Governo Dilma é “bom pagador”, classifica agência internacional

do Brasil 247
dilma_credibilidadeApesar de todo o massacre recente dos meios de comunicação, que contribuiu para o mau humor da população que se viu nas manifestações de 15 de março, o segundo governo Dilma tem dois motivos para comemoração – e eles estão nas manchetes desta terça-feira da Folha de S. Paulo e do jornal Valor Econômico.

A Folha destaca a decisão da agência internacional de risco Standard & Poors de manter a nota atribuída ao Brasil, que está nos países considerados bons pagadores, ou seja, com grau de investimento. A agência avalia que o ajuste fiscal capitaneado pelo ministro Joaquim Levy, da Fazenda, é sólido e conta com apoio integral da presidente Dilma, que, ontem, reuniu vários ministros para defender a redução de gastos. “É preciso gastar mais com o Brasil do que com Brasília”, disse ela. A S&P também avalia que o ajuste passará no Congresso, apesar dos problemas de articulação com a base aliada.

O Valor Econômico, por sua vez, publica relatórios de bancos de investimento, como o JP Morgan, que consideram cada vez mais remoto o risco de racionamento de energia no Brasil, em 2015 – ideia defendida, em entrevista deste fim de semana, pelo economista Armínio Fraga (ex-futuro-ministro da Fazenda de Aécio Neves). Segundo o JP Morgan, o racionamento será evitado não apenas porque o regime hidrológico melhorou, ou seja, choveu mais, mas também porque o aumento recente na conta de luz desincentivou o consumo, gerando mudanças no comportamento dos brasileiros.

Sem rebaixamento e sem racionamento, o Brasil estará mais apto a atravessar com mais rapidez o período de ajustes, podendo atrair investimentos e voltar a crescer antes do que se imagina. Segundo o ministro Nelson Barbosa, a economia já estará crescendo no terceiro trimestre deste ano.

Ainda que de forma não assumida, o “quanto pior, melhor” era uma das apostas da oposição. O ex-governador paulista Alberto Goldman defendeu, em artigo publicado na Folha, que a deterioração das condições econômicas seriam uma das condições para um eventual impeachment.

Com a nota de risco mantida e a hipótese de racionamento afastada, o tema mais urgente, agora, é evitar o colapso do setor de infraestrutura e da indústria naval, que vem sendo provocado pela Operação Lava Jato.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Esmael, sugiro variar um pouco o “cardápio”.
    Exatamente 1 dia depois que Dilma e seus emissários
    conseguiram equilibrar o Brasil na corda bamba, e
    conseguiram que a classificação de risco não fosse
    baixada pelas agências de avaliação internacionais,
    Olha o que os depu federais fizeram ontem.
    Aprovaram a mudança no índice dos indexadores de
    dívidas dos estados e municípios.
    Isto é uma trombada contra os ajustes fiscais que
    a presidente impôs contra a população.
    É boicote, com direito ao fogo “mui amigo” do
    Paes(PMDB), e do Haddad (PT).
    Literalmente, querem quebrar a “banca”.
    Tá chegando a hora de fechar o prostíbulo político
    em Brasília.
    Veja a notícia e a foto dos 2 abjetos “ícones” da
    política brasileira.
    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/03/1607673-camara-ignora-dilma-e-aprova-prazo-para-indexador-das-dividas-dos-estados.shtml

    • Ps:- Só para esclarecer: não sou eleitor de Dilma,
      nem de Beto.
      Mas lá e cá as coisas estão beirando o
      surreal, o inacreditável.
      Importa + é ferrar o inimigo, e a Patria?
      Que se dane. Eles estão cegos.
      À hora em que o prostíbulo for fechado,
      então alegarão que foram democraticamente
      eleitos, e que isto é um golpe contra a
      Democracia.
      Democracia pra quem, e de quem, cara-pálida?

  2. OS GOVERNANTES DO PSDB NÃO CONHECEM ESSA PALAVRA “BOM PAGADOR”, MAS CONHECEM “CALOTEIROS”

  3. Todos os governantes brasileiros são bons pagadores, o federal, os estaduais e os municipais…

    BONS PAGADORES DE PROPINA….

  4. Tá legal.
    Mas o problema agora é a Dilma “froxá” a mão nos
    ajustes necessários, para atender pleitos e
    pressões dos partidos “aliados”.
    Parece que isto já está acontecendo, e é uma pena.
    Não podemos esquecer que o nosso pescoço continua
    na Guilhotina.