PT define 11 de abril para desembarque do governo Fruet

Compartilhe agora!

Deputado Tadeu Veneri e a vice Mirian Gonçalves são apontados como nomes naturais do PT à  Prefeitura de Curitiba, mas o partido não descarta composição com o PMDB de Requião Filho. No próximo dia 11 de abril, segundo fontes petistas, a tendência é que o congresso municipal aprove a entrega de cargos e secretarias que ocupa na gestão de Gustavo Fruet.
Deputado Tadeu Veneri e a vice Mirian Gonçalves são apontados como nomes naturais do PT à  Prefeitura de Curitiba, mas o partido não descarta composição com o PMDB de Requião Filho. No próximo dia 11 de abril, segundo fontes petistas, a tendência é que o congresso municipal aprove a entrega de cargos e secretarias que ocupa na gestão de Gustavo Fruet.
O Partido dos Trabalhadores (PT) definiu o Congresso Municipal de Curitiba para o próximo dia 11 de abril. Até aí nada demais, se não fosse a pauta principal do encontro que ocorrerá daqui a menos de um mês: lançamento de candidatura própria à  Prefeitura.

O partido tende a aprovar saída do governo municipal imediatamente! para trabalhar o nome da legenda. Esse é o sentimento da base da agremiação, que se regozijou com uma nota divulgada ontem pelo secretário de organização, Zezinho Vasconcelos, fazendo críticas ásperas à  gestão do aliado pedetista (clique aqui).

Caso o PT realmente rompa, a vice-prefeita Mirian Gonçalves, secretária do Trabalho, e o deputado estadual Tadeu Veneri são apontados pela militância como nomes naturais! à  Prefeitura de Curitiba em 2016.

Os petistas também analisarão no evento do mês que vem a possibilidade de aliança com os partidos da base de sustentação ao governo federal, notadamente o PMDB que deverá apresentar o deputado estadual Requião Filho para a peleja curitibana.

Portanto, o PT debaterá em abril: 1) a entrega imediata dos cargos que ocupa no governo Fruet; 2) a entrega dos cargos comissionados em dezembro; 3) a manutenção da aliança com o prefeito e, consequentemente, a vice na chapa reeleitoral; e 4) a possibilidade de aliança com o pedetista mesmo sem a vice, mas mantendo cargos e secretarias.

Compartilhe agora!

Comments are closed.