Para evitar impeachment e cadeia, Richa contrata criminalista René Dotti

rene_massacre_richaO governador Beto Richa (PSDB) resolveu antecipar-se aos fatos contratando o criminalista paranaense René Ariel Dotti. O renomado jurista vai acompanhar as investigações sobre o esquema de corrupção na Receita Estadual de Londrina e o massacre contra os professores no dia 29 de abril, no Centro Cívico, que deixou 213 feridos.

Além de temer o processo na área criminal, o tucano também se preocupa com o julgamento político. Amanhã, sexta-feira (21), o advogado e blogueiro Tarso Cabral Violin vai formalizar a abertura do processo de impeachment contra o governador Beto Richa. O foco petição é o massacre no Centro Cívico.

Nas principais bancas de advocacia da capital paranaense fala-se em “500 milhas” de honorários para Dotti. Ou melhor R$ 500 mil ou meio milhão, segundo alguns advogados com “dor de cotovelo” que sonham com clientes deste quilate pelo valor da causa.

Nos bastidores da política a conversa é que a família Richa — Beto e Fernanda — vão partir para o ataque contra a RPC TV (afiliada à Globo), pois o governador descartou a renúncia ao cargo conforme anotou hoje o Blog do Esmael.

Dotti é conhecido no meio jurídico como o “Kakay paranaense”, em referência ao advogado Antônio Carlos de Almeida Castro. Além do brilhantismo nos tribunais, os dois ganharam notoriedade por defender uma penca de políticos encrencados.

Kakay tem no curriculum a defesa de Roseana Sarney e Aécio Neves, ambos investigados pela Operação Lava Jato. Já Dotti ficou conhecido por fazer a defesa do ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho, que dirigia bêbado a 190 km por hora quando atropelou e matou os jovens Gilmar Rafael Souza Yared (26) e Carlos Murilo de Almeida (20).

Comentários encerrados.