11 de julho de 2015
por Esmael Morais
20 Comentários

Gleisi: ‘novos cursos de medicina são conquista do Mais Médico’

gleisi_mais_medicosA senadora Gleisi Hoffmann (PT) comemorou neste sábado (11) a conquistas de novos cursos de medicina para os municípios de Campo Mourão, Pato Branco, Guarapuava e Umuarama. Segundo ela, as novas vagas criadas fazem parte da estratégia do programa Mais médicos. ... 

Leia mais

11 de julho de 2015
por Esmael Morais
14 Comentários

Vídeo com deputado “fuzilando” PSDB e TCU vira “meme” na internet; assista

do Brasil 247
Ele não é do PT, mas tem se mostrado mais petista que os próprios integrantes da legenda quando se trata de defender o governo da presidente Dilma Rousseff dos ataques da oposição. O deputado federal Silvio Costa (PSC-PE) foi responsável, nesta semana, por um dos discursos mais veementes contra a oposição, em que aponta as incoerências do PSDB, seja nas votações ou nas críticas contra o governo.

Costa, que é um dos vice-líderes do governo na Câmara, defende que a base aliada da presidente Dilma Rousseff mude de postura, partindo para o enfrentamento, em relação aos partidos da oposição ou em relação ao presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), responsável por impor seguidas derrotas ao governo nas votações em plenário. “Ele não pode continuar utilizando o governo para derrotar o governo. O Cunha não pode continuar dando capim às suas ovelhas do pasto alheio. Ele não pode usar o Executivo para premiar as suas ovelhas”, disparou.

Assista ao vídeo

Apesar de o PMDB ser o maior aliado, Silvio Costa destaca que uma mudança de estratégia deveria “trabalhar em cima da desorganização” da legenda resultante do “pseudomandonismo” de Cunha. “Ele nunca foi hegemônico dentro do PMDB e vem perdendo gordura política, perdendo apoio na Casa pelo estilo ditatorial, imperial, que impôs sobre diversos parlamentares. O governo deveria trabalhar melhor esta insatisfação do PMDB”, analisa.

Silvão, como o pernambucano também é conhecido, diz que, assim como Cunha, “a oposição tem como marca a incoerência” e acusa os parlamentares que querem apear a presidente Dilma do cargo – por meio de uma tentativa de impeachment ou por casuísmos legais, como as chamadas ‘pedaladas fiscais’ questionadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) – de “populismo nojento contra o Brasil”.

Para estes, ele faz questão mandar um recado: “Este discurso da oposição não consegue chegar aos corações das pessoas, ao contrário do presidente Lula [ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva]. Eles perderam as últimas eleições para a Dilma e vão perder em 2018 novamente para o Lula”.

Assista abaixo ao discurso de Silvio Costa desta semana e leia a entrevista do deputado ao Pernambuco 247:

O senhor tem sido responsável pela defesa mais veemente do governo Dilma na Câmara. Como avalia as seguidas derrotas impostas pelo presidente da Casa, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nas votações de interesse do governo?

Defendo uma mudança de postura. Eu defendo o enfrentamento com o Cunha. Ele não pode continuar utilizando governo para derrotar o governo. Ele promete aos parlamentares liberar emendas, cargos, e em seguida liga para pressionar ministros. Ele mudou 20 votos na PEC da Maioridade Penal de um dia para o outro. Nenhum parlamentar muda de opinião assim, da noite para o dia. O Cunha não pode continuar dando capim às suas ovelhas do pasto alheio. Ele não pode usar o Executivo para premiar suas ovelhas.

Ele é da base aliada e tem apoio na Casa… então como seria este enfrentamento?

Reconheço que ele deu celeridade à pauta da Câmara, mas também tem atropelado o regimento da Casa e a própria Constituição em interesse próprio. É o pseudomandonismo do Cunha. Ele sabe da qualidade intelectual de parte do grupo dele e, por isso, manipula. Sou opositor convicto da gestão dele. Não tenho medo de enfrentá-lo em nenhum campo, seja intelectual, regimental Leia mais

11 de julho de 2015
por Esmael Morais
14 Comentários

Garganta Profunda de Londrina: “Procuradoria Geral do Beto Richa”

pgeAboletado pelos dias frios e chuvosos, Garganta Profunda de Londrina, o principal informante do planeta pós-guerra fria, a serviço dos leitores do Blog do Esmael, traz neste sábado (11) novo relato das entranhas entranhas do Palácio Iguaçu.

O X-9 com acesso privilegiado à antessala do governador Beto Richa (PSDB) conta com exclusividade — e com certa dose de sarcasmo — o dilema que o tucano enfrenta para escolher o Procurador Geral do Estado. Leia a seguir:

“Procuradoria Geral do Beto Richa”

No meio das irritações de Beto Richa, contrariado pelo momento desfavorável que nunca tinha experimentado na carreira, um assunto é tratado com muita objetividade no Palacio.

É a nomeação do próximo Procurador Geral do Estado, depois da queda de Ubirajara Gasparin.

Beto tem que escolher bem escolhido aquele que será o seu sexto PGE. Um recorde. Daqui a pouco vai faltar lugar na galeria dos que ocuparam o cargo.

Beto está sendo convencido a escolher um advogado de sua inteira confiança para o cargo.

Seria assim, um Procurador Geral para chamar de seu.

Ao invés de Procurador Geral do Estado, o escolhido vai poder colocar na porta do gabinete a plaquinha “Procurador Geral do Beto Richa”. Leia mais

11 de julho de 2015
por Esmael Morais
32 Comentários

Coluna do Jorge Bernardi: “A herança maldita de Beto Richa para Curitiba vai até 2035”

herancaJorge Bernardi*

Quando Prefeito de Curitiba Beto Richa fez a licitação do transporte coletivo de Curitiba. Uma reivindicação antiga da população que, em tese, deveria diminuir o preço da tarifa, já que permitiria a disputa entre interessados pela prestação do serviço.

Infelizmente a licitação se transformou num jogo de cartas marcadas em que, as mesmas empresas que operavam o sistema a décadas, dividiram os lotes entre si. A passagem de ônibus da capital paranaense, que sempre foi uma das mais baratas das capitais, após a concorrência, ficou entre as três mais do Brasil, e continua no preço atual de R$ 3,30.

A licitação garantiu contrato por 25 anos, para as empresas que formaram um cartel, no valor de R$ 1 bilhão por ano, ou seja R$ 25 bilhões no período. Dinheiro este que está sendo sugado do bolso dos trabalhadores e da economia de Curitiba, pois a metade deste custo é arcado por toda a sociedade através do vale transporte.

Ao assumir a Prefeitura de Curitiba, em 2013, Gustavo Fruet afirmou que iria abrir a CPI da URBS, empresa de economia mista de controle municipal que gerencia o transporte coletivo. Todos acreditaram na promessa do prefeito e passaram a trabalhar neste sentido.

Foram constituídas várias comissões entre elas a CPI do Transporte Coletivo da Câmara Municipal e a Auditoria do Tribunal de Contas. Os resultados do trabalho convergiram as mesmas conclusões: a licitação foi fraudada e a tarifa esta superfaturada. Leia mais