Depois da PRprevidência, Beto Richa planeja privatizar Sanepar e Copel para cobrir rombo no caixa

Trabalhadores da Sanepar realizaram protesto, na manhã desta quinta (21),  contra o secretário da Fazenda e presidente do conselho de administração da empresa; "interventor" do PSDB nacional, importado da Bahia, hoje, é quem realmente manda no Paraná, em declaração à imprensa avisou que "fatias" da Copel e da estatal de água serão privatizadas; no último dia 29 de abril, o governo Beto Richa confiscou a poupança previdenciária dos servidores para cobrir rombo no caixa.

Trabalhadores da Sanepar realizaram protesto, na manhã desta quinta (21), contra o secretário da Fazenda e presidente do conselho de administração da empresa; “interventor” do PSDB nacional, importado da Bahia, hoje, é quem realmente manda no Paraná, em declaração à imprensa avisou que “fatias” da Copel e da estatal de água serão privatizadas; no último dia 29 de abril, o governo Beto Richa confiscou a poupança previdenciária dos servidores para cobrir rombo no caixa.

O governo de Beto Richa (PSDB) parece ser um buraco sem fundo. Não há dinheiro que chegue para cobrir o rombo no caixa. Nem mesmo os tarifaços no IPVA, água, luz, ICMS, etc., e o saque de R$ 500 milhões da poupança previdenciária dos servidores públicos foram suficientes para estancar a sangria provocada pelo “choque de gestão” do tucano.

Na fatídica tarde de 29 de abril, enquanto o Palácio Iguaçu autorizava o massacre de professores e servidores, a Assembleia aprovava o confisco mensal de R$ 150 milhões da ParanáPrevidência – ou R$ 2 bilhões ao ano em valores corrigidos.

Pois bem. Depois de amealhar a poupança dos funcionários públicos, agora o governador do PSDB mira agora nos ativos da Sanepar e da Copel. São duas empresas consideradas as “joias da coroa” e outrora orgulho dos 11 milhões de paranaenses.

Na manhã desta quinta-feira (21), dezenas de saneparianos protestaram em frente ao prédio da Sanepar cujo presidente do Conselho de Administração, Mauro Ricardo Costa, dublê de secretário da Fazenda, antecipou que o governo do Paraná pretende vender fatias das empresas e água e esgoto (Sanepar) e de energia e comunicações (Copel).

Beto Richa bem que tentou desmentir o secretário, mas o projeto privatista está no DNA dos tucanos. Portanto, prevalece a posição de Costa porque este parece ser mais forte que o próprio governador. O titular da Fazenda fora importado da Bahia como uma espécie de “interventor” do PSDB nacional nas finanças do Paraná.

Até este momento, os funcionários da energética e da Sanepar pouco fizeram contra o desmonte e venda do patrimônio de todos os paranaenses. Eles precisam mostrar mais vontade de defender o que é deles também.

Coube aos educadores, em maior parte do tempo, a resistência a esse governo liquidacionista de Beto Richa. O maior feito da educação nesses últimos meses não foi lutar por 3, 5 ou 8% de reajuste na data-base. Pelo contrário. A maior vitória da comunidade escolar está sendo o desmascaramento de uma política antipovo e lesa-Paraná.

Comentários encerrados.