Por Esmael Morais

Coluna do Enio Verri: “Equilíbrio fiscal sem prejuízo para os trabalhadores”

Publicado em 26/05/2015

O pesadelo dos oposicionistas nada mais é do que a Medida Provisória, editada pela Presidente Dilma Rousseff que eleva de 15% a 20% a alíquota de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) das instituições financeiras, como bancos, corretoras de câmbios e de mercados de valores.

Representando uma elevação na arrecadação em cerca de R$ 4 bilhões, a Medida Provisória, contempla o ajuste fiscal, na mesma linha das medidas de incentivo indústria nacional e de adequações a benefícios, mas também, representa a divisão do ônus com o setor financeiro em tempos de retenção de gastos.

A MP não só alavanca a economia brasileira, como pela primeira vez convoca o andar de cima, antes esquecidos pelos tucanos nos anos de crise na década de 90, a contribuir com o equilíbrio econômico afetado pela crise mundial, a qual esteve umbilicalmente conectado desde sua origem em 2008.

Trata-se assim de estabelecer o equilíbrio fiscal – que um dia representou desemprego, inflação descontrolada e desvalorização de salários – sob o esquadro de todos os setores da sociedade, garantindo que os prejuízos não recaiam sob os trabalhadores.

A realidade está posta e o PT segue combativo. Resta saber se o discurso do PSDB, DEM, PPS e Solidariedade é fictício ou se o peso na consciência fez efeito. O tempo logo dirá.

*Enio Verri é deputado federal, presidente do PT do Paraná e professor licenciado do departamento de Economia da Universidade Estadual do Paraná. Escreve nas terças sobre poder e socialismo.