14 de maio de 2015
por esmael
26 Comentários

Aécio recebeu mais que PT de empresa investigada pela Lava Jato; por que a velha mídia esconde isso?

do Brasil 247

pessoa_utc_aecioLevantamento feito pelo site Às Claras, ligado à ONG Transparência Brasil, mostra que a UTC Engenharia, do empreiteiro Ricardo Pessoa, realizou doações no valor de R$ 8.722.566,00 para a campanha a presidente do senador Aécio Neves (PSDB), no ano passado.

O montante é R$ 1,22 milhão a mais do que o valor que Ricardo Pessoa disse ter doado ao PT, durante interrogatório com procuradores da Operação Lava Jato.

14 de maio de 2015
por esmael
40 Comentários

Richa lança novo ‘pacote de maldades’ contra educadores; servidores deflagram greve geral a partir de terça

richa_dinheiroO governador Beto Richa (PSDB) pagou para ver e verá, de acordo os servidores públicos do Paraná. A partir da próxima terça-feira, dia 19, todas as categorias deverão se unir em uma inédita greve geral contra o tucano.

O Blog do Esmael havia antecipado ontem (13) que o espectro da greve geral voltara a assombrar o governo do PSDB no Paraná.

Nesta quinta-feira (14), um novo ‘pacote de maldades’ de Richa contra os educadores serviu para radicalizar o movimento que agora fala em greve geral, unificada, por tempo indeterminado.

14 de maio de 2015
por esmael
77 Comentários

Richa humilha educadores em greve ao encerrar unilateralmente negociação; vem aí nova megamarcha na terça

richa_greve

O governador Beto Richa (PSDB) radicalizou e anunciou o fim (sic) das negociações com os professores e servidores em greve, antes mesmo de ter começado. Na verdade, o tucano lançou na manhã desta quinta-feira (14) um ‘pacote de maldades’ contra a educação paranaense.

Como tentativa de isolar os educadores em seu movimento, anunciou uma série de medidas que incluem contratação de substitutos através de processo seletivo simplificado (PSS), descontos dos dias parados, e abertura de processos contra diretores “coniventes” com a greve.

Para não passar em branco na data-base, o governador enviou um projeto de lei à Assembleia Legislativa com índice de reajuste de 5%, dividido em duas vezes. O estranho é que esse índice foi anunciado um dia depois da reunião dos sindicatos com a secretária de Administração e Previdência, em que o governo disse que não havia índice nenhum para reajuste.

14 de maio de 2015
por esmael
14 Comentários

Professores em greve protestam contra intransigência de Beto Richa

protestos_profs

Os professores da rede estadual de ensino, em greve há 17 dia, estão realizando uma série de atos nesta quinta-feira (14) para pressionar o governador Beto Richa (PSDB) a negociar e expor o descaso com que o tucano trata a educação pública e o funcionalismo estadual.

Leia matéria completa sobre novo ‘PACOTE DE MALDADES’ contra educadores e a intransigência do governo que diz não negociar mais com a APP-Sindicato. Richa propõe reajuste de 5% em duas parcelas cuja mensagem será enviada à Assembleia.

Logo no começo desta manhã, os educadores de Curitiba se reuniram na Boca Maldita onde fizeram uma exposição com fotografias do massacre do Centro Cívico. Eles aproveitaram a transmissão ao vivo da Rádio Band News FM, em cadeia nacional, e a presença do âncora Ricardo Boechat na capital, para mandar o grito de guerra: “fora Beto Richa!”.

14 de maio de 2015
por esmael
21 Comentários

Professores evangélicos prometem neste sábado “Marchar Com Jesus”, mas contra Beto Richa

marchajesusA já tradicional ‘Marcha para Jesus’, evento que reúne centenas de milhares de pessoas todos os anos em Curitiba, deve extrapolar os limites da religião neste sábado (16). É o que promete um grupo de ‘professores evangélicos’ organizado no Facebook.

O grupo conclama a “todos os corajosamente éticos dispostos a fazer um ato de Fé” a participarem da distribuição de “panfletos com pedidos de oração pelos educadores e divulgação dos nomes dos deputados e secretários evangélicos contrários à educação pública do Paraná”.

A organização garante que o ato não é um questionamento à Marcha para Jesus, mas uma ação para expor o “Massacre da Alep”, e como se comportaram os deputados “ditos” evangélicos.

O protesto deve atingir em cheio o ex-secretário de Segurança Pública, Fernando Francischini (SSD); o secretário de Desenvolvimento Urbano, Ratinho Jr. (PSC), além dos deputados estaduais Cantora Mara Lima (PSDB), Artagão Jr. (PMDB), Felipe Francischini (SSD) e Missionário Ricardo Arruda (PSC) que se declaram evangélicos e se elegem com votos dessas comunidades, mas votaram pelo confisco da previdência dos servidores.

O protesto visa questionar entre os fiéis o “voto de cajado” e o “clientelismo religioso” uma vez que a postura do governador Beto Richa e seus aliados no governo e na Assembleia Legislativa vem prejudicando muito os servidores públicos e a educação do Paraná.

Veja o panfleto que vai ser distribuído no sábado: 

14 de maio de 2015
por esmael
25 Comentários

Richa prioriza prorrogação do ‘pedágio mais caro do mundo’ ao invés de resolver a greve na educação

pedagio_profs_richa

O governador Beto Richa (PSDB) retomou a ofensiva, esta semana, visando alongar os contratos de concessão do pedágio nas rodovias que cortam o estado do Paraná. As concessões do governo federal, que delegou os trechos pedagiados ao estado, vencem em 2021.

O Palácio Iguaçu prioriza a continuidade do ‘pedágio mais caro do mundo’ ao invés de tentar resolver as greves na educação básica e nas universidades estaduais. Alunos paranaenses já correm o risco de perder o ano letivo devido à falta de proposta do governo para pôr fim ao movimento paredista.

O secretário da Casa Civil, Eduardo Sciarra (PSD), estaria na linha de frente das negociações pela prorrogação dos contratos do pedágio por mais 25 anos “em troca de obras” nas rodovias paranaenses.

O senador Roberto Requião (PMDB), pelo Twitter, manifestou-se contrário à perpetuação das pedageiras. “Depois de massacrar professores, roubar a previdência, a prioridade de Richa é prorrogar contratos de pedágio!”, protestou.

Até agora, a CPI dos Pedágios, que concluiu os trabalhos na Assembleia no final de 2014, não disponibilizou o relatório final das investigações. Dentre as irregularidades levantadas na época estão obras não realizadas pelas empresas concessionárias que exploram o pedágio em 27 praças de arrecadação, sem que sejam imoladas pelo governo do estado.

O governo tucano teria, inclusive, pressionado entidades patronais conhecidas como G7 (Fiep, Fecomércio, Faep, Faciap, Fetranspar, Fecoopar e ACP) para aderirem à campanha pela prorrogação dos contratos.

O Blog do Esmael prospectou que apenas a Fecoopar (cooperativas) e Fiep (indústrias) se recusaram a assinar uma minuta favorável ao alongamento do pedágio no estado até 2050.

14 de maio de 2015
por esmael
18 Comentários

Coluna do Requião Filho: Governo Richa ultrapassou o limite da irresponsabilidade; e agora?

richa_guiness_requiaoRequião Filho*

Um governo irresponsável. Assim se define o atual governo do Paraná. O governo já quebrou o estado e hoje estamos no limite da responsabilidade fiscal. Isto significa que o Estado não pode contratar ninguém novo, significa que não podemos fazer concursos, significa que não temos como investir para melhorar a estrutura do nosso Paraná.

O governo tucano do Paraná é o governo mais instável da história do Brasil. Nunca um governo trocou tanto de secretários, trocou tantos comandantes da PM, trocou tantos assessores e mudou tanto de opinião.

No final do ano passado, o pacote de maldades era necessário para salvar o Paraná… Não salvou!

No começo deste ano, para salvar o Paraná, era necessário acabar com os planos de carreira e direitos adquiridos de todos os funcionários públicos no que ficou conhecido como o segundo pacote de maldades. Este pacote foi retirado e o Paraná continuou endividado.

O assalto ao fundo previdenciário foi a última grande solução para salvar o Paraná. Diziam que se o estado não fizesse esta lambança com a previdência não teriam dinheiro nem para data-base. Fizeram a Assembleia aprovar o projeto ao alto custo do massacre de professores. O projeto foi aprovado! O projeto foi aprovado e o governo continua dizendo que não tem dinheiro para dar a data-base. Que absurdo!