Câmara aprova fim da reeleição para presidente, governador e prefeito

lula_cunha_reeleicaoA reforma política na Câmara Federal avança sem muita discussão com a sociedade. Aliás, surpreende pela celeridade — assim como surpreendeu no caso da lei da terceirização da mão de obra, que atenta contra os trabalhadores.

Dito acerca do caráter conservador desta legislatura, a Casa aprovou no final da noite desta quarta (27) a reforma política que prevê o fim da reeleição. Parece até encomenda, pois a nova regra foi aprovada “bem na vez” do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A volta de Lula é uma possibilidade grande em 2018, por isso a mobilização de setores contrários às políticas públicas implantadas pelo PT.

A seguir, leia a íntegra de nota da Agência Câmara sobre o tema:

Câmara aprova fim da reeleição para presidente, governador e prefeito

da Agência Câmara

O Plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (27) artigo da reforma política (PEC 182/07) que acaba com a reeleição nos cargos executivos (presidente da República, governadores e prefeitos). A medida foi aprovada com o apoio majoritário das bancadas: 452 votos a favor, 19 contra e 1 abstenção.

O texto aprovado é o do relatório do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), que prevê uma transição. O fim da reeleição não se aplicará aos governadores eleitos em 2014 e aos prefeitos eleitos em 2012, nem a quem os suceder ou substituir nos seis meses anteriores ao pleito subsequente, exceto se já tiverem exercido os mesmos cargos no período anterior.

A exceção para o cargo de presidente da República não cabe porque a presidente Dilma Rousseff, já reeleita, não poderá se candidatar novamente em 2018.

Histórico

A reeleição nunca fez parte das Constituições brasileiras até a Emenda 16, de 1997, cujo processo de análise se iniciou em 1995 – PEC 1/95, apresentada pelo deputado Mendonça Filho (DEM-PE).

Desde antes de sua implantação, o tema não obteve consenso no Parlamento. Seus defensores argumentam que quatro anos de mandato podem se mostrar insuficientes para a implantação de projetos de governo mais duradouros.

Os contrários argumentam que a reeleição permite o uso da máquina pública e desvia o mandatário/candidato das atribuições da governança no ano de eleições. Outros defendem mandatos maiores para compensar o fim da reeleição.

A proposta de mandatos maiores será debatida pela Câmara a partir desta quinta-feira (28), quando será retomada a votação da reforma política. A proposta está sendo analisada em primeiro turno pelo Plenário.

Comentários encerrados.