Francischini não é mais secretário da Segurança, diz Palácio Iguaçu

francischini_richa_psdb

O deputado federal licenciado Fernando Francischini (SDD) não resistiu ao contra-bombardeio após o massacre de professores pela PM no último dia 29 de abril. Segundo fontes no Palácio Iguaçu, Batman não é mais o secretário da Segurança Pública. O nome mais cotado para o cargo é do delegado da Polícia federal José Iégas.

Na manhã desta quarta-feira (6), o Senado Federal realiza concorrida audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Participação Legislativa (CDH). Houve bate-bocas e emocionado depoimento do cinegrafista da Band, o jornalista Luiz Carlos de Jesus.

Quem também está por um fio é o chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra (PSD), que na segunda-feira (4) fora apontado pelo deputado Tadeu Veneri (PT) como mandante do bombardeio a educadores.

O petista diz ter escutado Sciarra falando ao telefone “meta bomba, meta bomba”. O chefe da Casa Civil pilotava o bombardeio do oitavo andar da Assembleia, denunciou Veneri.

Também na segunda-feira, o Blog do Esmael anunciou com exclusividade a queda do secretário da Educação, Fernando Xavier, e do comandante geral da PM, coronel César Kogut.

Setores do Palácio Iguaçu já “fritando” o ex-secretário da Segurança com objetivo de preservar o governador tucano (clique aqui). Mas Sciarra orienta Francischini a resistir ao “ataque especulativo”.

Ontem (5), a Comissão de Educação do Senado, por sugestão da senadora Gleisi Hoffmann (PT), aprovou moção de repúdio “à truculenta ação policial que deixou mais de 200 pessoas feridas”. E hoje (6), com transmissão ao vivo pelo Blog do Esmael, os senadores realizam audiência pública sobre o massacre dos professores na capital paranaense.

Comentários encerrados.