Por Esmael Morais

Educadores suspendem greve e transferem trincheira para as escolas; grito agora é “Fora, Beto Richa!”

Publicado em 09/06/2015

A declaração do parlamentar refere-se ao massacre de 29 de abril, à ação da bancada do camburão na Assembleia, a compra da velha mídia com fartos recursos públicos, e a ação mancomunada da Justiça com o Palácio Iguaçu — em desfavor da educação.

Para o peemedebista, um passo atrás foi fundamental para reorganizar e garantir o exército coeso contra o desgoverno de Beto Richa. “O ganho dos professores pode até não ser econômico, mas o saldo político é evidente. O magistério tem que comemorar, apesar da luta desigual contra os poderes constituídos”, disse.

O magistério conseguiu a façanha de depenar o tucano em três meses, expor suas vísceras aos paranaenses, cuja essência de seu governo é a corrupção e a propina.

A greve, em certa medida, vinha servindo de “cortina de fumaça” para esconder a podridão no entorno de Beto Richa. Agora, a partir das escolas, transformadas em trincheira, será possível amplificar essa denúncia de que “há algo de podre no reino da richarada”.

Portanto, a partir desta quinta em todas as escolas e comunidades do Paraná a palavra de ordem é “Fora, Beto Richa!”.