais tempo, impor mais temor e ficar gravado na mente das pessoas.

Virei a vilã que deu causa ao chamado fatiamento. Até agora não fui judicialmente comunicada do que me acusam, sequer tive acesso a todas as partes do processo remetido ao Supremo.

Por que foi remetido ao Supremo? Porque meu nome foi citado e eu sou senadora. Nossa constituição determina que detentores de mandatos têm fôro diferenciado. Acho isso errado, mas até agora não conseguimos mudar a regra, apesar de projetos que tramitam no Congresso.

O que fiz eu em relação a tudo isso? NADA, isso mesmo, nada. Não pedi o desmembramento, não solicitei o foro, não tem uma petição, uma solicitação minha no processo que pudesse levar a essa decisão do Supremo. Sequer fui intimada do que está acontecendo. A decisão inicial partiu do ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Lava Jato. Ele se disse incapaz de analisar o caso que envolvia meu nome e mandou o processo para ser sorteado para outro ministro. Sorteado, e não enviado.

Mas sou julgada antecipadamente como culpada, não só por delitos que possam ter ocorrido com recursos públicos que, repito, desconheço, não estou envolvida e nem fui beneficiada, como pela decisão do Supremo que, por não satisfazer a opinião de articulistas, meios de comunicação, parte da opinião pública e do mundo jurídico, passou a ser influenciável, manipulável, uma instituição sem seriedade e capaz de sucumbir as pressões políticas. A velha máxima: “se não é como eu quero, então não presta”.

Isso tudo tem sido uma tortura. Não tenho o mesmo espaço midiático que é usado para avaliar, julgar e condenar, para expor a minha versão dos fatos. Sou considerada culpada, inclusive pela decisão do Supremo de distribuir a apuração e processamento do caso para outros procuradores e juízes.

Toda minha trajetória política sempre foi pautada no trabalho e no servir. Nunca misturei posição pessoal com militância. Tudo que tenho na vida foi conquistado com meu trabalho, sempre foi e será compatível com minha renda. Minha família mantém os mesmos hábitos de antes de eu assumir cargos públicos ou mandato. Minha mãe mora na mesma vila que morava quando eu nasci. Vivo a vida de classe média, com conforto modesto.

Tudo o que quero é que as coisas sejam apuradas e esclarecidas. Tenho consciência das responsabilidades e da exposição da vida pública, mas como uma lutadora pelos direitos individuais, pela democracia e pelo Estado de Direito, n Leia mais

28 de setembro de 2015
por Esmael Morais
18 Comentários

Coluna do Luiz Cláudio Romanelli: O Fundo, a pobreza e a política

Download

Luiz Cláudio Romanelli*

“Tem gente sem esperança,
Mas não é o desalento que você imagina entre o pesadelo e o despertar”
Ulisses Tavares

Nesta semana, a Assembleia Legislativa deve aprovar o projeto de lei que trata da criação do Fundo de Combate à Pobreza – um poderoso instrumento de promoção da cidadania e de combate à desigualdade social nos municípios de menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), de regiões com forte desequilíbrio de desenvolvimento econômico e social e nos bolsões de pobreza nas grandes cidades. Atualmente, apenas oito estados não contam com um fundo específico para este fim, como dispõe o Artigo 82 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT) da Constituição Federal.

É um projeto importante, porque legalmente cria vinculações com investimentos na área social e no combate à desigualdade. Serão, no mínimo, R$ 400 milhões anuais para programas estruturantes de combate à extrema pobreza, a promoção da inclusão social, na geração de renda e no atendimento a grupos que socialmente são vulneráveis, como por exemplo, habitação popular, e que passam a ter mais força como política pública definida em lei e com um fundo específico com recursos para cumprir seus objetivos.

Porém, mesmo com todos esses benefícios e avanços – os quais acredito que ninguém possa ser contra – , o fundo de combate à pobreza foi alvo, nos últimos dias, de muita desinformação e picuinha política. A principal falácia dizem, por exemplo, que haveria aumento de imposto. Uma pequenez lamentável.

Por isso, é bom esclarecer mais uma vez e quantas outras vezes forem necessárias – os recursos do fundo em questão virão do ICMS de produtos considerados supérfluos. A alíquota destes produtos será reduzida em dois pontos percentuais, e novamente majorada, voltando ao mesmo patamar anterior, o diferencial será diretamente destinado ao fundo.

O restante continuará sendo distribuído entre o estado e as prefeituras. Ou seja, não há aumento de imposto, apenas o direcionamento de dois pontos percentuais para a criação deste Fundo de Combate à Pobreza.

A previsão é que em 2016 a arrecadação do ICMS chegue a R$ 26,7 bilhões. Deste montante, 75% ficam com o estado e outros 25% com os municípios. Do total arrecadado, R$ 400 milhões serão destinados ao fundo, e todo o recurso será utilizado justamente em prol das ações nas cidades.

Nenhum centavo será utilizado para pagamento de despesas com pessoal ou custeio da máquina pública, 100% será para investimento em programas e ações, diretamente nos municípios. A população mais pobre é a que será beneficiada.

Fora isso, cabe ressaltar que o Paraná é atualmente o maior parceiro dos municípios. O ajuste fiscal que foi promovido desde o fim do ano passado permitiu que a arrecadação das prefeituras fosse elevada em 15%. Em valores, entre janeiro e agosto, a soma do repasse do ICMS e IPVA do Estado é equivalente a R$ 5,3 bilhões. Já os repasses do governo federal, via Fundo de Participação dos municípios, caíram incríveis 38%. Se não fosse o ICMS, o IPVA e a parceria com o governo do Paraná, a situa Leia mais