Richa vira alvo de intensos protestos e é “enterrado” no Paraná; assista

O tradicional município de Irati tem cerca de 60 mil habitantes e fica a 156 km de Curitiba, na região Sul; Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais, está a 110 km da capital e tem 340 mil habitantes.

O tradicional município de Irati tem cerca de 60 mil habitantes e fica a 156 km de Curitiba, na região Sul; Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais, está a 110 km da capital e tem 340 mil habitantes.

O município de Irati, região Sul, parou nesta segunda-feira (23) contra o governador Beto Richa (PSDB). O motivo é o mesmo que também paralisa o resto do estado: o desastre administrativo, calote nos salários de servidores, fechamento de escolas e universidades, tentativa de aprovar na Assembleia o pacote de maldades, inclusive o confisco de R$ 8 bilhões da poupança previdenciária dos funcionários públicos do Paraná.

Os iratienses se mobilizaram contra o fechamento da Unicentro, pois há um campus na cidade. Em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, servidores da UEPG (Universidade Estadual de Ponta Grossa) também teve “enterro” de 34 deputados governistas — a Bancada do Camburão — e do governador do PSDB.

Os intensos protestos iniciaram no último dia 9 de fevereiro, com o início da greve dos educadores de 2,1 mil escolas da rede pública, mas, aos poucos, foi ganhando corpo com adesão de outras categorias do serviço público estadual.

Nesta quarta-feira, dia 25, haverá uma “megamanifestação” capitaneada pela APP-Sindicato. Fala-se em 50 mil pessoas marchando da Praça Santos Andrade (UFPR), Centro, rumo ao Palácio Iguaçu. Também se cogita no fim do movimento paredista, mesmo que o governo tucano mantenha a Paranaprevidência na linha de tiro.

A seguir, veja como foi o protesto em Irati:

Comentários encerrados.