Governistas chegam a acordo: ‘massacre aos funcionários públicos’

Acordo governista tenta 'engabelar' funcionalismo público em greve. Governo Richa quer meter a mão em R$ 8 bilhões da previdência, ou seja, dinheiro dos grevistas. Eles vão deixar ser enganados?

Acordo governista tenta ‘engabelar’ funcionalismo público em greve. Governo Richa quer meter a mão em R$ 8 bilhões da previdência, ou seja, dinheiro dos grevistas. Eles vão deixar ser enganados?

A base governista na Assembleia Legislativa foi consultar-se com o governador Beto Richa (PSDB), esta noite, após a sessão com galerias lotadas. Contaram as garrafas e chegaram a um acordo: massacre ao fundo previdenciário dos funcionários públicos em greve, coisa de R$ 8 bilhões.

Maquiavélico, o Palácio Iguaçu ensaia discurso sugerindo que os grevistas sairão vitoriosos por causa da retirada de pontos polêmicos do pacote de maldades, tais como: manutenção do quinquênio e anuênio, auxílio-transporte e continuação do PDE nos avanços e promoções dos professores.

Ou seja, Richa planeja tirar R$ 8 bilhões, mas deixaria as conquistas como “troco” para calar os grevistas que estão acampados no Centro Cívico.

Portanto, o coração do pacote de maldades continuaria intacto: a extinção do fundo previdenciário, o que comprometerá aposentadorias e pensões dos servidores.

Alguém cairá no conto do vigário nesta terça durante a comissão geral? A conferir.

A vitória dos funcionários públicos em greve só será efetiva se houver recuo completo do governo do PSDB, retirando o pacote de maldades da pauta. Caso contrário, constituir-se-á numa derrota história para o movimento sindical paranaense cuja recuperação levará 30 anos.

Perder o fundo previdenciário nesta batalha seria uma derrota estratégica e um atestado de burrice para todo o funcionalismo que está mobilizado nas ruas.

Comentários encerrados.