90% dos paranaenses apoiam a greve da educação, diz Paraná Pesquisa

Embalados pelo apoio da opinião pública, educadores deverão continuar em greve até o governo Beto Richa atender todas as reivindicações. Segundo a Paraná Pesquisas, 90% dos paranaenses apoiam a paralisação dos professores e funcionários de escolas. Hoje, a partir das 8h30, tem assembleia geral da categoria com transmissão ao vivo do Blog do Esmael/TV 15, direto do estádio Durival de Britto (Paraná Clube), na Vila Capanema, em Curitiba.

Embalados pelo apoio da opinião pública, educadores deverão continuar em greve até o governo Beto Richa atender todas as reivindicações. Segundo a Paraná Pesquisas, 90% dos paranaenses apoiam a paralisação dos professores e funcionários de escolas. Hoje, a partir das 8h30, tem assembleia geral da categoria com transmissão ao vivo do Blog do Esmael/TV 15, direto do estádio Durival de Britto (Paraná Clube), na Vila Capanema, em Curitiba.

O jornal Gazeta do Povo, edição desta quarta-feira (4), traz o impressionante índice de 90% de apoio dos paranaenses à  greve dos professores e funcionários de escolas.

A categoria se reúne logo mais, a partir das 8h30, na Vila Capanema, em Curitiba, para aprovar a continuidade da greve que hoje completa 24 dias.

A sondagem da Paraná Pesquisa também surpreende ao revelar que 80% dos paranaenses apoiaram a ocupação da Assembleia Legislativa, no último dia 12 de fevereiro, que culminou com a suspensão da sessão do tratoraço.

A sondagem aponta que 90% dos eleitores ficaram sabendo da greve na educação e parte de seus motivos, dentre os quais a intenção do governador Beto Richa (PSDB) confiscar R$ 8 bilhões do fundo previdenciário, que pertence aos servidores públicos, para cobrir rombo no caixa.

Após a assembleia com 20 mil pessoas, os educadores deverão marchar até o Centro Cívico. A intenção da APP-Sindicato é acompanhar a sessão na Assembleia Legislativa, que receberá o secretário da Fazenda, Mauro Ricardo Costa, para prestar contas.

Nesta terça (3), a mesma Paraná Pesquisas divulgou na Gazeta levantamento mostrando que 73% dos paranaenses consideram ruim/péssima a atuação do governo Richa na educação. Também mostrou que 76% dos eleitores reprovam sua administração (clique aqui).

Veja o infográfico da Gazeta:

pesquisa_prof

12 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Tenho dois filhos no Ensino Médio, um no 1º ano e um no 3º ano e estou apoiando os professores, eles estão certos em fazer greve, esse governo péssimo que está ai não sabe nem escolher um secretário da educação, em vez de colocar um professor, coloca um empresário que não conhece nada de educação, mas que já ganhou muito dinheiro vendendo os tablet para o Estado, sendo que meus filhos nunca viram professores usando eles em sala, porque dizem que são desatualizados, assim inservíveis para a educação. Esse governador deveria pedir desculpas aos professores, pois são eles que formam todos os nossos filhos.

  2. Será que depois destas invertidas (Invasão e tomada da ALEP, Caminhada dos 100 mil com protesto e agora com decisão pela continuidade da poderosa greve) Beto Richa vai querer continuar tentando mexer nos 8 bilhões do Paraná a Previdência Pública dos Servidores Públicos do Paraná?

    O Paraná Previdência e outras formas de garantias de aposentadorias no serviço público, embora ainda, foram pontos progressivos da Constituição de 1988, fruto de todo o processo de mobilização da década anterior. No entanto, a política neoliberal de desmonte dos serviços públicos (sucatear, terceirizar e privatizar), como ocorre no atualmente no Paraná, chegou ao país logo depois e os fundos de previdência públicos de Servidores Públicos começaram a ser dilapidados.
    Já no governo Collor, se preparava uma ampla reforma, que acabou sendo adiada pelo seu impeachment. No entanto, em 1999, o governo FHC, no auge das privatizações e sucateamento do Estado, conseguiu implementar uma reforma que, além do fator previdenciário, instituía ataques como a troca do termo “tempo de serviço” por “tempo de contribuição”. A resistência dos trabalhadores públicos, por sua vez, impediu um ataque mais profundo. Mas as tentativas de se acabar com as previdências públicas se mantiveram.
    Agora o governo “betorichiano” , surpreendendo a muitos, depois de eleito quer impor um duro ataque às atuais e futuras aposentadoria dos Servidores Públicos do Paraná. A “reforma” do Paraná Previdência quer acabar com a aposentadoria integral do setor, criando um fundo complementar ( a ser regulamentado se aprovado pela ALEP o desmonte do fundo de 8 bilhões de reais do Paraná Previdência) recentemente). Agora, se sabe que essa reforma, que provocou greves e manifestações dos Servidores Públicos do Paraná deveria ser aprovada através da compra de políticos. Ao mesmo tempo em que o governo e grande parte da imprensa alertam sobre um suposto déficit para abrir um rombo que vai ser utilizado, depois como justificativa para acelerar essa malfadada e maldita “nova reforma” no bendito Paraná Previdência dos Servidores Públicos.

  3. …OS GÂNGSTERS,BETO CALOTEIRO,LERNER,TANIGUCHI E,SUA CORJA DE FACÍNORAS SAQUEADORES DO ERÁRIO PÚBLICO,NÃO ESTÃO NA CADEIA,PORQUE O JUDICIÁRIO(?)DO PARANÁ E/OU BRASIL,NÃO VALE,O QUE O GATO ENTERRA…ACORDA PARANÁ,ACORDA BRASIL!!!EM TEMPO:O PIOR CÂNCER DESTE PAÍS É, O JUDICIÁRIO!!!

  4. Oi, gostaria de pedir para alguém investigar se ele de fato já não está passando a mão no “nosso” Fundo Previdenciário, pois, ao fazer a declaração do IR de minha mãe (professora aposentada) imprimi o extrato de contribuições (que nos anos anteriores era Paraná Previdência) e nele está escrito “Fundo Financeiro”. Alguém investigue, por favor. P.S. #eutonaluta#eutonagreve#

  5. Penso, Esmael, que a luta mais do que legítima da APP e demais servidores estaduais pela manutenção de seus direitos, poderá ser ampliada para conquista de novos direitos à muito sonhados por todos.
    É isso que o pinóquio do batel está arranjando com sua intnasigência e formação de quadrilha na AL.
    Afinal de contas, ele mesmo pavimentou o caminho da vitória para os servidores. Logo mais, a assembléia dos professores decidirá certamente pela continuação da greve.
    Ratinho, o filho, se tiver qualquer ambição política, deverá apoiar os professores e esquecer o piá de predio em qualquer lata de lixo.
    Caso contrário, é melhor já ir pensando em assumir um cargo de direção de porra nenhuma na tv de Ratinho, o pai.
    Via a APP! Viva os professores!
    Que orgulho, ser professor no Paraná!

  6. A mudança no uso do fundo ParanáPrevidência é o item que indiscutivelmente está no centro deste movimento! Agora nas negociações existe muito faz de conta que avança:em dizendo que retornariamos à demanda (número de turmas) de dezembro de 2014.Entretanto, no item seguinte define que o aumento de turmas cada escola terá mediante o pedido e posterior consentimento da SEED-PR e sem a necessária nova distribuição de aulas! Na verdade A QUALIDADE do trabalho pedagógico fica comprometido e inviável! Motivo: Um item da pauta contradiz o outro!
    É preciso negociação real!Somente os professores estão pensando nos alunos e no ritmo da escola!

  7. Ô Esmael, e como ficou aquele povo que foi sacar os depósitos judiciais e encontrou a conta zerada? Tem que “tirar um extrato” da conta do paranáprevidência, ver se o Malandro já não torrou os 8 bi, e só quer justificar isso agora.

  8. Quatro museus de Curitiba fecham por falta de pagamento pela segurança
    Museus de Arte Contemporânea do Paraná, Alfredo Andersen, Paranaense e do Expedicionário não abrem por dívida de R$ 1,5 milhão do governo com empresa terceirizada de vigilância- GAZETA DO POVO.
    O BETO ESPONJA SUGOU O DINHEIRO DO PARANA

  9. Esse governo, além de ter a obrigação em atender todas as revindicações, assumindo compromisso em público para toda sociedade paranaense, deverá trocar o “alto escalão” da Secretaria de Educação, principalmente, aqueles ligados à área pedagógica e ainda, se for inteligente, convidar para retornar alguns professores, que foram dispensados da SEED durante essas duas gestões. Esse desmonte da educação precisa parar urgente.

  10. Eu, como professora do estado, fico muito feliz em ver que o povo do Paraná tem cosciência do que o governador está fazendo conosco. Espero que essa aprovação e o apoio continuem até o final da greve.

    Nós não temos a intenção de prejudica os alunos ou a comunidade, apenas queremos ter condições dignas para trabalhar e, também, não perder direitos.