Coluna do Requião Filho: Governo Richa ultrapassou o limite da irresponsabilidade; e agora?

richa_guiness_requiaoRequião Filho*

Um governo irresponsável. Assim se define o atual governo do Paraná. O governo já quebrou o estado e hoje estamos no limite da responsabilidade fiscal. Isto significa que o Estado não pode contratar ninguém novo, significa que não podemos fazer concursos, significa que não temos como investir para melhorar a estrutura do nosso Paraná.

O governo tucano do Paraná é o governo mais instável da história do Brasil. Nunca um governo trocou tanto de secretários, trocou tantos comandantes da PM, trocou tantos assessores e mudou tanto de opinião.

No final do ano passado, o pacote de maldades era necessário para salvar o Paraná… Não salvou!

No começo deste ano, para salvar o Paraná, era necessário acabar com os planos de carreira e direitos adquiridos de todos os funcionários públicos no que ficou conhecido como o segundo pacote de maldades. Este pacote foi retirado e o Paraná continuou endividado.

O assalto ao fundo previdenciário foi a última grande solução para salvar o Paraná. Diziam que se o estado não fizesse esta lambança com a previdência não teriam dinheiro nem para data-base. Fizeram a Assembleia aprovar o projeto ao alto custo do massacre de professores. O projeto foi aprovado! O projeto foi aprovado e o governo continua dizendo que não tem dinheiro para dar a data-base. Que absurdo!

Ou eles não sabem o que dizem ou dizem sabendo não ser verdade.

Depois de tantas inverdades, de tanta confusão, de tantas versões ao invés de fatos, agora o governo quer fazer um empréstimo no Banco Internacional de Desenvolvimento, empréstimo em dólar. Não basta ter quebrado o estado, Beto quer garantir que os próximos governadores não tenham chance de reerguer o Paraná da lama. Lama na qual o próprio Beto Richa colocou nosso estado.

*Requião Filho é advogado, deputado estadual pelo PMDB, vice-líder da oposição na Assembleia Legislativa do Paraná, especialista em políticas públicas.

Comentários encerrados.