Gleisi reclama de silêncio da mídia acerca do Taradão do Palácio Iguaçu!

richa_tchelo_gaievisk_gleisi.jpgA senadora Gleisi Hoffmann (PT), a correligionários, tem reclamado bastante sobre o comportamento leniente da velha mídia paranaense em relação à  prisão de Marcelo “Tchello” Caramori, ex-assessor do governador Beto Richa (PSDB), acusado de pedofilia.

Durante a campanha ao governo do estado, a mídia não poupou a petista por abrigar o ex-prefeito de Realeza, Eduardo Gaievski, na Casa Civil do governo federal, que também está preso sob a mesma acusação de exploração sexual de menores.

Assim como o governador tucano, Gleisi também demitiu o correligionário, mas recebeu tratamento “diferenciado” no caso que a prejudicou na corrida eleitoral.

O deputado estadual Requião Filho (PMDB) também vê tratamento VIP a “Tchello” na mídia, pois, semana passada, o parlamentar protocolou novas denúncias ao Gaeco, braço policial do Ministério Público, sobre possíveis troca de mensagens no WhatsApp com o Palácio Iguaçu. Nenhuma linha nos jornalões. Nada nas rádios e TVs.

O PT parece não querer deixar barato essa questão do “Taradão do Palácio Iguaçu”. Ontem à  noite (20), ao vivo pela “TV APP”, durante pronunciamento no acampamento dos educadores em greve, o deputado estadual Professor Lemos colocou o dedo na ferida.

Ao falar aos companheiros grevistas, o parlamentar petista recomendou que o governador do PSDB demitisse comissionados para sobrar dinheiro para a educação. Foi aí que Lemos se lembrou de “Tchello”, contratado pelo Palácio Iguaçu com um cargo DAS-5 (nível de diretoria), cuja fidelidade ao chefe pode ser atestada pela tatuagem que exibe no braço em código de barras: “100% Beto Richa”.

A pergunta que fica é: quem com Gaievski fere com Tchello será ferido? A conferir.

Comentários encerrados.