Por Esmael Morais

Prisão de Vaccari criminaliza o PT e todos os partidos políticos do país

Publicado em 15/04/2015

alckmin_vaccari_aecioDiferente do que imagina o mais desavisado, a prisão de João Vaccari Neto, tesoureiro nacional do PT, na manhã desta quarta (15), não é apenas mais um capítulo da luta contra o partido de Lula e da presidenta Dilma. Pelo contrário. Trata-se de mais um passo rumo à criminalização da política como um todo. Em perspectiva, atinge todas as legendas de todos os matizes ideológicas.

Para a distinta massa, até mesmo aquela que foi à rua pelo impeachment de Dilma e gritou fora o PT, nenhum dos partidos políticos que aí estão não prestam. É dessa ojeriza alimentada pela velha mídia e udenistas de plantão, loucos por holofotes, que nascem o fascista, o aventureiro, disposto a liderar um Estado de exceção.

A despolitização da sociedade é terreno fértil para gestar o autoritarismo. Portanto, os antipetistas cavam a própria cova da democracia.

Vaccari, culpado, tem que pagar pelo erro, mas soa estranho que somente dirigentes petistas tenham caído no xilindró. Parece coisa sob encomenda. Até o santo desconfia dessa seletividade. Nenhum político do PSDB, embora haja evidências de que vários tenham cometido “crimes” mais cabeludos que o tesoureiro do PT.

Só para ficar em alguns exemplos, a Operação Zelote, que investiga fraude de R$ 19 bilhões na Receita Federal, e o escândalo SwissLeaks-HSBC, são maiores que a Lava Jato. Nessas duas maracutaias têm os barões da mídia envolvidos, por isso não vêm à tona.

Sem falar na picaretagem do trensalão, envolvendo o metrô do governo tucano de São Paulo, e na lista de Furnas, que tem o senador Aécio Neves (MG) como principal protagonista.

O tesoureiro do PT preso será encaminhado ainda hoje para a carceragem da PF em Curitiba.