Lei Requião!: Cunha se compromete a votar na Câmara projeto que garante direito de resposta na imprensa

cunha_requiao.jpgO presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), nesta quinta-feira (5), telefonou para o senador Roberto Requião (PMDB-PR) para informá-lo que colocará em votação, em breve, o projeto que garante direito de resposta automático! na imprensa brasileira.

A “Lei Requião”, aprovada em setembro de 2013 no Senado, garante a todos os brasileiros o direito de responder, nos meios de comunicação, com o mesmo destaque da notícia original, quando vítimas de notícias não verdadeiras, distorcidas ou ofensivas.

Pela manhã, Cunha telefonou para cumprimentar o correligionário paranaense que hoje completa 74 anos. Requião teria pedido de “presente de aniversário” a votação de seu projeto de direito de resposta, que repousa na Câmara há quase dois anos.

Na época da aprovação do projeto no Senado, Requião argumentou que desde abril de 2009, quando, em boa hora, o Supremo Tribunal Federal extinguiu a chamada “Lei de Imprensa”, uma das últimas “heranças” da ditadura militar (1964-1985), o país não contava com uma legislação que disciplinasse o assunto!. Ele afirmara que seu projeto preenche este vazio.

Leia a íntegra do projeto aprovado pelo Senado, que agora vai ao plenário da Câmara:

SENADO FEDERAL

PROJETO DE LEI DO SENADO

N!º 141, DE 2011

Dispõe sobre o direito de resposta ou retificação do ofendido por matéria divulgada, publicada ou transmitida por veículo de comunicação social.

Legenda:

Textos em preto: originais do projeto

Textos em azul: aprovados no 1!º Relatório

Texto em verde: aprovados após exame das emendas de plenário

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Art. 1!º Esta Lei disciplina o exercício do direito de resposta ou retificação do ofendido em matéria divulgada, publicada ou transmitida por veículo de comunicação social.

Art. 2!º Ao ofendido em matéria divulgada, publicada ou transmitida por veículo de comunicação social fica assegurado o direito de resposta ou retificação, gratuito e proporcional ao agravo.

!§ 1!º Para os efeitos desta Lei, considera-se matéria qualquer reportagem, nota ou notícia divulgada por veículo de comunicação social independentemente do meio ou plataforma de distribuição, publicação ou transmissão que utilize, cujo conteúdo atente, ainda que por equívoco de informação, contra a honra, a intimidade, a reputação, o conceito, o nome, a marca ou a imagem de pessoa física ou jurídica identificada ou passível de identificação.

!§ 2!º Ficam excluídos da definição de matéria estabelecida no !§ 1!º deste artigo os meros comentários realizados por usuários de Internet nas páginas eletrônicas dos veículos de comunicação social.

!§ 3!º A retratação ou retificação espontânea, a que sejam conferidos os mesmos destaque, publicidade, periodicidade e dimensão do agravo, impede o exercício do direito de resposta, mas não prejudica a ação de reparação por dano moral.

!§ 3!º A retratação ou retificação espontânea, ainda que sejam conferidos os mesmos destaque, publicidade, periodicidade e dimensão do agravo, não impede o exercício do direito de resposta pelo ofendido e nem prejudica a ação de reparação por dano moral.[1] (decorre da aprovação da emenda 9 de plenário com subemenda)

Art. 3!º O direito de resposta ou retificação deve ser exercido no prazo decadencial de sessenta dias, contado da data de cada divulgação, publicação ou transmissão da matéria ofensiva, mediante correspondência com aviso de recebimento encaminhada diretamente ao veículo de comunicação social ou, inexistindo pessoa jurídica constituída, a quem por ele responda, independente de quem seja o responsável intelectual pelo agravo. (NR).[2] (decorre da aprovação da emenda 12 de plenário com subemenda)

!§ 1!º O direito de resposta ou retificação poderá ser exercido, de forma individualizada, em face de todos os veículos de comunicação social que tenham divulgado, publicado ou republicado, transmitido ou retransmitido, o agravo original.

!§ 2!º O direito de resposta ou retificação poderá ser exercido, também, conforme o caso:

I !“ pelo representante legal do ofendido incapaz ou da pessoa jurídica;

II !“ pelo cônjuge, descendente, ascendente ou irmão do ofendido que esteja ausente do País ou tenha falecido depois do agravo, mas antes de decorrido o prazo de decadência do direito de resposta ou retificação.

!§ 3!º No caso de divulgação, publicação ou transmissão continuada e ininterrupta da mesma matéria ofensiva, o prazo será contado da data em que se iniciou o agravo.[3] (decorre da aprovação da emenda 12 de plenário com subemenda)

Art. 4!º A resposta ou retificação atenderão, quanto à  forma e à  duração, ao seguinte:

I !“ praticado o agravo em mídia escrita ou na Internet, terá a resposta ou retificação o destaque, a publicidade, a periodicidade e a dimensão da matéria que a ensejou;

II !“ praticado o agravo em mídia televisiva, terá a resposta ou retificação o destaque, a publicidade, a periodicidade e a duração da matéria que a ensejou, acrescida de três minutos;

III !“ praticado o agravo em mídia radiofônica, terá a resposta ou retificação o destaque, a publicidade, a periodicidade e a duração da matéria que a ensejou, acrescida de dez minutos.

!§ 1!º Se o agravo tiver sido divulgado, publicado ou republicado, transmitido ou retransmitido, em mídia escrita ou em cadeia de rádio ou televisão para mais de um município ou Estado, proporcional alcance será conferido à  divulgação da resposta ou retificação.

!§ 2!º O ofendido poderá requerer que a resposta ou retificação seja divulgada, publicada ou transmitida no mesmo espaço, dia da semana e horário do agravo.

!§ 3!º A resposta ou retificação cuja divulgação, publicação ou transmissão não obedeça ao disposto nesta Lei é considerada inexistente.

!§ 4!º Na delimitação do agravo, deverá ser considerado o contexto da informação ou matéria que gerou a ofensa.[4] (decorre da aprovação da emenda 13 de plenário com subemenda)

Art. 5!º Se o veículo de comunicação social ou quem por ele responda não divulgar, publicar ou transmitir a resposta ou retificação no prazo de sete dias, contado do recebimento do respectivo pedido, na forma do art. 3!º, restará caracterizado o interesse jurídico para a propositura de ação judicial.

!§ 1!º à‰ competente para conhecer do feito o juízo do domicílio do ofendido ou, se este assim o preferir, aquele do lugar onde o agravo tenha apresentado maior repercussão.

!§ 2!º A ação de rito especial de que trata esta Lei será instruída com as provas do agravo e do pedido de resposta ou retificação não atendido, bem como com o texto da resposta ou retificação a ser divulgado, publicado ou transmitido, sob pena de inépcia da inicial, e processada no prazo máximo de trinta dias, vedados:

I !“ a cumulação de pedidos;

II !“ a reconvenção;

III !“ o litisconsórcio, a assistência e a intervenção de terceiros.

!§ 3!º Tratando-se de veículo de mídia televisiva ou radiofônica, o ofendido poderá requerer o direito de dar a resposta ou fazer a retificação pessoalmente.

Art. 6!º Recebido o pedido de resposta ou retificação, o juiz, dentro de vinte e quatro horas, mandará citar o responsável pelo veículo de comunicação social para que:

I !“ em igual prazo, apresente as razões pelas quais não o divulgou, publicou ou transmitiu;

II !“ no prazo de três dias, ofereça contestação.

Parágrafo único. O agravo consistente em injúria não admitirá a prova da verdade.

Art. 7!º O juiz, nas vinte e quatro horas seguintes à  citação, tenha ou não se manifestado o responsável pelo veículo de comunicação, conhecerá do pedido e, havendo prova capaz de convencer sobre a verossimilhança da alegação ou justificado receio de ineficácia do provimento final, fixará desde logo a data e demais condições para a veiculação da resposta ou retificação em prazo não superior a dez dias.

!§ 1!º Se o agravo tiver sido divulgado ou publicado por veículo de mídia impressa cuja circulação seja periódica, a resposta ou retificação será divulgada na edição seguinte à  da ofensa, ou ainda, excepcionalmente, em edição extraordinária, apenas nos casos em que o prazo entre a ofensa e a próxima edição indique desproporcionalidade entre a ofensa e a resposta ou retificação.[5] (decorre da aprovação da emenda 16 de plenário)

!§ 2!º A medida antecipatória a que se refere o caput deste artigo poderá ser reconsiderada ou modificada a qualquer momento, em decisão fundamentada.

!§ 3!º O juiz poderá, a qualquer tempo, impor multa diária ao réu, independentemente de pedido do autor, bem como modificar-lhe o valor ou a periodicidade, caso verifique que se tornou insuficiente ou excessiva.

!§ 4!º Para a efetivação da tutela específica de que trata esta Lei, poderá o juiz, de ofício ou mediante requerimento, adotar as medidas necessárias, tais como imposição de multa por tempo de atraso, remoção de pessoas e coisas, aquisição de equipamento e suspensão das atividades do veículo de comunicação, se necessário com requisição de força policial.

Art. 8!º Não será admitida a divulgação, publicação ou transmissão de resposta ou retificação que não tenha relação com as informações contidas na matéria a que pretende responder e nem se enquadre no !§ 1!º do art. 2!º desta Lei.

Art. 9!º O juiz prolatará a sentença no prazo máximo de trinta dias, contado do ajuizamento da ação, salvo na hipótese de conversão do pedido em reparação por perdas e danos.

Parágrafo único. As ações judiciais destinadas a garantir a efetividade do direito de resposta ou retificação previsto nesta Lei processam-se durante as férias forenses e não se suspendem pela superveniência delas.

Art. 10. Das decisões proferidas nos processos submetidos ao rito especial estabelecido nesta Lei poderá ser concedido efeito suspensivo pelo Tribunal competente, desde que constatado, em juízo colegiado prévio, a plausibilidade do direito invocado e a urgência na concessão da medida.

Art. 11. A gratuidade da resposta ou retificação divulgada pelo veículo de comunicação, em caso de ação temerária, não abrange as custas processuais nem exime o autor do ônus da sucumbência.

Parágrafo único. Incluem-se entre os ônus da sucumbência os custos com a divulgação, publicação ou transmissão da resposta ou retificação, caso a decisão judicial favorável ao autor seja reformada em definitivo.

Art. 12. Os pedidos de reparação ou indenização por danos morais, materiais ou à  imagem serão deduzidos em ação própria, salvo se o autor, desistindo expressamente da tutela específica de que trata esta Lei, os requerer, caso em que processo seguirá pelo rito ordinário.

!§ 1!º O ajuizamento de ação cível ou penal contra o veículo de comunicação ou seu responsável com fundamento na divulgação, publicação ou transmissão ofensiva não prejudica o exercício administrativo ou judicial do direito de resposta ou retificação previsto nesta Lei.

!§ 2!º A reparação ou indenização dar-se-á sem prejuízo da multa a que se refere o !§ 3!º do art. 7!º.

Art. 13. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

[1] POSITIVA !“ Essa emenda ampliou o direito de resposta estendendo-os mesmo aos casos em que tenha havido retratação ou retificação espontânea.

[2] POSITIVA !“ trata-se retorno à  ideia original do projeto, que havia sido alterada no 1!º parecer. Obs.: não há razão para a expressão NR!

[3] NEGATIVA !“ em caso de divulgação continuada, o prazo começa a contar de quando se inicia o agravo.

[4] NEUTRA

[5] POSITIVA !“ deixa como regra o dever de divulgar na edição seguinte, e, excepcionalmente, quando convier ao ofendido, em edição extraordinária.

12 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. SÓ QUEREMOS QUE O REQUIÃO DEFENDA OS CAMINHONEIROS E PEÇA COM URGÊNCIA A BAIXA DO PREÇO DO OLEO DIESEL,E NÃO FIQUE PERDENDO O TEMPO COM COISAS SOMENTE DE SEU INTERESSE…

  2. Grande projeto, ao menos nos da forças para sair da escravidão de veja globo e outros; parabéns grande governador, que saudades!Hoje até a gente perdoa, seu mau humor em algumas vezes; mas voce nunca desonrou o nosso voto , como esse canalha do richa e sua quadrilha de ratos. Vida longa ROBERTO .

  3. …EDUARDO CUNHA,22 PROCESSOS NO “LOMBO”ESTÃO TODOS NO STF…UM PICARETA DOS MAIS SÓRDIDOS QUE POSSA EXISTIR…ÉRA TUDO QUE O PSDB,FOLHA,VEJA,GLOBO E,SOBRETUDO,O JUDICIÁRIO PRECISAVA DESESPERADAMENTE,PARA DAR O GOLPE…ACORDA BRASIL!!!EM TEMPO:…O JUDICIÁRIO(?)DESTE PAÍS,NÃO VALE,O QUE O GATO ENTERRA!!!

    • Grande Requião! você representa muito bem á todos nós paranaenses, assim como os demais brasileiros, Dali Requião! homem de coragem, não tem medo da midia golpista.

  4. Acho ótimo esse projeto do Requião. Mas seria bom se também os sindicatos tivessem direito de resposta na TV, como no caso do Paraná que só privilegia nababos odientos.

  5. BRAVO REQUIÃO. E FELIZ ANIVERSÁRIO.

  6. Certíssimo este projeto garante um direito até então desrespeitado pelos meios de comunicação.Geralmente pago a custos altíssimos para denigrir a imagem de pessoas serias aos interesses publicos1

  7. Parabéns ao senador Requião pela iniciativa, espero que esse seja o pontapé inicial para uma regulamentação dessa mídia golpista oligopólica!

  8. “Requião”, você é a nossa salvação no Paraná.Obrigada por estar conosco nesta caminhada!
    Juntos… lutaremos para que nenhum direito nosso seja roubado. Retroceder jamais!
    Quem esta governando nosso Estado, não passa de um desequilibrado! Que teve como mérito… o poder de matar todos meus fantasmas… já não tenho mais medo… vou a luta até sangrar, se preciso for!
    Parabéns! Li seu projeto de lei, tenho certeza que sairá vitorioso!
    Obrigada por você existir!
    Um grande abraço!
    Diretora e Professora do Estado do Paraná.
    Mirian

    • Pois muitos professores elegeram o PSDB que visa apenas o empresariado. A política do PSDB visa a extinção da Educação. Agora enfim, poderemos nos politizar e descobrir para que servem os partidos e seus opressores.

  9. HEI ESMAEL, OS PODEROSOS, OS IMORTAIS TÃO SABENDO QUEM ESTÁ NA LISTA DE JANOT, MAS OS COITADOS DOS BRASILEIROS AINDA NÃO SABEM PRESSIONA ESMAEL VAMOS DIVULGAR LOGO ESSA LISTA.