“Tenda Digital” tenta segurar Gaeco nas investigações de corrupção no governo Richa

Publicado em 11 agosto, 2015
Compartilhe agora!

Armação política contra promotora Leila Schimiti objetiva desmoralizar investigações do Gaeco nas operações Publicano e Voldemort; "Tenda Digital", braço criminoso do Palácio Iguaçu na internet, dissemina vídeos e informações para diminuir o trabalho do Ministério Público acerca da corrupção no governo Beto Richa.
Armação política contra promotora Leila Schimiti objetiva desmoralizar investigações do Gaeco nas operações Publicano e Voldemort; “Tenda Digital”, braço criminoso do Palácio Iguaçu na internet, dissemina vídeos e informações para diminuir o trabalho do Ministério Público acerca da corrupção no governo Beto Richa.
A promotora de Justiça Leila Schimiti, subitamente, no último fim de semana, foi transformada em vilã graças à parceria infernal entre a “Tenda Digital” e setores da velha mídia paranaense.

Nesta terça-feira (11), do nada, o jornal Gazeta do Povo produziu uma “belíssima” reportagem acerca da “redução de pessoas alcoolizadas ao volante devido à Lei Seca”. Para um bom entendedor, meia palavra basta…

Leila Schimiti é coordenadora do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), braço policial do Ministério Público do Paraná. Ela está à frente de investigações de pedofilia, corrupção e cobrança de propina na Receita Estadual do governo do Paraná.

Coincidentemente, um dos investigados, Luiz Abi Antoun, primo do governador Beto Richa (PSDB), que esteve preso duas vezes, é apontado como “patrono” da tal “Tenda Digital”. Por isso o cavalo de batalha nas redes sociais e setores da velha mídia.

A “Tenda Digital” é um grupo clandestino formado por “cibercomissionados” que atuam no submundo a partir de comandos do Palácio Iguaçu. Os membros dessa organização criminosa seriam pagos com cargos DAS, ou seja, dinheiro público.

Ao demonizar a promotora Leila, a ideia é desqualificar os membros do Ministério Público nas investigações das operações Publicano e Voldemort.

O Gaeco já tem em mãos uma lista de “cibertucanos” da “Tenda Digital” que são lotados no Palácio Iguaçu, e-Paraná e Secretaria de Comunicação.

A promotora Leila Schimiti bateu seu carro em outros dois veículos, no sábado (8) à noite. Não houve feridos, mas a “Tenda Digital” e setores da velha mídia espalham que ela fora privilegiada no atendimento da ocorrência de trânsito. A Associação Paranaense do Ministério Público contesta essa versão (leia abaixo).

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DO MINISTÉRIO PÚBLICO

A ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DO MINISTÉRIO PÚBLICO, entidade de classe que congrega promotores e procuradores de Justiça do Estado do Paraná, por força do disposto nos artigos 1º, alíneas “a” e “f” e 37, alínea “d”, do seu Estatuto Social, vem a público ESCLARECER os fatos ocorridos na Cidade de Londrina/PR, no dia 08 de agosto do corrente ano, envolvendo a promotora de Justiça Leila Schimiti.

Considerando que a divulgação realizada por alguns meios de comunicação não corresponde à plena realidade dos fatos, importante esclarecer que a APMP procedeu ao acompanhamento do ocorrido desde o seu início, podendo assegurar que todas as medidas legais cabíveis foram adotadas pelas autoridades competentes para o seu adequado registro e posterior apuração. Não houve qualquer tentativa de interferência da aludida agente ministerial, ou de quaisquer outros integrantes do Ministério Público, com o objetivo de obstar ou dificultar a atuação das autoridades.

A APMP destaca, ainda, que a presença, no local da ocorrência, de outros membros da Instituição, deu-se em virtude de solicitação desta Associação e de designação expressa do Sr. Procurador-Geral de Justiça, com vistas a permitir a fiel observância do comando contido no art. 152, III da Lei Complementar nº 85/99, além de garantir a lisura do trabalho policial e a preservação das demais prerrogativas institucionais.

Digno de registro, ainda, que a promotora de Justiça Leila Schimiti emitiu nota pessoal na data de ontem (09/08), pedindo suas sinceras desculpas aos envolvidos e à sociedade, indicando claramente que não se furtará, se for o caso, como qualquer cidadão, a assumir as responsabilidades porventura decorrentes do lamentável evento.

Imperioso anotar, ademais, que a Procuradoria-Geral de Justiça também se pronunciou na presente data, afirmando, mesmo sem analisar questões de mérito, que adotará todas as providências para que os fatos sejam imparcialmente apurados e para que eventuais responsabilidades penais e/ou administrativas sejam identificadas.

Em suma, a APMP repele com veemência afirmações desarrazoadas no sentido de que houve ou haverá privilégios em favor de membros do Ministério Público, assegurando à sociedade paranaense que velará para que, a par da irrestrita observância das prerrogativas de seus membros, haja o cabal esclarecimento dos fatos, com as consequências a eles inerentes.

Por fim, embora lamente o ocorrido, a Associação Paranaense do Ministério Público registra que tem convicção que o implacável trabalho no enfrentamento à corrupção e outros ilícitos continuará a ser desenvolvido pelo Ministério Público na forma esperada pela sociedade, não permitindo que manifestações com evidentes interesses espúrios se utilizem de um fato isolado e de índole particular, para enfraquecer a Instituição e os seus agentes como um todo.

Compartilhe agora!

Comments are closed.