Por Esmael Morais

Empresário acusado de desviar dinheiro da educação quer fazer delação premiada

Publicado em 28/08/2015

Criminalista Claudio Dalledone Junior terá que decidir nos próximos dias se encaminhará 'delação premiada' do empreiteiro Eduardo Lopes;ex-dono da Valor é acusado de desviar R$ 30 milhões que eram destinados à construção de escolas.

Criminalista Claudio Dalledone Junior terá que decidir nos próximos dias se encaminhará ‘delação premiada’ do empreiteiro Eduardo Lopes;ex-dono da Valor é acusado de desviar R$ 30 milhões que eram destinados à construção de escolas.

A temperatura voltará a subir nos próximos dias na região do Centro Cívico, pois o empresário Eduardo Lopes, ex-dono da empreiteira Valor, pediu para fazer delação premiada na operação “Quadro Negro”, do Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos (Nurce).

O empresário ficou preso uma semana acusado de desviar R$ 30 milhões recursos que seriam destinados para a construção de escolas.

Além do ex-dono da Valor, outras quatro pessoas tiveram prisão decretada (todos já estão soltos), entre elas o ex-diretor de Diretoria de Engenharia, Projetos e Orçamentos da Secretaria da Educação (SEED), Maurício Jandoi Fanini Antonio, amigo do governador Beto Richa (PSDB).

Pois bem, Eduardo Lopes procurou nesta sexta-feira (29) o advogado dele, o criminalista Claudio Dalledone Júnior. O empresário pediu para “colaborar” com a Justiça, pois, de acordo com uma fonte do Blog do Esmael, o acusado diz que não quer voltar para a cadeia.

“Eu não volto para a cadeia porque não peguei o dinheiro”, jurou o empreiteiro.

Sem entrar no mérito da acusação, que é grave, há quem defenda que as grades da Assembleia Legislativa sejam reforçadas e transformadas numa “prisão” porque a bronca teria participação direta de deputados.

Agora a pergunta que não quer calar: o advogado Dalledone, que não costuma afrouxar o sutiã, intermediaria uma delação premiada capaz de implodir o Centro Cívico? Ele nunca negociou algo parecido antes. A conferir.