Por Esmael Morais

Aécio recebeu mais que PT de empresa investigada pela Lava Jato; por que a velha mídia esconde isso?

Publicado em 14/05/2015

A informação relevante não consta na extensa reportagem da Folha de S. Paulo sobre doações da UTC, publicada no último dia 9. No texto, Pessoa afirma que doou R$ 7,5 milhões à campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff “por temer prejuízos em seus negócios na Petrobras se não ajudasse o PT” (leia aqui).

De acordo com a reportagem, Ricardo Pessoa contou aos procuradores que a doação ao PT foi tratada diretamente com o tesoureiro da campanha de Dilma, o atual ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência, Edinho Silva. O empreiteiro contou ter se reunido com Edinho a pedido do então tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, que está preso em Curitiba.

Segundo o comentário desta quinta-feira, 14, do colunista Kennedy Alencar, a delação premiada de Ricardo Pessoa, dono da UTC, tem potencial para ser explosiva. Tem potencial para fazer revelações sobre o PT e o PMDB, mas também a respeito da oposição, porque suas empresas prestam serviços no país inteiro.

“A oposição tem feito um discurso radical em relação à corrupção, transformando-a na sua principal bandeira”, afirma Kennedy. “Além dos políticos, Pessoa pode delatar empresas grandes com as quais negociou na posição de coordenador do cartel. É uma delação premiada que tem um peso maior do que as do doleiro Alberto Youssef e do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa”, completa (leia aqui).

Sobre o modo como foram feitas as doações de R$ 8,7 milhões ao PSDB, Ricardo Pessoa não disse uma palavra. E se disse, não chegou a ser publicado pelo jornal de Otávio Frias Filho.

Ainda segundo o levantamento do site Às Claras, outro partido que protagoniza dura oposição ao governo de Dilma Rousseff e que também recebeu doação da UTC é o DEM. A legenda comandada pelo senador Agripino Maia recebeu R$ 4.793.289 na campanha do ano passado.

Nessa quarta-feira, 13, Ricardo Pessoa assinou acordo de delação premiada com a Procuradoria Geral da República. É o primeiro representante de uma grande empreiteira a assumir que cometeu crimes. Em troca de uma redução em sua pena, além de apontar nomes de pessoas envolvidas no esquema de corrupção da Petrobras, Ricardo Pessoa teria se comprometido em devolver pelo menos R$ 55 milhões.

Após ser homologado pelo ministro Teori Zavascki, responsável pela Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, o teor da delação premiada de Ricardo Pessoa poderá ser divulgado. Trará o depoimento alguma menção aos R$ 8,7 milhões doados pelo empreiteiro ao PSDB?